UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 14 de abril de 2024

Movimento Luta de Classes reúne várias categorias em congresso estadual no RJ

MLC realiza segundo congresso no RJ reunindo várias categorias. Movimento debateu a organização do trabalho sindical e as pautas da classe trabalhadora no próximo período.

Esteban Crescente e Yasmin Barros | Rio de Janeiro


TRABALHADORES UNIDOS – No último dia 24 de junho, o Movimento Luta de Classes (MLC) realizou o 2º Congresso estadual no Rio de Janeiro, com a presença de 55 delegados de várias categorias, como servidores públicos, profissionais da educação e operários moedeiros, entre outras. O encontro ocorreu no Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações – Sinttel Rio e é uma etapa fundamental de preparação para o II Congresso Nacional do movimento, que será realizado nos dias 18, 19 e 20 de agosto, em São Paulo.

A plenária discutiu a conjuntura e o papel dos sindicatos como ferramentas de organização da classe trabalhadora, a exposição inicial foi de Juliete Pantoja, presidenta estadual da Unidade Popular no RJ, e Raul Bittencourt, Coordenador Geral do Sindsep-RJ e do MLC RJ. O debate pautou a necessidade de luta contra as Reforma Trabalhista (2017), Previdenciária (2019) e do Novo Ensino Médio, entendendo que essas reformas atendem aos interesses do patronato, enquanto precarizam as condições de vida da classe trabalhadora.

As intervenções também apontaram a centralidade do enfrentamento ao fascismo e o golpismo de 08 de janeiro, ao mesmo tempo a necessidade de combate ao Arcabouço Fiscal, proposto pelo governo e piorado pelo congresso. Pois a lógica de impedir os investimentos públicos nas áreas sociais, para garantir a fatia do orçamento com o pagamento da dívida pública, somente fortalece o Capital Financeiro e abre espaço para atuação política dos fascistas.  

Ocorreram discussões sobre a necessidade de mobilizar os sindicatos pelos reais interesses da classe trabalhadora, atendendo às demandas da base da categoria, enfrentando a passividade ou traição de direções sindicais que muitas vezes se vendem à patronal. Princípios do sindicalismo classista e combativo foram reforçados como a solidariedade de classe e a defesa dos sindicatos como instâncias da classe e não corporativas. A luta pelo Socialismo foi parte fundamental do debate, devendo ser parte de nosso esforço de propaganda e consciência na construção orgânica no movimento, fazer dos sindicatos escolas de socialismo.

Ao longo do Congresso uma emocionante homenagem foi prestada a dois fundadores do Movimento Luta de Classes no Rio e no Brasil. O metalúrgico Carlos Maria “Formigão” e o servidor aposentado Carlinhos, liderança do Abrigo Cristo Redentor. Ambos foram aclamados por seus históricos esforços e receberam de presente o caderno de formação sindical do MLC.

Na parte da tarde, o informe da Coordenação Estadual dava conta do crescimento e fortalecimento do trabalho do MLC no Estado do Rio, que nos últimos anos cresceu em ocupação de número de sindicatos e construção de núcleos. A própria composição do congresso foi um demonstrativo. Estavam presentes; professores das redes pública e privada, metalúrgicos, servidores públicos (universidades, institutos e ministérios), petroleiros, moedeiros, terceirizados, garis, autônomos, trabalhadores de TI, músicos, trabalhadores de aplicativos e trabalhadores da saúde.

O congresso também se concentrou em elencar as tarefas urgentes para o próximo período de lutas e organização. Ocupar espaços nos sindicatos, montar chapas de oposição, organizar os núcleos do MLC, aprofundar o estudo sobre o movimento sindical e estar nas lutas das categorias.

Também foi discutida uma maior atenção às demandas da categoria de aposentados e aposentadas, à necessidade de paridade de gênero dentro dos movimentos sindicais, enfrentamento ao racismo e à urgência de oposição às diversas formas de violência, inclusive a institucional, em nossos espaços de atuação.

Na etapa final, foram realizadas duas votações: a eleição dos delegados e delegadas que representarão o Rio de Janeiro no Congresso nacional, e a eleição da coordenação estadual que será responsável pelo encaminhamento dos trabalhos do movimento no próximo período. Ao todo, serão 20 delegadas e delegados com a missão de levar as propostas do estado para a próxima etapa congressual, bem como de trazer o retorno para o estado do que vem sendo discutido nas instâncias sindicais a nível nacional. Quanto à coordenação, 13 coordenadoras e coordenadores passam a compor o movimento, sendo 6 mulheres e 7 homens.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes