UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 6 de outubro de 2022

MOSTRANDO RESULTADOS PARA:

Ocupamos contra a violência e pelo poder popular

O Brasil é o 5º país do mundo em que mais mulheres são assassinadas! No último ano, uma em cada quatro mulheres foi vítima de violência em nosso país. Durante a pandemia, oito mulheres foram agredidas por minuto, a maioria por parceiros ou ex-parceiros. Em 2018 e 2019, uma média de quatro mulheres foram mortas por dia. A cada hora, quatro meninas menores de 13 anos são estupradas. Somente no primeiro semestre de 2020, 631 mulheres foram vítimas de feminicídio. A maior parte eram mulheres negras.

Solidariedade e conscientização política

Desde o mês de maio, o Movimento de Mulheres Olga Benario, juntamente com a União da Juventude Rebelião, tem construído uma rede de solidariedade na cidade de Viçosa, Minas Gerais, realizando a entrega de cestas básicas, materiais de limpeza e higiene pessoal para as famílias que se encontram em situação de pobreza extrema na comunidade das Coelhas, especialmente aquelas que são chefiadas por mulheres.

A luta das mulheres contra a carestia

As mulheres sempre estiveram presentes nas lutas importantes da nossa história. Na década de 1970, mulheres das periferias da Zona Sul de São Paulo iniciaram um grande movimento popular durante a ditadura no Brasil. O Movimento Contra o Custo de Vida, ou Movimento Contra Carestia foi um dos maiores movimentos populares do nosso país, organizado principalmente por mulheres pobres.

Apagão na ciência brasileira

Lembro que, há alguns anos, buscando reportagens para trabalhar em sala de aula, passei por uma que dizia que “a ciência brasileira estava perto de sua meia-noite”. O tempo foi postergado, mas chegou. Com queima de servidor do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e provável inexistência de backup, existem grandes chances de uma quantidade tremenda de dados se perder.

Programa espião é usado para monitorar celulares de opositores

Investigação da ONG Forbidden Stories e da Anistia Internacional revelou, em julho, que jornalistas, grupos de ativistas e políticos de oposição de 50 países, entre eles o Brasil, tiveram seus smartphones invadidos por um programa de espionagem israelense chamado Pegasus.

A privatização da Companhia de Habitação de Minas Gerais

Hoje a falta de habitação ou a inexistência dela em condições adequadas mostram a realidade de famílias que fazem das ruas, calçadas, praças, pontes e viadutos seus lares. O gasto excessivo em aluguéis e o alto índice de desemprego dificultam cada vez mais o acesso à moradia. A maioria dos lares em condições de gastos excessivos com os aluguéis são chefiados por mulheres e, das habitações sustentadas apenas por um salário mínimo, 72% são habitações precárias. Já nas regiões metropolitanas, o nível de precariedade representa 36% daquelas que recebem de um até dois salários mínimos, segundo dados da Fundação João Pinheiro (2021).

A mulher, a maternidade e o seu corpo para o mundo capitalista

Cuidar dos filhos e das tarefas do lar é visto, até os dias atuais, como um trabalho feminino; inclusive, estendendo as obrigações para as filhas e irmãs, que possuem o papel de limpar a bagunça do irmão. Muitas vezes, mulheres que estão em relacionamentos com homens (seja um casamento ou um namoro) se veem subordinadas à posição de “segundas mães”: monitorando o tempo que os parceiros passam no videogame, preparando a comida e cuidando dos serviços domésticos sem qualquer tipo de ajuda do homem ao seu lado.

Luta garante liberdade de Sinha

Sem dúvidas, o racismo se fez presente em mais essa acusação injusta contra um jovem negro morador da periferia. Essa, aliás, é uma marca do sistema penal brasileiro.

13 de Maio: a falsa abolição e a luta antirracista

As classes dominantes tentaram, ao longo dos séculos, enfiar goela abaixo a ideia de que o regime de escravidão foi abolido graças à benevolência de uma princesa e que, portanto, deveríamos celebrar o dia 13 de maio como a data em que, por meio de uma lei, os negros foram finalmente libertos.

Jornal A Verdade: Edição 236, Março de 2021

“Não é o trabalho feminino em si que rebaixa os salários ao entrar em competição com o trabalho masculino, mas sim sua exploração pelos capitalistas que dele se apropriam.”. – Clara Zetkin (1857-1933).

Para enriquecer minoria, governo massacra pobres

Por Lula Falcão Diretor de redação de A Verdade e membro do Comitê Central do PCR BRASIL - Há mais de dois anos, o povo brasileiro...

Novidades