TwitterFacebook

2 de Outubro: contraofensiva para derrubar Bolsonaro

Ato em Brasília em 19 de junho reuniu mais de 30 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios. Foto: Emília Silbernstein/JAV

Wanderson Pinheiro e Pedro Laurentino Reis Pereira, Diretório Nacional da UP

MOBILIZAÇÃO – Bolsonaro tentou dar um golpe de Estado, passar por cima do Parlamento, do Judiciário e das instituições e declarar-se ditador supremo do Brasil para governar acima da Constituição, das leis e da vontade popular. Não conseguiu seu intento e, por isso, promoveu, com seus asseclas, um recuo vergonhoso, mas momentâneo. Sua base social raivosa – o agronegócio, pastores da igreja evangélica e caminhoneiros reacionários – manteve-se praticamente intacta, Arthur Lira, presidente da Câmara Federal, jogou panos quentes e o mercado se reanimou.

Setores do capital bancário e financeiro demonstraram insatisfação com Bolsonaro apenas no ponto da instabilidade dos mercados, mas não nos enganemos: são contradições não-antagônicas, pois, no essencial, têm unidade nas pautas econômicas. Só abandonarão o barco deste governo fascista e assassino se, e somente se, encontrarem outro porto seguro que lhes permita continuar espoliando o povo, devastando as riquezas nacionais e roubando os recursos públicos.

Este governo é um governo de generais e de banqueiros, que não pretendem abrir mão do poder, mas querem sim um poder maior. A estratégia de “aproximações sucessivas” continua sendo adotada. Chamamos a atenção à entrevista de Bolsonaro, logo em seguida ao 7 de setembro, quando já tinha feito o recuo, na qual falou para explicar para seus apoiadores mais exaltados: “Querem imediatismo. Se você namorar e casar em uma semana, vai dar errado”, uma metáfora clara de que pretende casar com o poder, sendo esta tentativa apenas uma primeira investida.

Manifestação de 02 de outubro: a grande contraofensiva ao golpismo

Por tudo isso, devemos considerar o ato do dia 02 de outubro como a verdadeira contraofensiva ao golpe e configurar-se como o início do xeque-mate final ao facínora, que transformou o país em um grande cemitério. Não podemos, nem devemos depositar nossas esperanças no Parlamento do “Centrão” e da grande burguesia, nem no STF, pois ambos já apaziguaram os ânimos, buscando negociar e conciliar com o fascismo. Devemos fazer uma grande ofensiva com todas as nossas energias e atacar o inimigo com o poder do povo, enquanto ele ainda está acuado.

Estrategicamente, devemos ter o foco em Brasília, levando caravanas de todos os lugares possíveis, direcionando forças e concentrando o máximo as nossas energias. Este ato ocorrerá logo em seguida à divulgação do relatório da CPI da Covid, o que será um fato político importante. Podemos ir ao Parlamento exigir a abertura do impeachment, colocando Arthur Lira nas cordas e dar uma ofensiva no Palácio de Governo. Derrubar este governo é a única forma de defendermos a democracia.

É importante ressaltar que foi Bolsonaro que fez uma importante ofensiva, mesmo que tenha saído pela culatra. O que necessitamos agora é dar uma pujante contraofensiva, jogando todas as forças para derrubar este governo. Mais do que milhares, precisamos que milhões de trabalhadores e trabalhadoras ocupem as ruas e digam em alto e bom som que lugar de fascista é na lata do lixo.

Fazer do 2 de outubro apenas mais um ato para enfraquecer o governo e para vencê-lo somente em 2022, pode até parecer uma correta estratégia em um jogo de xadrez, mas é perverso e desonesto com os desempregados, desvalidos e desalentados da vida real. Enquanto Bolsonaro sangrar politicamente, o povo literalmente morrerá, seja de Covid, seja de fome, nas periferias ou nos corredores dos hospitais do país.

No dia 7 de setembro, centenas de milhares de pessoas se concentraram em mais de 150 cidades do Brasil para enfrentar o golpismo. Manifestação foi condenada por neoliberais e a mídia burguesa. Foto: Jorge Ferreira/Jornal A Verdade

Os neoliberais não são nossos aliados

Por isso, devemos travar uma imensa e fraterna luta política com os setores do movimento popular que colocam grande peso na aliança com os neoliberais. Afirmamos que esse setor não pretende derrotar o fascismo em sua pauta econômica, nem vão colocar o povo na rua ameaçando a estabilidade e pautando os direitos. Se eles quiserem ir às ruas, tudo bem, a rua é pública. No entanto, não aceitaremos que tomem as nossas bandeiras, muito menos as nossas pautas, tão caras, como a punição dos torturadores e por direitos econômicos e sociais para a classe trabalhadora.

Temos o dever e a obrigação histórica de colocar o nosso povo nas ruas organizado, consciente e determinado. Nosso centro político é o Fora Bolsonaro e a retomada dos direitos sociais, direitos estes que foram retirados por meio do golpe, que não foi principalmente contra o PT, mas pela retirada dos direitos trabalhistas e pela entrega do patrimônio público. Agora é a hora de ajustarmos as contas com os diversos matizes do neoliberalismo, seja fascista, seja pseudo-democrata.

Por isso, devemos colocar a classe trabalhadora na vanguarda dessa luta, com suas pautas hasteadas e, assim, arrastar a reboque os setores da pequena burguesia e mesmo da burguesia. Só assim realizaremos uma grande ofensiva e derrotaremos de vez Bolsonaro e os fascistas, sem ilusão com os neoliberais, com o Parlamento e o STF.

Vamos então concentrar todas as nossas forças e energias, navegando nesse mar turbulento com grande firmeza. Dar espaço ao fascismo, alegando que ele fez um recuo, não é uma opção.

Print Friendly, PDF & Email
classic-editor-remember:
classic-editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações

%d blogueiros gostam disto: