UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Garis realizam manifestação no Rio de Janeiro

PROTESTO. Garis do Rio lutam por reajuste salarial e melhores condições de trabalho (Foto: JAV/Rio)

Com péssimas condições de trabalho, aumento do preço dos alimentos e da vida em geral, aproximadamente mil garis realizaram uma manifestação nesta quarta-feira (20). Os trabalhadores defendem reajuste salarial e mais equipamentos de proteção individual.

Igor Barradas | Redação Rio


TRABALHADOR UNIDO – Nesta quarta-feira (20), cerca de mil trabalhadores da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (COMLURB) organizaram uma manifestação em defesa de seus direitos, no Rio de Janeiro.

O protesto iniciou na Central do Brasil por volta das 14 horas. Depois, os garis foram até a Prefeitura do Rio de Janeiro, na Cidade Nova, com o intuito de entregar um protocolo reivindicando suas pautas.

Apesar do aumento do preço dos alimentos, da conta de luz, do aluguel e da gasolina, os trabalhadores em limpeza urbana estão há três anos sem reajuste salarial. O ato requisitou retomada da negociação com a prefeitura do acordo coletivo de trabalho.

Segundo Valdemir Odílio, militante da Unidade Popular e trabalhador da limpeza urbana, “temos que acreditar na luta, semana que vem, dia 28/10, a comissão vai chamar novo protesto, às 14h, na Central, e com certeza será maior. Os garis têm que construir uma grande greve nacional para mostrar para os banqueiros e essa elite que o povo está acordando”.

Protesto ocupou a Avenida Presidente Vargas, no centro (Foto: JAV/Rio)

Garis denunciam serviço de plano de saúde oferecido pela Prefeitura

O plano de saúde “Klini”, ofertado pela Prefeitura, foi denunciado entre os garis enquanto de péssima qualidade. O atendimento da empresa é extremamente demorado, e os trabalhadores não conseguem marcar consultas.

Os donos da empresa financiaram ativamente a campanha eleitoral do atual Prefeito Eduardo Paes (PSD). Esta empresa é a cara da terceirização, ofereceu à prefeitura um serviço que não pode dar conta.

O resultado foi a brusca interrupção de serviços aos trabalhadores como quimioterapia, fisioterapia, etc. É de conhecimento geral o alto grau de periculosidade da profissão. 

De fato, a Prefeitura do Rio de Janeiro pouco se importa com a saúde dos garis. A busca pelo lucro é a principal prioridade entre eles.

A Unidade Popular pelo Socialismo (UP) e o Movimento Luta de Classes (MLC) estiveram presentes no protesto (Foto: JAV/Rio)

Manifestação comprova que apenas com luta direitos são garantidos

A guarda municipal impediu os trabalhadores de subirem na Prefeitura e darem entrada no protocolo de pauta de reivindicação. 

Por mais que o protesto tenha ocorrido em horário comercial, a justificativa do impedimento foi de que a Prefeitura estaria fechada e não havia quem recebesse o protocolo. 

Em resposta, os garis organizaram um fechamento das duas vias da Avenida Presidente Vargas, não permitindo a passagem de veículos. 

A reação da Prefeitura com a ação foi quase imediata. Logo depois do ocorrido, os guardas permitiram a entrada dos trabalhadores no prédio e assinaram o documento.

A comissão de negociação vai convocar um novo protesto, às 14h na Central, no dia 28 de Outubro.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes