UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 6 de outubro de 2022

Trump ordena bombardeios à Síria

Na noite deste último dia 06 de abril (já madrugada do dia 07 na Síria), o presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou um bombardeio ao território sírio e, em seguida, afirmou: “Chamo todas as nações civilizadas para buscar um fim à matança e ao banho de sangue na Síria”. Com isso, Trump mostra, já em seus primeiros meses de governo, que sua face mais cruel é a da guerra imperialista, e que não vai ficar só no campo das bravatas, das “declarações polêmicas” ou das ações de marketing político. Nove pessoas morreram no ataque, sendo quatro crianças.

O alvo dos 60 mísseis foi a base de Shayrat, em Homs. Na ocasião, foram atingidos aviões, depósitos de combustível e parte da pista de pouso e decolagem da base. Os mísseis Tomahawk foram disparados de dois navios de guerra americanos posicionados no Mar Mediterrâneo. Da base do Exército sírio atingida teriam partido os aviões usados para o ataque que matou 86 pessoas, entre elas, 27 crianças, no dia 04 de abril, mortes causadas por gás sarin. O governo de Bashar al-Assad e a Rússia afirmam que não usaram armas químicas.

As potências imperialistas, entre elas EUA, Rússia e países europeus, querem o domínio territorial e o controle da extração de petróleo do país. Os argumentos para sustentar a intervenção estrangeira são os mesmos já utilizados nas guerras contra o Iraque e o Afeganistão: derrubar um ditador, destruir armas químicas e implantar um “regime democrático”. Quase toda a “comunidade internacional” apoiou o ataque, incluindo o apoio tácito de França e Alemanha, e o apoio entusiasta de Turquia, Arábia Saudita e Polônia.

Fato inegável é que a guerra civil, iniciada em 2011, e as agressões dos países imperialistas já mataram cerca de 470 mil sírios e provocaram o êxodo de outros cinco milhões para diversos países do mundo, segundo estimativas da ONU, o que representa que a nação perdeu um quarto de sua população. Ou seja: quem inevitavelmente sofre as consequências das disputas de poder entre frações das oligarquias locais ou pela ação armada e criminosa das potências imperialistas é o povo, são os mais humildes, os trabalhadores, os idosos, as crianças, as mulheres, que, além de mortas, são particularmente vítimas de violência sexual.

Todas as forças democráticas e progressistas do mundo devem condenar a intervenção imperialista dos EUA na Síria, o uso de armas químicas contra a população civil e não se iludir com os interesses russos e europeus na região. Em meio à mais profunda e extensa crise mundial do sistema capitalista, a guerra, a destruição das forças produtivas e o assassinato indiscriminado serão sempre usados sem qualquer pudor ou “humanismo” pela burguesia internacional para buscar uma saída rentável para seus negócios.

Redação

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes