UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 22 de junho de 2024

Governo do Equador ignora vontade popular para garantir os lucros dos monopólios do petróleo

No último mês, o povo equatoriano foi às urnas em plebiscito e votou contra a exploração de petróleo em uma área da Amazônia. Para garantir os interesses das grandes empresas, governo neoliberal de Guilhermo Lasso não quer cumprir a vontade a vontade popular. 

Igor Marques | Rio de Janeiro


INTERNACIONAL — No final do último mês de agosto, o povo equatoriano foi às urnas em uma eleição marcada pela violência dos cartéis e dos setores mais reacionários da burguesia local. Além das eleições extraordinárias gerais, ocorreram também plebiscitos que consultavam a população acerca da exploração de petróleo e minérios em áreas de interesse socio-ambiental.

Como repercutido pelo Jornal A Verdade, 59% dos equatorianos votaram pela proibição da extração de petróleo da área de proteção ambiental de Yasuní, localizada na Amazônia Equatoriana. Essa área é considerada de grande Biodiversidade e possui dezenas de povos originários.

Porém, para atender os interesses dos monopólios estrangeiros, o governo Lasso não aceita a vontade popular.

Governo Lasso não aceita vontade do povo

Os movimentos sociais e os povos originários do Equador lutam há mais de 10 anos pela realização do plebiscito. Nas massivas manifestações de rua ocorridas no país desde 2019, a população levantava a bandeira de luta contra a exploração capitalista do meio ambiente e os ataques aos povos indígenas. 

O governo, no entanto, não realizava o plebiscito sob pressão do lobby dos monopólios internacionais e por causa da massiva crise política em que vivia.

Mesmo com 59% da população votando pela proibição da extração do petróleo, Lasso não cumpre as disposições. O plebiscito obrigava o fim da expansão e dos investimentos na área de forma imediata e o fim da exploração, com a retirada do maquinário, em até 18 meses e o presidente e seu ministro de Energia deixaram claro a posição de continuar a extração.

Essa posição é um ataque ao povo equatoriano, aos povos originários de toda a Amazônia e ao planeta. Segundo o governo, a continuidade da exploração é necessária pela sua alta rentabilidade e pela dificuldade na retirada da maquinaria. 

O avanço das atividades de garimpo e de extração de petróleo na Amazônia traz imensos prejuízos ao meio ambiente e aos povos indígenas, como pudemos ver nos sucessivos ataques ao povo Yanomami e às terras de sua reserva. E o governo Lasso prefere ignorar todas essas questões para defender o lucro das grandes empresas.

Construir a luta internacional em defesa da Amazônia

Nas últimas eleições, apenas os candidatos do partido Unidad Popular e da coligação Claro que se Puede!, do candidato a presidente Yaku Pérez, mobilizaram pela proibição.

Construir a luta internacional contra o avanço da exploração capitalista da Amazônia, em defesa dos povos originários da região e pelo Socialismo é fundamental para o futuro da humanidade e a luta contra as mudanças climáticas. 

As organizações e movimentos sociais de esquerda do Equador e nós da Unidade Popular continuaremos mobilizados na luta contra essa medida autoritária do governo Lasso em meio ao processo do segundo turno das eleições presidenciais do pais.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes