UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 28 de junho de 2022

Prefeitura remove ambulantes do centro de Mauá

Guarda municipal de Mauá impede os ambulantes de trabalhar. Foto: Jornal A VERDADE

Amanda Bispo

Na manhã da última quinta-feira (20), trabalhadores ambulantes com ponto em frente à estação de trem e do terminal rodoviário de ônibus foram removidos pela Guarda Municipal (GCM) por ordem da Prefeitura de Mauá.

Desde então os ambulantes têm realizado uma série de denúncias e lutas pelo seu direito de trabalhar. O Jornal A Verdade conversou com Aline, vendedora de acessórios e chip de celular, moradora da Favela do 22 no Jardim Primavera. A trabalhadora desabafa que “Eu trabalho aqui há 30 anos, desde meus 14. A gente é trabalhador, ninguém aqui está roubando, a gente tem família, tem filhos para sustentar. Nós temos uma licença e pagamos os impostos, apenas queremos trabalhar”.

Um grupo de trabalhadores ambulantes procurou a prefeitura e os vereadores da cidade para que pudessem continuar trabalhando, foram recebidos por alguns deles, mas ainda não possuem uma resposta. Aline conta que “Já estamos há 4 dias sem trabalhar e nesses quatro dias os gastos continuam. Se for preciso eu coloco fogo no meu carrinho ali na estação, eu faço de tudo, mas não fico sem trabalhar.”

Há anos cresce o número de trabalhadores ambulantes no centro de Mauá em busca de uma alternativa para se sustentar, essa situação se intensificou com a pandemia. O desemprego no Brasil hoje chega a mais de 14 milhões de pessoas, 6 milhões de brasileiras e brasileiros já desistiram de procurar um emprego porque não encontram. 

É necessário que uma alternativa de trabalho seja dada aos trabalhadores. Vivemos hoje debaixo de uma pandemia, com crescente da fome em Mauá e no país, é inaceitável   retirar a fonte de renda desses trabalhadores e trabalhadoras sem que opções de sustento sejam pensadas. Mauá precisa de políticas de qualificação profissional e criação de mecanismos de incentivo à empregabilidade desses e tantos outros moradores que vivem debaixo do desemprego ou em condições de trabalho extremamente precarizadas. 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes