UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 13 de julho de 2024

Esquerda na Turquia se une para derrotar presidente reacionário em eleições

Em meio ao processo eleitoral na Turquia, a esquerda e os democratas se preparam para tentar tirar o presidente reacionário Recep Erdogan e seu partido do poder. Confira abaixo alguns trechos da entrevista do jornal turco Evrensel com a vice-presidente do Partido do Trabalho da Turquia, Selma Gurkan.

Redação 


INTERNACIONAL – Milhões de turcos irão às urnas, no próximo dia 14 de maio, para eleger o novo presidente e 600 deputados da assembleia nacional. O povo turco vive há 20 anos sob o governo liderado pelo atual presidente Recep Tayyip Erdogan, que foi primeiro-ministro entre 2003 e 2014, e desde então preside o país.

O partido reacionário de Erdogan, vem ano após ano se aproveitando de uma legislação eleitoral antidemocrática e a posição estratégica da Turquia como membro da OTAN. Esta situação garantiu que ele pudesse governar de forma autoritária, perseguindo militantes sociais, opositores e a minorias étnicas, como os curdos.

O jornal turco Evrensel, parceiro do Jornal A Verdade, fez uma entrevista com Selma Gurkan, vice-presidente do Partido do Trabalho da Turquia (EMEP) e candidata pelo distrito de Ancara ao parlamento. O EMEP participa de uma coligação dos partidos de esquerda contra o governo reacionário de Erdogan, a Aliança Trabalho e Liberdade. Reproduzimos aqui alguns trechos da entrevista. A entrevista completa (em turco) pode ser encontrada neste link.

Poder popular é o que deve decidir os rumos da Turquia, defende o EMEP

O principal ponto que o EMEP e a Aliança Trabalho e Liberdade vem defendendo nestas eleições é a necessidade de ampliar o controle do povo sobre as decisões do país. Hoje, a Turquia é governada por um parlamento de 600 pessoas eleito por uma legislação extremamente antidemocrática, com uma cláusula de barreira de 10% para um partido eleger um deputado.

De acordo com Selma Gurkan, “o povo deve estar representado no parlamento. Mas 600 políticos profissionais não devem tomar a decisão final. Como os recursos públicos serão usados, como o orçamento será planejado, quais necessidades do povo serão gastas devem ser decididas pelo poder popular organizado.”

Ainda segundo Gurkan, há a necessidade de se defender uma política externa independente na Turquia, que é membro da OTAN (aliança imperialista liderada pelos EUA). “Defendemos uma política externa independente das potências imperialistas, contrária à sua hegemonia na região e baseada na fraternidade e solidariedade dos povos. Defendemos o fim da existência de organizações imperialistas como a OTAN. Temos uma política onde os povos da região decidirão seu próprio futuro e respeitarão a soberania do país.”

Enfrentamento ao fundamentalismo e a perseguição étnica

Outra situação que a Turquia passa é a repressão contra a etnia curda e as políticas fundamentalistas de Recep Erdogan. O país, de maioria muçulmana, tem adotado políticas de estado para reprimir minorias religiosas e Erdogan tem apoiado grupos fundamentalistas dentro e fora do país.

Segundo Gurkan, o EMEP na Turquia defende “uma democracia baseada na solução do problema curdo com base na igualdade de direitos. Um verdadeiro secularismo que acabará com o domínio das seitas religiosas, abolirá o domínio de uma crença sobre a outra e revelará uma verdadeira liberdade de crença, incluindo o direito de não acreditar.”

A militante turca também denuncia as medidas que o governo de Erdogan vem cometendo para subjugar a oposição. Ministros do governo não renunciaram para ser candidatos e vem usando recursos públicos para fazer campanha, o que é ilegal. O próprio Erdogan está usando a estrutura da presidência e cerimônias oficiais para fazer campanha, o que também é proibido no país, assim como no Brasil.

Luta contra legislação eleitoral antidemocrática

Gurkan aponta o esforço que está sendo realizado pela oposição para conseguir garantir a lisura do processo eleitoral. “O HDP (Partido Democrático dos Povos, organização curda que sempre participou das eleições) não pôde participar nas eleições devido ao risco de ser fechado. Devido a legislação, a Esquerda Verde não pode colocar fiscais de urnas. No entanto, haverá cerca de 200.000 urnas e cada urna terá a atribuição de observadores e procuradores. Estamos trabalhando para garantir a segurança das urnas em coordenação com plataformas independentes de cidadãos como Oy ve Ötesi e Turkey Volunteers. O Partido do Trabalha e nossa aliança também estão na Plataforma de Segurança Eleitoral. Visamos a segurança de todas as urnas.”

A Turquia se aproxima de um processo eleitoral histórico. Apesar da legislação extremamente antidemocrática e das tentativas do governo reacionário de Erdogan em limitar a oposição, a esquerda no país se organiza para derrotar a extrema-direita.

Após o terremoto no início do ano, os povos da Turquia vem se revoltando cada vez mais contra o domínio fundamentalista e de direita do governo Erdogan. Está cada vez mais difícil para ele manter o controle do país.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes