TwitterFacebook

Ato em defesa de terras indígenas incendeia estátua de colonizador português

Monumento de Pedro Álvares sendo incendiado no bairro da Glória, Zona Sul do Rio de Janeiro. (Fonte: Coletivo Uruçu Mirim)

Ontem (24), manifestantes incendiaram estátua do colonizador e invasor português Pedro Álvares Cabral, no Rio de Janeiro. Ação foi contra o Marco Temporal na demarcação de terras indígenas. Monumento representa os invasores que dominaram as terras indígenas e que realizaram um dos maiores genocídios da história da humanidade. 

Igor Barradas | Redação Rio

LUTA POPULAR Na madrugada deste terça-feira (24), manifestantes incendiaram o monumento do invasor português Pedro Álvares Cabral, na Zona Sul do Rio de Janeiro. A ação foi em protesto contra o marco temporal proposto pelo ruralistas e o genocídio em curso do governo de militares de Bolsonaro contra o povo indígena.

O marco temporal está sob julgamento do STF durante essa semana. Se aprovado, alterará a legislação da demarcação de terras indígenas, permitindo a expulsão dos povos originários de suas terras nativas e abertura de seus territórios para explorações predatórias de grileiros e latifundiários. As demarcações de terras indígenas são um direito fundamental dos povos originários, previsto na Constituição Federal. 

De acordo com o marco temporal, uma terra indígena só poderia ser demarcada caso for comprovado que os indígenas estavam sobre a terra requerida no dia no dia 5 de outubro de 1988, ou seja, na própria data da promulgação da Constituição.

Estudos arqueológicos afirmam que muito antes dos europeus invadirem as terras indígenas, inúmeros povos já viviam em abundância e construíam sociedades sem exploração. Entretanto, para a bancada ruralista, quem estiver fora da área nesta data, não possui o direito a pedir sua demarcação.

O significado do ataque a monumentos que homenageiam genocidas

Nos últimos tempos, inúmeros monumentos que homenageiam colonizadores, ditadores e escravistas estão sendo incendiados ou derrubados pela população. O incêndio da estátua de Pedro Álvares Cabral, conhecido por ter “descoberto” o Brasil, é um exemplo dessa movimentação.

Os colonizadores foram os responsáveis pela morte e escravização de milhões de nativos indígenas. Propagaram epidemias, impuseram religião e costumes europeus em ordem de dominar estes povos.

Ao mesmo tempo, tem aumentado a reivindicação para a construção de monumentos de nossos verdadeiros heróis. Movimentos sociais tem reivindicado a construção de estátuas e marcos homenageando os povos indígenas que lutaram contra a colonização, lideranças negras que lutaram contra a escravidão ou brasileiros que se dedicaram na luta contra a Ditadura Militar Fascista.

Print Friendly, PDF & Email
classic-editor-remember:
classic-editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações

%d blogueiros gostam disto: