UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Ocupação de Mulheres Anatália de Souza lança bloco de Carnaval como ato contra a violência às mulheres

Leia também

Ocupação de Mulheres Anatália de Souza Melo Alves, organizada pelo Movimento de Mulheres Olga Benario, lança o “Bloco das Baderneiras” para levar à folia do Carnaval uma campanha de combate a violência às mulheres.

Ricelly Sousa | Natal (RN)


MULHERES – A Ocupação de Mulheres Anatália de Souza Melo Alves, organização vinculada ao Movimento de Mulheres Olga Benario, sairá às ruas da cidade com o “Bloco Baderneiras”, um bloco de carnaval e ato político em prol do combate à violência contra as mulheres. O Bloco Baderneiras sairá no dia 09 de fevereiro no Polo Petrópolis, com concentração no largo do Atheneu a partir das 16h e saída às 17h em direção a Praça Cívica, e contará com a presença de integrantes do movimento e mulheres artistas potiguares.

O Bloco Baderneiras surge como uma iniciativa de protesto e reivindicação pelos direitos das mulheres, visto que 48% das mulheres brasileiras afirmaram já terem sofrido algum tipo de assédio no período do Carnaval. Assim, pretende endossar a campanha “Carnaval sem assédio”, em que as mulheres se propõem não apenas a criar um espaço seguro de folia, mas também um espaço de agitação política sobre as questões que acometem as mulheres diariamente.

Além da estreia do bloco nas ruas na sexta-feira (09/02), as Baderneiras também irão somar ao batuque do Bloco “Sem Preconceito, Eu Vou”, do Grupo Afirmativo de Mulheres Independentes – GAMI, no domingo (11/02), com concentração às 15h, na praça do Cruzeiro, Redinha Velha.

O nome do bloco é uma homenagem a Franca Anna Maria Mattea Baderna (1828-1892), mais conhecida como Maria Baderna, uma bailarina italiana radicada no Brasil em 1849, cujas apresentações tornaram-se populares no Rio de Janeiro e seu nome entrou para o vocabulário do português brasileiro como sinônimo de confusão. Maria Baderna incorporou às suas apresentações danças afro-brasileiras, como o lundu e a umbigada, passando a ser considerada como escandalosa pela sociedade escravista brasileira. Mas, por fazerem muito sucesso, ganhavam manifestações exaltadas dos fãs, que passaram a ser chamados de badernistas, e assim a palavra baderna tornou-se sinônimo de confusão ou tumulto.

O “Bloco Baderneiras” promete animar a folia com muita baderna, música, intervenções artísticas e distribuição de matérias para conscientização em prol do combate à violência contra as mulheres. Todos os foliões que entendam a importância do respeito às mulheres durante o carnaval estão convidados e serão muito bem vindos a somar na animação do bloco.

Ocupação de Mulheres Anatália de Souza Melo Alves e Movimento de Mulheres Olga Benario

Nascida em 2023, no dia 25 de novembro – Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, a Ocupação de Mulheres Anatália de Souza Melo Alves luta pelo direito à vida, à moradia, à cidade e à memória das mulheres no estado do Rio Grande do Norte.

Vinculada ao Movimento de Mulheres Olga Benario, que surgiu da necessidade de organização das mulheres brasileiras para lutar contra a opressão e a exploração da mulher na sociedade capitalista, patriarcal e racista, a organização atua em todo o Brasil construindo ações de combate à violência contra as mulheres.

O Movimento Olga Benario constrói as ocupações em imóveis abandonados e sem cumprir função social há anos, para reivindicar políticas públicas e para a construção de casas que atendem mulheres em situação de violência, organizando profissionais voluntárias como advogadas, psicólogas e assistentes sociais, que realizam um atendimento humanizado e individualizado.

Em Natal/RN o grupo ocupa provisoriamente um prédio na Rua Frei Miguelinho, na Ribeira, enquanto aguarda a entrega de seu espaço permanente, prometido pelo Governo do Estado e que ainda passa por reformas.

“Mesmo com o aumento da violência contra a mulher nos últimos anos, o Rio Grande do Norte possui apenas duas Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAM), e somente uma delas tem atendimento 24h, o que dificulta ainda mais para as mulheres vítimas de violência denunciarem seus agressores. Além disso, contamos apenas com duas casas de abrigo e acolhimento no estado, que sempre estão sem vagas, por conta do índice alto de violência contra as mulheres no RN. Dessa forma, a maioria não tem para onde ir e, infelizmente, permanecem nos mesmos lugares que seus agressores. Por isso, a Ocupação Anatália de Souza surge através da necessidade de acolher estas mulheres, com o objetivo de mostrar que através da organização e luta da população, é possível transformar a realidade em que vivemos.”, relata Yasmin Friedrich, uma das coordenadoras da Ocupação Anatália.

Serviço:

Bloco Baderneiras – Bloco da Ocupação Anatália de Souza

Saídas: Sexta-feira (09/02), na Praça Cívica, Polo Petrópolis. Concentração: 16h no largo do Atheneu. Saída: 17h.

Domingo (11/02), na Praça do Cruzeiro, Polo Redinha. Participação no Bloco “Sem Preconceito, Eu Vou”, do Grupo Afirmativo de Mulheres Independentes – GAMI. Concentração: 15h.

Instagram: @blocobaderneirasrn / @ocupacaoanatalia

Facebook: https://www.facebook.com/movimentoolgaBenario

Contatos: (84) 99838-2808 (Yasmin Friedrich) / (84) 99104-9237 (Rede Acolher Anatália de Souza)

 

More articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos