UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 18 de julho de 2024

Casa de Referência Inês Etienne Romeu resiste a ataques fascistas em Cabo Frio (RJ)

A Casa de Referência Inês Etienne Romeu, localizada em Cabo Frio (RJ), vem sofrendo diversos ataques que visam intimidar a luta das mulheres. Frente a esses ataques, o Movimento de Mulheres Olga Benário organizou uma plenária em apoio à ocupação.

Redação RJ


MULHERES – A Casa de Referência Inês Etienne Romeu, localizada na cidade de Cabo Frio (RJ), é um espaço de acolhimento para mulheres vítimas de violência e, nos últimos meses, vem sofrendo diversos ataques que visam intimidar a luta das mulheres.

Frente a esses ataques, o Movimento de Mulheres Olga Benário organizou, nesta segunda-feira (24), uma plenária em apoio à ocupação, para organizar respostas efetivas aos ataques que a casa vem sofrendo. A reunião contou com a presença de cerca de 50 apoiadores.

Casa de Referência Inês Etienne Romeu resiste

A ocupação Casa de Referência Inês Etienne Romeu existe desde novembro de 2023 e atua para denunciar a falta de políticas públicas para as mulheres na cidade de Cabo Frio e na Região dos Lagos, que é a segunda região mais perigosa para as mulheres no estado do Rio de Janeiro.

O imóvel encontrava-se sem qualquer tipo de função social há mais de uma década e em estado de completo abandono. Desde então, a casa foi completamente transformada a partir do trabalho voluntário e realiza importante trabalho entre as moradoras da cidade, especialmente no bairro do Itajuru, onde a casa fica localizada, oferecendo acolhimento para mulheres vítimas de violência e cursos e atividades culturais para a população.

Este trabalho pela vida das mulheres tem incomodado os setores mais reacionários da política da cidade. A ocupação sofre ataques sistemáticos desde novembro, quando começou suas atividades. Porém, esses ataques ganharam uma nova dimensão a partir do mês de março quando, na semana do dia 8 – Dia Internacional da Mulher -, o banner que identificava a casa foi queimado, e na, semana seguinte, o cadeado do portão foi violado.

Faixa que identificava a ocupação foi queimada. Foto: Olga/RJ.

Nas últimas semanas, a casa passou a sofrer de mais uma série de ataques sistemáticos, que buscam intimidar quem de fato constrói a luta em defesa da vida das mulheres na cidade. Políticos de extrema-direita propagam campanha contra a ocupação, e esses ataques ameçam diretamente a integridade das mulheres que constroem esse espaço.

Em um dia em que o Movimento de Mulheres Olga Benario realizava uma atividade de panfletagem e conversa com a população do bairro do Itajuru, nas imediações da casa, as militantes do movimento foram alvo de intimidações e contaram com o apoio de moradoras do bairro que apoiam o trabalho da Casa de Referência.

O último ataque aconteceu neste sábado (22), quando um grupo de homens, no meio da madrugada, vandalizou o muro da casa, pintando inteiramente de branco e cobrindo a pintura feita de forma voluntária pela artista Camila Santana, como uma forma de descredibilizar a ocupação.

Muro da Casa de Referência Inês Etienen Romeu com pintura da artista @muraisdacami. Foto: Olga/RJ.
Muro da Casa de Referência Inês Etienne Romeu foi vandalizado por fascistas. Foto: Olga/RJ.

Plenária organiza luta em defesa da ocupação

A plenária foi convocada no sentido de organizar uma resposta a esses ataques, tanto no sentido prático de organização da segurança da casa e de atividades de panfletagem na cidade para conversar com a população sobre os ataques que a casa tem sofrido nas últimas semanas. A mobilização também tem como objetivo organizar a cobrança pela cessão de uso do espaço, que foi prometida pela prefeitura desde o dia 25 de novembro do ano passado.

Diversos moradores estiveram na plenária para pensar a forma de construção de mais políticas públicas para a população. Uma pequena parcela de pessoas, que vieram protagonizando os últimos ataques, estiveram presentes na plenária para ameaçar a ocupação, inclusive com ameaças de incendiar o espaço. A plenária só pôde ser continuada quando, a partir de muita conversa, apresentação do trabalho do movimento e apoio dos moradores, esse grupo se retirou da ocupação.

A Casa de Referência Inês Etienne Romeu luta pela cessão de uso do espaço para que o poder público reconheça o espaço enquanto legítimo e tenha mais tranquilidade para continuar acolhendo as mulheres em situação de violência e oferecendo para essas uma oportunidade de emancipação política através da organização.

*Matéria em atualização

Outros Artigos

  1. Como cabofriense gostaria de saber quais são esses politicos fascistas que cometeram tal ato horrendo. Por favor identifique-os.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes