UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 4 de dezembro de 2022

Casa de Referência da Mulher Helenira Preta Completa Dois Anos

Ocupação em defesa da vida das mulheres, mesmo diante de uma série de dificuldades, segue lutando e cumprindo o dever de acolher, referenciar e ser um espaço para as mulheres de Mauá.

Foto: Movimento de Mulheres Olga BenárioPRIMEIRA OCUPAÇÃO Em 2017, o Movimento de Mulheres Olga Benario realizou a primeira ocupação em Mauá para atender mulheres vítimas de violência.


No dia 25 de julho de 2017, Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, nasceu a ocupação Helenira Preta, inaugurada pelo Movimento de Mulheres Olga Benário no centro de Mauá, cidade localizada na região metropolitana do ABC paulista.

Foto: Jorge Ferreira/Jornal A Verdade
25.07.2017 – Primeira Ocupação Helenira Preta.


A reivindicação tem como intuito pressionar o Estado a responder com políticas públicas os dados alarmantes que expressam a situação das trabalhadoras da região: em 2018, ocorreram 499 casos de violência contra a mulher denunciados, e a taxa de feminicídio cresceu em 33% em 2019.


Foto: Jorge Ferreira/Jornal A VerdadeURGENTE ocorreram, na região do ABC, nove feminicídios durante os primeiros seis meses do ano.


Com a primeira ocupação, as mulheres foram responsáveis por limparem tudo, organizarem um espaço abandonado e dar vida à eles apesar de dificuldades enfrentadas resultantes da negligência da prefeitura à luta das mulheres: água foi negada e energia elétrica não foi concedida às militantes.


Fotos: Jorge Ferreira/Jornal A Verdade




ORGANIZAÇÃO A limpeza, organização e construção da casa ocorre de forma coletiva entre as militantes.


Apesar de suas integrantes submetidas à condições inseguras e precárias da estrutura da primeira casa ocupada, o Movimento de Mulheres Olga Benário resistiu e conquistou uma carta-compromisso após alguns dias de ocupação e tentativa de reintegração de posse. No documento, constava a prefeitura como responsável por dar suporte e as condições materiais necessárias para que esse centro especializado existisse.

Fotos: Movimento de Mulheres Olga Benário


MOBILIZAÇÃO o Movimento de Mulheres Olga Benário chamou atos organizados para pressionar o cumprimento das promessas da prefeitura da cidade, quatro meses após a ocupação.


Após meses de omissão governamental, as mulheres decidiram se reorganizar e construir esse espaço de acolhimento para vítimas por si mesmas: o terreno escolhido para continuarem seu trabalho foi uma escola antiga, sugerida pela própria prefeitura no documento deferido com a promessa de uma casa de referência. O terreno, abandonado há mais de cinco anos, hoje conta com o trabalho de profissionais que atendem e acolhem as vítimas mesmo não sendo remuneradas, e é sede de diversas atividades geradoras de renda para vítimas em situação de vulnerabilidade financeira.

Fotos: Movimento de Mulheres Olga BenárioREOCUPAÇÃO Fachada da segunda ocupação realizada após descaso do prefeito impeachmado para construção da Casa de Referência Helenira Preta.


30.09.2018 – Fachada da segunda ocupação realizada pelo Movimento Olga Benário para construção da Casa de Referência Helenira Preta.


Fotos: Jady Oliveira/Jornal A Verdade10.06.2018 – Plenária de Mulheres na ocupação Helenira Preta.




Com a agenda mensal administrada pensando em atrair mais mulheres da cidade, a Casa Helenira Preta promove diversas atividades, como shows, oficinas de artesanato, produção artística de grafite, rodas de conversas literárias, batalhas femininas de rap, tudo para integrar o Centro de Referência à comunidade local, promover debates políticos com a população e valorizar a cultura popular. Realizam-se saraus todo segundo sábado do mês, e é quando artistas plásticos, músicos, dançarinos e poetas do ABC são recebidos nesse foco de resistência.

Fotos: Movimento de Mulheres Olga Benário
18.05.2019 – Sarau da Preta, de realização mensal.


26.11.2018 – Capoeira durante o Sarau da Preta.


09.10.2019 – Atividade de pintura e expressão artística.


DEBATES A Casa de Referência da Mulher Helenira Preta também foi um espaço importante de debates e plenárias de diversos movimentos sociais.


09.06.2019 Atividade de Grafite e roda de conversa sobre o “Protagonismo das Mulheres Negras no Grafite.”


GESTANTES EM RODA Roda de conversa com Doulas.


RENDA Confecção de bolsas de couro para geração de renda.


ATRAÇÕES CULTURAIS Oficinas de artesanato e rodas de diversas temáticas são realizadas na Casa para as mulheres. Acima, curso de confecção de embalagens ecológicas.


LAÇOS INTENSIFICADOS projeto Teia, iniciativa que visa debater temas referentes à vida das mulheres, participa da ocupação num evento sobre o sagrado feminino.


Atualmente, a Casa Helenira Preta cumpre o papel de refúgio e fortalecimento das mulheres da região metropolitana paulista. Apesar da falta de água e recursos, consequência da desconsideração da prefeitura de Mauá e do Consórcio Intermunicipal do ABC, atende e encaminha casos de violência psicológica e física que seriam ignorados pelo Estado burguês e apenas parte das estatísticas assustadoramente sub-notificadas.

https://www.facebook.com/casahelenirapreta/videos/2222284201126097/
APRESENTAÇÃO DA CASA DE REFERÊNCIA DA MULHER HELENIRA PRETA

A Casa Helenira Preta, fruto da luta das mulheres, mantém-se salvando vidas a partir da ação voluntária de diversas profissionais e ativistas revoltadas com o cenário de morte e agressão que está posto. A disposição de mudar a conjuntura e o mundo nos une! Seja um(a) apoiador(a) da casa e venha para a confraternização celebrar os dois anos de existência da ocupação!


Amanda Bispo, Jady Oliveira, Gabriela Torres
Movimento de Mulheres Olga Benário

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes