TwitterFacebookGoogle+

Morre Nexhmije Hoxha: guerrilheira, comunista e revolucionária albanesa

Aos 99 anos de idade, Nexhmije Hoxha, revolucionária albanesa, falece em Tirana, cidade onde construiu a maior parte de sua vida política revolucionária ao lado da classe operária livre.

Thales Caramante


Foto: Reprodução/Zeri i se Vertetes

TIRANA – Ilir Hoxha, filho de Nexhmije Hoxha, comunicou a morte da revolucionária através de uma nota pública: “Com profunda dor que informamos que, aos 99 anos, morre a nossa mãe, Nexhmije Hoxha, em 26 de fevereiro de 2020. Durante toda a vida, ela lutou pela libertação do país, pela construção de uma nova Albânia, para que fossemos um país marcado pelo progresso e pelo desenvolvimento”. E ainda continuou: “Nossa família, amigos e todo o povo albanês jamais esquecerá de sua história. Sempre seremos abençoados por seus ensinamentos e por sua luta em vida”. Ilir Hoxha anunciou também que o funeral acontecerá hoje (27) entre as 9h e 12h em Tirana, capital da Albânia. Ao que tudo indica, será enterrada ao lado de seu companheiro de vida, Enver Hoxha.

Durante o governo socialista, Nexhmije desempenhou papel determinante no desenvolvimento econômico e social do país. Foi integrante do secretariado do Comitê Central do Partido do Trabalho da Albânia, Deputada da Assembleia da República e Presidente da Frente Democrática, organização que uniu toda classe trabalhadora contra o nazifascismo. Ativa guerrilheira, durante a guerra contra a Itália e a Alemanha, foi presidenta da Liga de Mulheres Comunistas da Albânia, sendo apenas substituída por sua amiga e camarada até o final da vida, Vito Kapo.

Foi uma ávida estudante e desenvolvedora do Marxismo-Leninismo, sendo diretora do Instituto de Estudos Marxistas-Leninistas que centralizava o curso superior de Marxismo-Leninismo da Universidade de Tirana, local onde milhares de comunistas estudaram e aprenderam o que tinha de mais rico da teoria revolucionária. Ao final de sua vida, lutou avidamente pela reconstrução completa do partido, sendo bem sucedida em novembro de 2016, liderando o congresso de unificação.

Foto: Reprodução/Zëri i Popullit

Homenagens do Mundo Inteiro

No mundo inteiro, os partidos membros da Conferência Internacional de Partidos e Organizações Marxista-Leninistas (CIPOML) homenagearam Nexhmije e se solidarizaram com a família e os amigos.

Na Turquia, o Partido do Trabalho (EMEP) declarou por meio de nota que “Nexhmije Hoxha viveu um período extraordinário no mundo. Um período em que a classe operária tentou estabelecer novas formas de poder, o socialismo. Através disso, Hoxha desenvolveu grandes e colossais lutas em prol do povo trabalhador. Apesar dos ideólogos burgueses da Guerra Fria tentarem minar as lutas pela construção do socialismo, Nexhmije permaneceu com fé e resistiu contra toda forma de bloqueio e investida imperialista. Nexhmije Hoxha e seus ideais continuarão a iluminar o caminho daqueles que estão cansados da fome e da exploração capitalistas.”

O Partido Comunista da Espanha (Marxista-Leninista), através do jornal Octubre se solidarizou à luta de Hoxha: “Com muito pesar, nos despedimos da companheira Nexhmije Hoxha, uma incansável combatente marxista-leninista e militante revolucionária até o seu último dia. Jamais esqueceremos suas realizações.”

REVOLUCIONÁRIOS – Nexhmije e Enver Hoxha se casaram durante a Guerra de Libertação Nacional.

No Equador, o Partido Comunista Marxista-Leninista do Equador (PCMLE) fez uma breve reflexão de todas as conquistas e principais lutas da revolucionária por meio do jornal “En Marcha”. “Durante a ‘Guerra de Libertação Nacional’, em 1942, ela foi condenada a 13 anos de prisão por sua participação em manifestações estudantis contra o fascismo, mas no decorrer do processo, ela passou à clandestinidade. Durante a Segunda Guerra Mundial, ela atuou no Exército de Libertação Nacional e foi eleita presidenta da Liga de Mulheres Comunistas da Albânia. […] O PCMLE expressa sua solidariedade aos trabalhadores e ao povo albanês em razão do falecimento de Nexhmije Hoxha, exemplo de mulher comunista e marxista-leninista.”

Os trabalhadores iranianos se solidarizaram a Nexhmije Hoxha através do Partido do Trabalho do Irã, o jornal “Tempestade” declarou com efervescência que “sua memória permanecerá sempre viva!”

De forma semelhante, o jornal norte-americano The Red Phoenix, junto com o Partido do Trabalho, estampou: “Uma Brilhante Estrela Vermelha se Juntou aos Céus”, além de continuar a homenagem ao dizer que “Nexhmije Hoxha estava na linha de frente em uma das lutas mais titânicas do nosso movimento […] ela foi uma figura chave para desmascarar o revisionismo Khrushchevista e defender o Marxismo-Leninismo. Guerrilheira, professora, revolucionária, Nexhmije Hoxha foi a expressão do que existe de melhor no nosso movimento. O Partido do Trabalho a saúda e ergue seu punho para a mais exemplar comunista.”

Nexhmije Hoxha está sendo homenageada por artistas, trabalhadores em todo o país. A cantora, pintora e fotografa Rezarta Shkurta registou os últimos dias de Hoxha e a relembrou como “a mulher mais forte da história da Albânia”.

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
191

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações