UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

CIPOML chama a classe trabalhadora e os povos a se unirem e lutarem contra a burguesia e o imperialismo

Leia também

Leia, na íntegra, o documento “Declaração final da 28ª Sessão Plenária da Conferência Internacional dos Partidos e Organizações Marxistas-Leninistas – CIPOML”*


INTERNACIONAL A CIPOML chama a classe trabalhadora e ao povo à unidade e à luta contra a burguesia e o imperialismo.

A 28ª Conferência foi convocada sob condições de intensificação do confronto entre os imperialistas, que unem-se em blocos rivais. Após quatro dias de trabalho produtivo discutindo os problemas da agenda da classe trabalhadora e do povo, a Conferência tomou decisões unânimes sobre as suas soluções.

A nossa Conferência está determinada a travar uma luta ideológica aberta e intransigente contra todas as opiniões e tendências caluniosas e enganosas, capazes de desviar a unidade e as lutas da classe operária e dos povos trabalhadores do mundo.

Estamos testemunhando uma evolução que não pode ser subestimada na redistribuição econômica do mundo de acordo com as mudanças de poder dos imperialistas. A Rússia não tolerou a abertura da Ucrânia à expansão dos EUA e da UE e a sua entrada na OTAN. Ela realizou uma invasão a este país. Há agora uma guerra imperialista na Ucrânia, com os EUA, a Grã-Bretanha e os países europeus e a sua organização de guerra OTAN, de um lado, e a Rússia, apoiada pela China, do outro. Israel, com o total apoio dos EUA, Grã-Bretanha, Japão, Austrália, Canadá e dos imperialistas europeus, trava uma guerra de agressão imprudente contra o povo palestino, cujas terras ocupa, cometendo um genocídio. A agressão do sionismo israelense é apoiada pela grande maioria dos imperialistas, especialmente pelos EUA. Enquanto os imperialistas lutam na Síria e na Líbia através dos seus representantes, os conflitos locais em África e os sucessivos golpes de estado são a prova de que os conflitos imperialistas para a redivisão do continente continuam. A China, por exemplo, compete agora com os imperialistas dominantes destes continentes na Ásia, África e América Latina. Com os seus investimentos, empréstimos e créditos, desafia em particular o imperialismo estadunidense. A resposta até agora tem sido uma escalada das guerras comerciais seguida pela revisão das cadeias de abastecimento e das rotas de transporte, e pelas barreiras ao investimento e à transferência de tecnologia.

A tendência dos imperialistas é de desafiarem-se mutuamente. Isso é comprovado no aumento das despesas em armamento. Os imperialistas, armados até aos dentes, testam novas armas e aceleram a produção de armas enquanto esgotam os seus antigos arsenais em guerras como a da Ucrânia. Os imperialistas não só aceleram a produção e compras de armamento e realizam enormes investimentos em complexos militares-industriais, mas expandem a militarização da sociedade capitalista, estendendo o militarismo a todas as áreas da vida.

Estas consequências diretas do conflito interimperialista têm um impacto negativo na economia mundial. As despesas com armas à custa do povo, que deveriam estimular a produção, desempenham na realidade um papel destrutivo na economia. Além disso, não só a Alemanha, que deixou de comprar gás à Rússia, tenta há dois anos recuperar a sua economia. Desde o ano passado, a taxa de crescimento do volume do comércio mundial tem vindo a cair. A desaceleração das taxas de crescimento também afeta a produção industrial. Além disso, dois grandes bancos americanos e um banco suíço acabaram de falir. Estes fatos são sintomáticos do declínio geral do capitalismo.

Sem dúvida, as contradições e conflitos entre os imperialistas não são a única razão para o abrandamento do desenvolvimento da economia capitalista. O sistema capitalista-imperialista é baseado na exploração e na pilhagem, produzindo crises constantes. O objetivo da produção capitalista é aumentar os lucros dos monopólios, e esta é a raiz de todos os males. As contradições e conflitos cada vez mais agudos entre imperialistas, juntamente com as crises capitalistas, como a testemunhada, por exemplo, em 2021, aprofundam a crise geral do capitalismo. A crise geral do capitalismo agrava todas as suas contradições económicas, financeiras, sociais, políticas… e os seus efeitos.

Os problemas da economia mundial, agravados pela intensificação das contradições entre os imperialistas, bem como pela exploração e imposições monopolistas, tornam mais difíceis as condições de vida e de trabalho das massas exploradas.

As velhas pretensões da burguesia internacional e dos ideólogos do capitalismo que prometiam paz e prosperidade foram deixadas para trás. O domínio do capitalismo, que provoca a inflação e regressa à recessão, confirma que os problemas sociais são irresolúveis no quadro deste sistema. Os salários reais caem, a pobreza torna-se generalizada e generalizada, mesmo nos países capitalistas avançados.

A classe trabalhadora e os povos oprimidos do mundo estão atolados na pobreza causada pela queda dos salários, pelos cortes nos serviços sociais e pelos novos aumentos de impostos. É cada vez mais difícil para satisfação de suas necessidades alimentares, de habitação e de aquecimento.

Uma consequência direta dos males do capitalismo e dos ataques da burguesia contra os trabalhadores e o povo é o renascimento do movimento operário mundial. Agora, o proletariado, mesmo nos países mais desenvolvidos, se posiciona contra a agressão capitalista dirigida contra ele. O enorme movimento de trabalhadores e as greves nos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França são a prova de que os ataques não ficam sem resposta.

Confrontada com o crescente movimento do proletariado, a burguesia de muitos países tende a abandonar a máscara da “democracia” e busca reintroduzir o fascismo. A promulgação de novas medidas reacionárias sucede e cresce a necessidade de lutar contra o fascismo. A luta contra o fascismo é parte integrante da luta contra a burguesia e o imperialismo.

Por outro lado, nenhum dos imperialistas, determinados a redividir o mundo, é amigo do proletariado e do povo. São todos exploradores e saqueadores. Eles estão interessados ​​em confrontar-se, apoderar-se da riqueza do povo e expandir as suas esferas de dominação. Aqueles que se dizem amigos do povo e vêm em seu auxílio estão apenas mentindo.

Não há nada de bom nas potências imperialistas que se confrontam. A ambição imperialista de redividir o mundo e saquear o povo apenas prepara uma nova guerra imperialista. A CIPOML alerta as pessoas do mundo contra o perigo da Terceira Guerra Mundial.

A CIPOML chama à classe trabalhadora e aos povos oprimidos do mundo para que lutem contra todos os imperialistas que cobiçam as suas fontes de riqueza.

A CIPOML declara mais uma vez que apoia todos os povos oprimidos e as lutas de libertação, especialmente os povos palestino, curdo, cubano e venezuelano.

A nossa conferência chama os trabalhadores de todos os países para que se unam e se organizem para lutar contra o capitalismo e derrubar o domínio do capital, sem depositarem as suas esperanças em qualquer partido burguês ou imperialista.

A nossa conferência chama os povos e nações oprimidos do mundo para que intensifiquem a sua luta pela libertação social e nacional.

*México , 5 de dezembro de 2023.

More articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos