UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 19 de abril de 2024

População trans é impedida de entrar na universidade por causa da violência

Enquanto nas universidades brasileiras apenas 0,2% do corpo discente é de estudantes trans e travestis, nas ruas, essa é a população que mais morre vítima de violências de gênero.

Alice Oliveira | Nova Iguaçu (RJ)*


EDUCAÇÃO – Dados levantados pela Rede Nacional de Pessoas Trans no Brasil mostram que 82% das pessoas trans e travestis entre 14 e 18 anos de idade abandonam o ensino básico, tendo como principal causa a transfobia. Outra pesquisa, desta vez realizada pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), revela que a imensa maioria das pessoas trans e travestis é expulsa de casa a partir dos 13 anos de idade. 

Se observarmos as universidades brasileiras, vemos o verdadeiro tamanho do buraco. De acordo com a Associação Nacional de Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), apenas 0,2% dos estudantes em instituições públicas são pessoas trans e/ou travestis.

Em síntese, as políticas de expansão do acesso ao ensino, atacadas e sucateadas durante o Governo Bolsonaro, apesar de promoverem avanços, foram insuficientes para alcançar as camadas sociais mais oprimidas. Hoje, de forma geral, as universidades não garantem cotas para pessoas trans e não existe nenhum tipo de política de permanência, ocasionando muitas evasões.

Brasil é o país que mais mata pessoas trans no mundo

De acordo com o relatório publicado pela Associação Nacional de Travestis e Transsexuais (ANTRA), o Brasil é o país que mais mata pessoas trans e travestis no mundo. Outra pesquisa realizada pela SBMFC estima que 80% das pessoas trans e travestis assassinadas em 2019 eram negras e 64% foram mortas ao ar livre, no meio da rua.

Os dados são alarmantes e escancaram a violência que o capitalismo, sistema que impulsiona as opressões como o machismo e a cis-heteronormatividade, exerce sobre as populações dissidentes de gênero. É preciso ter em mente a dimensão dessas violências para compreender a precarização e a baixa expectativa de vida da população trans que, sem conseguir se manter na Universidade e no mercado de trabalho, é empurrada para as piores condições de vida.

A violência é sistêmica

Essa é justamente a base do sistema capitalista. A exploração da classe trabalhadora, que tem sua manutenção através  da reprodução das opressões de gênero, sexualidade e raça, que tenta impor suas concepções ultrapassadas e excludentes, incapazes de garantir o mínimo de dignidade para a maior parte da população.

Em conclusão, para garantir futuro onde pessoas trans e travestis não são agredidas e mortas nas ruas, para garantir acesso pleno à educação e emprego, é apresentada para todas as pessoas a fundamental tarefa de organizar a luta da população LGBTIA+ pelo fim do capitalismo e pela construção de uma sociedade socialista, que nos garanta o direito de existir!

*Estudante do curso de letras da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes