UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 25 de julho de 2024

Servidores organizam saída unificada da greve nacional da rede federal de educação

Após conquistas de parte da pauta de reivindicações, professores e técnicos administrativos debatem a saída unificada da greve da educação federal. 

Redação


TRABALHADORES – Após cerca de 70 dias de greve, professores e técnicos administrativos das universidades e institutos federais de educação debatem a fim do movimento grevista. Até agora, a força do movimento grevista já conquistou a recomposição parcial do orçamento da educação, mudanças nos planos de carreira dos servidores e reajustes salariais em 2025 e 2026. 

O movimento paredista ocorreu em mais de 60 universidades e 500 campi dos institutos federais e foi a maior greve unificada do setor nos últimos anos. A motivação para a paralisação foi o fato do atual governo federal ter demorado em atender a reivindicação dos servidores e ainda ter anunciado um corte de mais de 300 milhões de reais no orçamento da educação para 2024.

Mesmo sem atingir a proposta máxima de recomposição das perdas salariais e do orçamento necessário nas instituições de ensino, a greve obteve significativos ganhos. Nos próximos dois anos Técnicos Administrativos e Docentes obterão ganhos salariais entre 14,5% e 60% a depender do cargo, tempo de trabalho e formação acadêmica. Sobre o orçamento de universidades e Institutos a recomposição do custeio foi de 30% da demanda.

No entanto, mesmo com as vitórias do movimento, o governo federal e o presidente Lula continuaram irredutíveis em aceitar um reajuste salarial já no ano de 2024. O motivo é o plano do governo em garantir o pagamento dos juros da dívida pública com o chamado “déficit zero”. Ou seja, os servidores ficaram sem reajuste neste ano para que o Estado usasse o dinheiro para dar para bancos e fundos financeiros detentores da dívida pública. 

Com o novo cenário, a maioria das bases do Sinasefe (representante dos servidores  dos institutos federais) e do ANDES-SN (representante dos professores das universidades) aprovaram o aceite do acordo com o governo. No entanto, a rodada de assembleias destas entidades ocorreu após a rodada de assembleias de base da Fasubra (representante dos Técnicos Administrativos), que havia aprovado a manutenção do processo de negociação com o governo.

“Nós do MLC acreditamos que é necessária a garantia da assinatura do acordo e a saída unificada das entidades nacionais da educação [ANDES, FASUBRA e SINASEFE] da greve, pois tudo que construímos em conjunto garantiu avanços para os orçamentos das instituições de ensino e para as categorias. A força da nossa unidade é a garantia das lutas que virão.”, afirmou Helena Nera, coordenadora da Fasubra e militante do Movimento Luta de Classes. 

Os sindicatos da educação federal se preparam agora para organizar um desfecho unificado para a greve que garantiu importantes vitórias para a educação pública federal, que vive sob ataque por mais de 10 anos. Nesse período, servidores viram seus salários serem arrochados, verbas para a manutenção das instituições foram cortadas e a pesquisa e o ensino superior foram fortemente atacados pelos governos do golpista Michel Temer e do fascista Bolsonaro. 

“Temos que garantir o fortalecimento das nossas entidades e da militância que se constituiu nessa greve nacional da educação. Defendemos a garantia de um texto que consolide as vitórias da greve no acordo a ser assinado e precisamos construir uma campanha unificada pela recomposição total do orçamento da educação, da [instituição] da data base no serviço público federal e a auditoria cidadã da dívida pública.”, afirmou Helena Nera na página do MLC no Instagram.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes