UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 18 de julho de 2024

Plataforma Comunista: “O plano do governo de Meloni é criar um regime autoritário na Itália”

Em entrevista exclusiva ao Jornal A Verdade, a organização revolucionária italiana Plataforma Comunista afirma que “A classe trabalhadora italiana se mobiliza realizando greves e manifestações massivas em defesa de seus interesses e direitos.”

Redação


ENTREVISTA – A Plataforma Comunista é uma organização revolucionária marxista-leninista da Itália, fundada em 2008. Desde então, seus militantes vêm impulsionando a luta dos operários italianos e desenvolvendo um importante trabalho para construir um partido da classe trabalhadora comprometido com a revolução proletária.

Integrante da Conferencia Internacional de Partidos e Organizações Marxistas-Leninistas (CIPOML), a Plataforma tem contribuído para o avanço da luta revolucionária em todo o mundo, em particular, na Europa. Em entrevista exclusiva ao jornal A Verdade, os dirigentes da organização denunciam o governo fascista da Itália e analisam a situação do movimento operário e popular deste país.

A VERDADE – Qual a importância da criação da Plataforma Comunista para a formação de uma vanguarda revolucionária na Itália?

PLATAFORMA COMUNISTA – Desde a nossa fundação, a Plataforma Comunista (PC) assumiu a tarefa de trabalhar pelo estabelecimento de um partido da classe trabalhadora da Itália, instrumento indispensável da revolução proletária. Para isso, colocou como tarefa central dar impulso e alcançar a unificação dos comunistas sinceros e trabalhadores avançados, de grupos e círculos marxistas-leninistas, lutando contra a confusão ideológica e a fragmentação organizativa produzidos pelo revisionismo moderno, e que cresceu muito em nosso país.

Nosso trabalho tem como objetivo unir o socialismo científico com o movimento operário, participando nas lutas do proletariado e das massas populares. Nesta etapa, nossa tarefa prioritária é nos conectarmos com os operários mais avançados e formar quadros. Hoje, estamos lutando para levar a luta do partido a um nível superior, mediante um processo de fusão com grupos e camaradas comunistas. “Pequeno grupo compacto”, nós avançamos levando adiante a luta teórica e política, acumulando forças sob as bandeiras do marxismo-leninismo e do internacionalismo proletário.

Nas últimas eleições gerais na Itália, houve uma grande abstenção. Por quê?

O fenômeno do abstencionismo alcançou 36% nas últimas eleições políticas e superou o percentual de 50% em muitas cidades nas últimas eleições administrativas. Devido a essa elevada abstenção, o Governo Meloni representa, de fato, menos de 25% dos votos do eleitorado italiano.

O abstencionismo é reflexo da crescente desconfiança das grandes massas populares nas instituições burguesas. Em particular, o parlamento burguês está cada vez mais desacreditado aos olhos da população. A crescente abstenção é resultado tanto da desilusão das massas com as experiências e propostas falidas do revisionismo e da social-democracia, como das ações dos partidos burgueses de direita, liberais e reacionários, que se alternam no governo sem trazer nenhuma solução para a situação econômica e social cada vez mais difícil das massas.

O governo fascista da primeira-ministra Giorgia Meloni tem adotado várias medidas que atingem diretamente os trabalhadores, além de investir num Estado militarista. Como o povo enfrenta o atual governo?

O governo Meloni é um governo do grande capital, particularmente dos monopólios italianos, com uma estreita base social que consiste sobretudo na pequena e média burguesia. Esse governo não representa uma alternância “normal” entre centro-esquerda e centro-direita; é uma nova fase política, caracterizada por um giro reacionário que se produz em um período de guerra imperialista.

O plano do governo de Meloni é criar um regime autoritário, atacar com mais força a classe trabalhadora, suas condições de vida e de trabalho e seus direitos democráticos. O processo de fascistização afeta a todos os aparatos estatais, estando vinculado ao fortalecimento da dominação dos monopólios, o aumento das contradições imperialistas e a política de guerra da burguesia italiana, da Otan e da União Europeia. 

Frente a essa situação, a classe trabalhadora se mobiliza realizando greves e manifestações massivas em defesa de seus interesses e direitos, especialmente nos setores metalúrgico, do transporte e da logística. Há uma retomada gradual da luta de classes, mas a ação dos líderes reformistas dos principais sindicatos não conduz à unificação e à mobilização das massas, mas sim para sua divisão e enfraquecimento. Há pequenos sindicatos classistas que não atuam suficientemente sobre as massas. Por essas razões, apesar do crescente descontentamento, ainda existem dificuldades em expressar-se como uma oposição social e política aberta e contundente.

A Itália é um dos países mais ricos da Europa, mas qual é a situação da classe operária no país?

Os salários dos trabalhadores italianos se encontram entre os mais baixos da Europa. O poder aquisitivo diminuiu muito nas últimas décadas. Com a recente onda inflacionária, perdeu mais 15%. Há demissões massivas nas grandes empresas, como de automação, telecomunicação, siderurgia, têxtil, química, etc. A exploração se intensifica entre quem permanece empregado e aumenta o número de acidentes fatais no trabalho. O desemprego oficial entre os jovens é de 20%.

É grande a expansão do trabalho precário e “ilegal”. Durante anos, o gasto social em saúde, pensão, escola, transporte e assistência social vem diminuindo. O governo Meloni aboliu subsídios para os pobres e não existe um salário mínimo determinado por lei. Os despejos continuam um após o outro, e muitos trabalhadores são forçados a dormir em carros ou nas ruas. A incidência da pobreza absoluta é por volta de 10% da população, o nível mais alto nos últimos três anos. 

No polo oposto, as classes proprietárias, especialmente a burguesia, aumentou sua riqueza pagando cada vez menos impostos. O abismo entre classes sociais se amplia constantemente: 5% da população possui 46% da riqueza total. Neste cenário, há 25 anos, o PIB não cresce acima de 2%, e a produção industrial italiana segue sendo 20 pontos inferior à de 2008. Estes são sinais do declínio histórico do imperialismo italiano. 

Como a guerra da Rússia contra a Ucrânia e a Otan tem afetado a vida do povo italiano?

O governo de Meloni nos arrasta cada vez mais para a guerra imperialista. Já aprovou sete pacotes para enviar armas, especialistas militares e ajuda econômica ao regime de Zelensky. O imperialismo italiano é muito ativo nas manobras dos EUA e da Otan; conta com presença militar não só na Ucrânia, mas também na zona do Báltico, Bulgária, Romênia, Letônia, Eslováquia, Polônia, Bósnia-Herzegovina, Kosovo, etc. Também tem aumentado sua presença militar no Mar Mediterrâneo, no Mar Vermelho e na África. As tropas italianas participam em mais de 50 missões no exterior. O gasto militar aumenta continuamente: 29 bilhões de euros em 2024.

Ao mesmo tempo, o gasto social está diminuindo significativamente. A guerra na Ucrânia foi uma das causas da recente onda inflacionária que piorou dramaticamente as condições de vida das massas populares. Os preços do combustível, da eletricidade e do gás dispararam, e é um drama a cada fatura que chega na casa das famílias pobres.

O outro aspecto da política de guerra é a contínua militarização da sociedade: mais repressão, mais controle social, mais medidas de “segurança” para reprimir os protestos operários e populares.

Como se desenvolve na Itália a solidariedade ao povo palestino?

Desde outubro de 2023, ocorrem contínuas e amplas manifestações, especialmente de jovens, em apoio ao povo palestino e para rechaçar a agressão genocida israelense, como também a cumplicidade do governo italiano. A solidariedade à causa palestina está crescendo entre a população, apesar da propaganda sionista do governo e da “oposição” burguesa.

No “Dia da Terra” e no aniversário da “Nakba”, ocorreram numerosas manifestações e ações de solidariedade com a heroica resistência do povo palestino. Também aconteceram manifestações nos portos para impedir o transporte de armas dirigidas a Israel. Agora, em diferentes universidades, há estudantes ocupando os campi para protestar contra a cooperação entre as universidades italianas e israelenses. 

No geral, as demandas são: “Abaixo à agressão sionista e o cerco a Gaza, cessar-fogo”, juntamente com a condenação do vergonhoso apoio do governo italiano ao Estado sionista. Vale lembrar que o genocídio dos palestinos é cometido com armas italianas (terceiro fornecedor de armas para Israel), e os monopólios italianos continuam a fazer negócios com Tel Aviv.

A Plataforma Comunista é uma das organizações que integram a CIPOML, que, em 2024, completa 30 anos de existência. Qual o papel da CIPOML?

Trinta anos após sua fundação, a CIPOML continua sendo a forma mais elevada de internacionalismo proletário atualmente. A importância da CIPOML é enorme na atual situação de agravamento das principais contradições de nossa era.

Os documentos e resoluções que ela produz, com base nos princípios do marxismo-leninismo, são referência indispensável para o desenvolvimento da linha política e das atividades dos partidos e organizações aderentes, bem como dos comunistas coerentes de todos os continentes.

Na situação atual, a CIPOML, que sempre lutou pela unidade internacional dos comunistas, desempenha um papel essencial no combate aos desvios revisionistas e oportunistas que hoje se apresentam sob várias formas (por exemplo, o multipolarismo), bem como ao chauvinismo. Também atua na aproximação e união do proletariado dos países imperialistas com o proletariado e as massas oprimidas dos países dependentes, na realização de um trabalho de esclarecimento em nível teórico, político e organizacional e no incentivo ao reagrupamento das forças revolucionárias do proletariado.

Aproveitamos esta entrevista para enviar saudações fraternas e felicitações internacionalistas aos jornalistas revolucionários, correspondentes, propagandistas e a todos os companheiros que colaboram para a publicação de A Verdade, o valioso e combativo jornal dos trabalhadores e do povo trabalhador do Brasil na marcha para uma sociedade socialista.

Entrevista publicada na edição nº 293 do Jornal A Verdade.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes