TwitterFacebook

Unidade Popular propõe mudança de nome de avenida que homenageia ditador

ATO POLÍTICO – Pedro Laurentino, candidato a prefeito de Teresina pela Unidade Popular, defende mudança de nome da Avenida. (Foto: Reprodução/Jornal A Verdade)

“Castelo Branco foi um dos articuladores do golpe militar-fascista de 1964. O golpista rasgou a Constituição e botou os tanques nas ruas em nome dos interesses econômicos e políticos norte-americanos.”
Pedro Kardec

TERESINA (PI) – A coligação “Pelo Poder Popular”, formada pela Unidade Popular (UP) e o Partido Comunista Brasileiro (PCB), realizaram, no dia sábado (10) um ato político de renomeação da Avenida Marechal Castelo Branco para Avenida Esperança Garcia.

Esperança Garcia era uma mulher negra, piauiense que foi escravizada. Em 1770 escreveu uma carta denunciando todos os tipos de agressões que sofria. O documento foi reconhecido recentemente pela Ordem dos Advogados do Piauí (OAB-PI), tornando Esperança a primeira advogada negra do Brasil.

Já Castelo Branco foi um dos articuladores do golpe militar-fascista de 1964. O golpista rasgou a Constituição e botou os tanques nas ruas em nome dos interesses econômicos e políticos norte-americanos. Depois de depor o presidente legitimamente eleito, fechou o Congresso Nacional, aprovou decretos-leis e quatro atos institucionais que excluíram a pluralidade partidária, aprovaram forte repressão às manifestações contra o governo, eleições indiretas, entre outros ataques à democracia.  

A Lei Estadual de n° 7.248/2019 retira homenagens a violadores dos direitos humanos durante a Ditadura Militar Fascista (1964-1984) e determina a retirada de bens públicos do Piauí que fazem homenagens aos citados no Relatório Final da Comissão da Verdade.

No entanto, a legislação abrange apenas prédios, monumentos e rodovias que estão sob a gestão da administração pública estadual. “A criação de uma lei municipal seria importante para que que também sejam proibidas as homenagens na capital já que o nome das ruas é pedagógico.” – afirmam militantes da Unidade Popular Pelo Socialismo.

 “É inaceitável que a avenida onde se localiza a Assembléia Legislativa do Piauí e a Câmara Municipal de Teresina homenageie um ditador que não teve nenhum respeito à democracia e ao povo brasileiro. Queremos colocar no lugar desse nome o de Esperança Garcia, que foi uma mulher negra escravizada que fazia petições defendendo os seus companheiros e que por isso mesmo é a primeira advogada negra do Brasil, então vamos tirar o golpista e botar Esperança”, finalizou Pedro Laurentino, candidato a prefeito de Teresina pela Coligação.

Print Friendly, PDF & Email
classic-editor-remember:
classic-editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações