UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 2 de julho de 2022

9 de julho – Dia da Luta Operária

Foto: Thales Caramante/Jornal A Verdade


Raphael Martinelli, 95, e Eunice Longo, 91, foram homenageados no Dia da Luta Operária em São Paulo e receberam o Troféu Juan Martinez. A data instituída há 3 anos pela Lei Municipal 16.634 de 2017 rememora a Greve Geral ocorrida em 1917 e referência o jovem sapateiro Juan Martinez assassinado no dia 9 de julho durante uma greve na região do Brás pelas forças públicas. Sua morte causou comoção no operariado e foi o estopim para a primeira greve geral do Brasil em julho de 1917

A instituição da homenagem nesta data é oportuna para a classe trabalhadora, pois é uma oposição política ao feriado estadual de São Paulo que celebra a da “Revolução Constitucionalista” segundo a historiografia burguesa. Porém, na verdade celebra uma revolta da elite cafeicultora paulista que manipulou os interesses populares na tentativa de impor os seus interesses perdidos com o então ditador do Brasil Getúlio Vargas.

No evento, a revista Memória Sindical foi amplamente distribuída. Os primeiros operários grevistas do Brasil ilustram a capa e a matéria principal sobre a greve de 1917. Ensaios e artigos de importantes historiadores preenchem as folhas e combatem a historiografia burguesa em relação à “Revolução Constitucionalista”, trazendo uma perspectiva operária do feriado ao relembrar os levantes da classe proletária nas ruas do Brás e Bresser-Mooca em oposição aos canhões do exército paulista e ao demonstrar, com precisão, como foram os primeiros combates da luta de classes entre o proletariado e a burguesia brasileira.

O cenário também envolveu os presentes nos bastidores do movimento de massas daquela época – era um galpão industrial de mais de 100 anos. Além de homenagear Martinelli e Longo com o troféu José Martinez, a família de Lúcio Bellentani recebeu uma placa assinada pelas centrais sindicais. Ferramenteiro contra a Volkswagen Lúcio Bellentani foi preso e torturado em 1972. Sua prisão ocorreu na Volkswagen, empresa cúmplice do regime ditatorial, por ser militante comunista. Ele estava à frente de uma associação de antigos funcionários que sofreram perseguição dos militares e reivindica reparação. Bellentani morreu no dia 19 de junho deste ano e a cerimônia homenageou sua luta por meio da entrega da placa e do discurso de sua esposa.

A primeira mulher eleita diretora do Sindicato dos Têxteis em São Paulo Eunice Longo foi vice-presidente e, também, a primeira mulher a ser eleita diretora do Sindicato dos Têxteis em São Paulo. Apesar de a categoria ser majoritariamente feminina, os cargos do sindicato eram ocupados por homens. A artesã relembrou, aos 91 anos, das lutas nacionais das quais participou, entre elas, a campanha O Petróleo é Nosso e pela paz, contra a guerra na península coreana na década de 1950. Em seu discurso, garantiu: “participei bastante, não me arrependo de nada do que fiz”.

O Maior Comunista Revolucionário Ferroviário do Brasil

Foto: Thales Caramante/ Jornal A Verdade


Na década de 1940, Raphael Martinelli já era líder sindical comunista e, em 1955, foi preso devido à sua militância entre os ferroviários. Após o golpe militar e aos 50 anos de idade, juntou-se à luta armada através da Ação Libertadora Nacional (ALN) ao lado de Carlos Marighella e Joaquim Câmara, sendo preso novamente em 1971. Mesmo após as prisões e a tortura, não abandonou seus ideais e continua, até hoje, lutando pela memória, verdade e justiça. Ao ver jovens ferroviários e metroviários presentes, aconselhou: “com esse turma revolucionária aqui já podemos organizar uma greve!”, inspirando, assim, os novos militantes.

O camarada impressiona pelo seu vigor em idade tão avançada e chama a atenção por cantar inteira e, a plenos pulmões, o Hino da Classe Operária, A Internacional Comunista. Nos últimos anos, Martinelli foi convidado pelo PCR para ministrar formações direcionadas a União da Juventude Rebelião UJR, a fim de passar sua experiência sobre a história da resistência à Ditadura Fascista e Militar e contribuir na formação do caráter comunista e revolucionário de nossa militância. Também esteve presente no 1º Congresso do Movimento Luta de Classes (MLC) em 2010 quando afirmou: “É necessário educar revolucionariamente a juventude trabalhadora, manter disciplina e a força revolucionária para combater os capitalistas e assim criar as condições de fazer uma Revolução Socialista no Brasil”.

Redação São Paulo
Coletivo “UP nos Trilhos”


Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes