RSS
TwitterFacebookGoogle+

A “Viena Vermelha” – Exemplo histórico de habitação social

Conjunto habitacional „Karl-Marx-Hof“, construído 1927-1930 (imagem atual)

Conjunto habitacional Karl-Marx-Hof, construído 1927-1930

Depois da Primeira Guerra Mundial o partido socialdemocrata (na época um partido combativo e de inspiração marxista) chegou ao governo de Viena e iniciou um programa de habitação social progressista que possui caráter de exemplo até hoje. A época dos anos vinte e do inicio dos anos trinta do século passado ficou conhecida como “Viena Vermelha” e fez pela primeira vez moradia de qualidade acessível para muitos trabalhadores da cidade.

Até 1918 havia um grande déficit habitacional em Viena. A imigração dos países da Monarquia Austro-Húngara levou a um forte crescimento populacional e o número de habitantes subiu para mais que dois milhões de pessoas em poucas décadas. Para abrigar os trabalhadores imigrantes e suas famílias um grande número de cortiços privados foi construído. Mas neles, 92% dos apartamentos estavam sem banheiro próprio, 95% sem água, 86% sem gás e 93% sem eletricidade. Devido à especulação imobiliária, os alugueis, portanto, eram altos e a maioria dos apartamentos superlotados. Cerca de 300.000 pessoas não possuíam uma moradia própria e quase 90.000 de pessoas conseguiram apenas alugar uma cama para dormir por algumas horas cada dia.

Depois do fim da Primeira Guerra Mundial surgiu um movimento de moradia que começou a erguer construções ilegais nos arredores da cidade. Várias cooperativas e mutirões foram organizados e exigiram da prefeitura de Viena um apoio financeiro e a aprovação da urbanização de terrenos. Com as eleições municipais depois da guerra, Viena obteve pela primeira vez uma administração socialdemocrata e esta começou a subsidiar o movimento pela moradia. Geralmente os futuros moradores participavam ativamente no processo de construção das casas e da infra-estrutura comunitária. Em poucos anos cerca de 15.000 unidades habitacionais foram construídas em 50 conjuntos que eram administrados pelos moradores de forma participativa.

Em 1922 Viena ganhou status de governo estadual, deixando de ser apenas um município e podendo a partir de então introduzir novos impostos como os incidentes sobre imóveis, restaurantes luxuosos, empregados domésticos e automóveis. Estes novos recursos foram usados para financiar um próprio programa de habitação social para melhorar as condições de moradia para os trabalhadores. A maioria dos apartamentos construídos nesse programa do governo era pequena, mas equipada com um banheiro, água e energia. Várias unidades tinham também uma varanda e acesso a pátios verdes e bem iluminados. As mais importantes características dos conjuntos eram a densidade construtiva baixa e a infra-estrutura coletiva com lavanderias, piscinas, creches, instituições de saúde, bibliotecas, áreas verdes e de lazer. A distribuição dos apartamentos ocorria de acordo com um sistema de pontuação e o aluguel era de cerca de 4% (!) da renda de um trabalhador da época. Até 1934 foram construídos 66.402 apartamentos em 390 conjuntos habitacionais – entre eles os grandes conjuntos “Reumannhof”, “Karl-Marx-Hof”, “Friedrich-Engels-Platz” e “Karl-Seitz-Hof. Na época, aproximadamente um décimo da população Vienense já morava nestes apartamentos
estatais.

Com o início do fascismo o programa habitacional foi interrompido e pôde ser retomado somente depois da Segunda Guerra Mundial. Um crescente déficit habitacional levou à implantação de um programa de construção em grande escala a partir de 1950. Nos anos 60 e 70 foram construídos vários conjuntos novos na periferia de Viena que atenderam as necessidades de 9.000 famílias cada ano, mas possuíam cada vez menos infra-estrutura comunitária, instituições coletivas e espaços de lazer.

Desde os anos 90 a construção de apartamentos estatais ficou suspendida quase completamente, no lugar disso a prefeitura de Viena subsidia agora financeiramente a construção de conjuntos habitacionais por construtoras. Mesmo assim ainda hoje cerca de 25% das moradias em Viena pertencem à prefeitura. Mas, a administração desses conjuntos, com cerca de 220.000 apartamentos e 6.000 escritórios e lojas, se tornou um empreendimento desincorporado da prefeitura. Em 2000 foi retirado do controle da câmara municipal para trabalhar de forma “moderna, eficaz e econômica”. Sendo assim, a submissão de diversos setores da sociedade às leis de mercado alcançou também a administração dos apartamentos estatais. Como conseqüência, a distribuição e o valor dos alugueis para os apartamentos lamentavelmente já não são mais tão acessíveis como na época da “Viena Vermelha”.

Mas é um fato que especialmente os habitantes mais pobres da cidade ainda necessitariam de moradia mais acessível. Isso é comprovado pela grande demanda como também pelo tempo longo de espera de vários anos para poder morar nos conjuntos da prefeitura. Dados atuais mostram que famílias com despesas mensais de até 1.634 Euros gastam em média 42,9% – quer dizer quase a metade das despesas totais – para moradia e energia. Especialmente imigrantes são particularmente atingidos por condições de habitação precárias. Por isso, diversos grupos e organizações – como a iniciativa “Construir juntos, morar juntos“ – lutam ativamente por formas alternativas de realizar a moradia própria e construir o ambiente em que vivem. Nos últimos meses, estudantes e jovens passaram também a ocupar vários prédios na cidade para mostrar o seu descontentamento com o acesso a imóveis, meramente definido pelo mercado imobiliário capitalista, e iniciar projetos de moradia e cultura desenvolvidos e promovidos pelos moradores de forma coletiva.

Sob condições capitalistas a comercialização de apartamentos segundo interesses de lucro nunca poderá ser eliminada totalmente. Mas, a volta para um programa de habitação social de qualidade e financeiramente acessível com recursos públicos através do próprio estado – com o controle democrático e a participação ativa dos moradores – poderia significar uma vida mais digna para muitos que hoje precisam. As influências dominantes do capital, dos bancos e da especulação imobiliária precisam ser combatidas. Ao mesmo tempo, devem ser promovidas discussões e ações na sociedade referentes a questões como: De que forma deveria se organizar na atualidade um modelo de habitação social de verdade? Quais grupos sociais deveriam ser atendidos? Como a moradia pode se tornar financeiramente mais acessível? Enfim, como seria possível garantir moradia de qualidade
também às amplas massas trabalhadoras?

Katharina Kirsch-Soriano da Silva, de Viena

Conjunto habitacional „Karl-Marx-Hof“, construído 1927-1930 (imagem histórico)

Conjunto habitacional Karl-Marx-Hof, construído 1927-1930

Conjunto habitacional „Karl-Seitz-Hof“, construído 1926-1931

Conjunto habitacional Karl-Seitz-Hof, construído 1926-1931

Conjunto habitacional „Reumannhof“, construído 1924-1926

Conjunto habitacional Reumannhof, construído 1924-1926

Print Friendly
pvc_views:
999
dsq_thread_id:
594287416
  • soniafernandes

    gostaria de saber se é possivel alugar um apartamento em reumannhof????

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações