UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 2 de outubro de 2022

Governo quer remover 800 famílias quilombolas no Maranhão

Foto: MABE
ENTREGUISMO. Famílias quilombolas estão ameaçadas de remoção para dar lugar à base sob controle dos EUA (Foto: MABE)

Por Gabriel Montsho
Movimento Negro Perifa Zumbi


O governo Bolsonaro não se cansa de maldades contra o povo. Enquanto na maioria dos países as pessoas se recolhem em casa para impedir o avanço da epidemia de coronavírus, aqui o Governo Federal quer remover 800 famílias quilombolas para expandir o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão.

A medida consta na Resolução 11/2020 publicada no último dia 26/03. Ao todo, 30 comunidades quilombolas do município de Alcântara (MA) serão removidas a força para que o projeto de entrega de uma parte do território brasileiro aos Estados Unidos seja concretizado.

O “convênio” com o governo norte-americano foi endossado pelo ministro-general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), e pelo Alto Comando das Forças Armadas, que entregaram o controle da base de lançamentos de foguetes e satélites para o exército dos Estados Unidos.

SAIBA MAIS
Entrega de base de Alcântara Ameaça famílias quilombolas

Não bastasse permitir que um governo estrangeiro controle parte de nosso território, a medida do governo Bolsonaro ainda expõe ao risco de morte centenas de famílias quilombolas que há décadas ocupam aquela região e agora estarão mais vulneráveis à contaminação por Covid-19.

A medida tem encontrado resistência de diversos movimentos sociais, ONGs e lideranças politicas, que se manifestaram em nota conjunta onde afirmam que a cessão da Base de Alcântara “afronta diversos dispositivos legais de proteção das comunidades remanescentes de quilombos”. No último dia 02/04, o Ministério Público Federal (MPF) recomendou que o governo evitasse a remoção das famílias da região.

Desde 2008, o território dos quilombolas de Alcântara possui Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) assinado pelo Incra, assegurando uma área de 78,1 mil hectares à comunidade, mas, até hoje, o processo de titulação não foi concluído e as famílias seguem sob ameaça de serem arrancadas de suas terras sem destino certo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes