UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

Ocupação do Vanin: exemplo de luta e esperança

vanin-02Durante o mês de outubro, centenas de escolas foram ocupadas por alunos em todo o Brasil, como protesto contra a Reforma do Ensino Médio e a PEC 241 (agora PEC 55). A primeira escola ocupada foi o Colégio Estadual Padre Arnaldo Jansen, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba; depois dela, ocupações se espalharam por todo o país, sendo o Paraná o Estado onde se concentraram a maioria.

Uma dessas ocupações, em Campo Largo, outra cidade vizinha à Capital, foi a do Colégio Estadual Augusto Vanin. Os estudantes ocuparam a escola no dia 11 de outubro e se mantiveram focados em resistir ao desmonte do ensino público, apesar de todas as dificuldades que enfrentaram, desde a hostilidade de pais contrários à ocupação até o total isolamento em que ficaram pela falta de atividades oferecidas por pessoas externas à comunidade escolar.

Localizado no Jardim Rondinha, na periferia da cidade, o colégio, enquanto ocupado, foi exemplo de organização e cuidado por parte dos estudantes, que tiveram a primeira oficina apenas no dia 3 de novembro, pois as ocupações em áreas periféricas sofreram com a escassez de atividades, como oficinas de arte. Apesar disso, na Ocupação do Vanin, os alunos não se desmotivaram e se mantiveram ocupados limpando as instalações e fazendo cartazes contra a Reforma e contra a PEC.

Além disso, para não ficarem sem nenhuma atividade, os alunos buscaram ter aulas por de maneira informal com os professores que apoiam as ocupações, mas o Governo do Estado do Paraná, de forma autoritária, ameaçou de demissão aqueles que entrassem em alguma escola ocupada. Deste modo, os professores que apoiaram os alunos tiveram de se limitar a levar alimentos e materiais de higiene no portão do colégio.

Diante deste quadro, a primeira oficina ofertada foi de Teatro do Oprimido, que eu mesma promovi. Desenvolvido pelo teatrólogo Augusto Boal, na década de 1970, esse método propõe transformar o espectador em ator, tirando-o do papel passivo, despertando nele que cabe ao homem transformar a própria realidade, fazendo-o pensar sobre as relações sociais estabelecidas em uma sociedade de luta de classes. Importante lembrar também da falta de incentivo que existe para a produção e circulação de arte na periferia, e a dificuldade das pessoas que moram nessas áreas em ter acesso a diferentes produtos culturais, pois isso envolve questões como, por exemplo, a mobilidade urbana.

Os alunos receberam o tema de forma aberta, participaram ativa e conscientemente dos exercícios propostos, que giraram em torno de assuntos como as próprias ocupações e o modo como a mídia está retratando este fenômeno, o conflito entre trabalhadores rurais e latifundiários, a fama de políticos notoriamente racistas, a marginalização dos moradores de rua e a seletividade da justiça. Bertolt Brecht dizia que o teatro, mesmo quando didático, não deve ser enfadonho, e os alunos do Vanin, em sua primeira experiência com a prática teatral, conseguiram captar isso. Embora tocassem em pontos sensíveis e polêmicos, os alunos se divertiram durante a oficina, não deixando de lado, entretanto, a reflexão sobre o que faziam.

Quando questionados sobre o que mudou após estarem ocupando o colégio, foi unânime a resposta de que todos passaram a desenvolver um senso de coletivo que antes não tinham. Passaram a conhecer melhor seus colegas, a respeitar as diferenças e a valorizá-las, a ver como uns precisam dos outros. Um dos estudantes comentou que, durante a ocupação, ele percebeu que não é a nota que define a inteligência de um aluno, pois ali estão pessoas com características bem diferentes, e um reconhece no outro a sua importância.

No Estado governado por Beto Richa, que, desde o dia 29 de abril de 2015, representa o que há de mais sórdido em relação aos professores, os secundaristas mostraram que não aceitarão calados a retirada de direitos perpetrada por um governo golpista. Em tempos sombrios, nos quais direitos como saúde e educação estão ameaçados, em que vemos dia após dia a tentativa de criminalização dos movimentos sociais, os alunos da Ocupação Vanin são um raio de esperança. São jovens que sabem pelo que lutam e o mais importante: a forma como lutam e a importância em pensar no coletivo.

Manifestação de alunos é reprimida

Os alunos que ocupam o Colégio Estadual Augusto Vanin fizeram um ato, no último dia 04 de novembro, em Campo Largo. Eles levaram cadeiras na tentativa de fechar a Av. Padre Natal Pigatto, mas foram reprimidos pela Guarda Municipal, que quebrou algumas cadeiras e agrediu os estudantes verbal e fisicamente. Um ônibus e um motociclista tentaram atropelar quem participava do ato; transeuntes também foram hostis, agredindo verbalmente os adolescentes.

Os alunos optaram por desocupar a escola pela manhã do dia 05. Eles iriam esperar a chegada do oficial de justiça, mas, no mandado que expedido pelo Tribunal de Justiça Estadual está que o oficial deveria identificar os envolvidos na ocupação.

Por fim, fica a pergunta: quem disse que não houve aulas no Vanin em todos esses dias?! Muitas lições foram aprendidas por todos!

Carolyne Dornelles, produtora teatral no Paraná

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes