UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 13 de julho de 2024

UJR realiza Cineclube do filme “A Revolução não será televisionada” na cidade do Rio de Janeiro

UJR realiza no Rio de Janeiro debate a respeito do filme “A Revolução não será televisionada”, do papel da mídia popular para a organização da juventude e da necessidade de fortalecê-la

Matheus Travassos | Rio de Janeiro


No último domingo (04), a UJR reuniu parte de sua militância da capital para uma atividade geral de formação, assistindo o filme “A Revolução não será televisionada”, no qual uma dupla de irlandeses vai à Venezuela no intuito de fazer uma biografia de Hugo Chávez, mas se deparam com um golpe de estado. Tudo, a partir daí, começa a ser documentado.

Além de ressaltarem o caráter de agitação e propaganda do partido bolivariano, as falas dos camaradas destacaram o importante trabalho de massas, fundamental para a manutenção e a realização do contra-golpe por parte dos chavistas em 2002, e o trabalho de educação popular promovido pelo partido naquele momento: grande parte do povo sabia o que era e defendia a constituição, um exemplo que é destacado no filme.

Para além disso, foi ressaltada a importância da comunicação, através do canal 8 – canal estatal no qual o presidente fazia suas conversas com a população venezuelana – e nas conversas com repórteres locais, visando sempre contrapor a narrativa da mídia golpista hegemônica e comunicar os feitos do governo de Chávez.

Nesse sentido, durante o debate, a militância discutiu também sobre o uso das redes sociais e outras formas de comunicação, mas principalmente o uso do Jornal A Verdade nos nossos locais de atuação, trabalho, moradia e estudo. Essa iniciativa é fundamental para alcançar sempre mais pessoas com essa mídia popular e revolucionária, para recrutar mais jovens para ingressar na UJR, aprofundar as denúncias contra o sistema capitalista e criar cada vez mais as condições subjetivas para o processo revolucionário em nosso país. É dever de todo militante da UJR reforçar as brigadas de terça-feira, organizar suas prestações de contas e sua convocação, planejar banquinhas com livros das edições Manoel Lisboa em cada grêmio, universidade ou sindicato. 

Devemos empreender uma agitação e propaganda revolucionária, digna de elevar a outro nível todo o trabalho de massa que construímos cotidianamente, reforçar e ampliar nossas relações nos espaços e ganhar todo o povo para os ideais marxistas. Só assim, com cada militante empreendendo um trabalho revolucionário, criaremos as condições para libertar o povo desse regime de fome, miséria e violência.

Não pode haver e nunca haverá mídia ou exército capaz de parar o povo organizado ao lado de um partido de vanguarda. O exército burguês pode e deve ser destruído, a mídia hegemônica desarticulada pela mídia popular e a democracia burguesa destronada pelo governo revolucionário dos trabalhadores. Não é um sonho impossível, mas sim um processo árduo – assim como é demonstrado no livro “o Ministro Che Guevara” – e cientificamente comprovado.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes