UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

O filme “Agricultura Tamanho Família” e a necessidade de um ambientalismo classista

LUTA CAMPONESA – Filme de Silvio Tendler documenta a luta entre camponeses e latifundiários pela terra (Foto: Divulgação)

Mariana Freire

O filme “Agricultura Tamanho Família” de Silvio Tendler documenta a vida e as relações de trabalho dos camponeses através de uma visão socioambiental e econômica. Lançado em 2014, é o último filme da trilogia “Terra” iniciada com “O veneno está na mesa” partes 1 e 2.

Nesta última parte, o famoso diretor analisa o contexto de exploração dos grupos que vivem da agricultura familiar e a contradição entre capital/trabalho e produção/lucro na indústria alimentícia brasileira. 

A situação contraditória e exploradora com que se dão as relações no campo é algo constantemente invisibilizado e o filme nos apresenta cada ponto chave dessa questão de maneira muito concisa.

É inevitável, se seguirmos o raciocínio traçado pelo filme, colocar a luta de classes como ponto de sustentação das denúncias apresentadas. As relações de trabalho, terra, produção e lucro no campo são base de uma luta de classes sangrenta que vem se acirrando muito.

70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros são oriundos da agricultura familiar e ocupam apenas 24,3% das terras cultivadas em nosso território, enquanto o agronegócio produz quase integralmente para exportação de commodities de monocultura ocupando 75,5% das terras cultivadas do país.

Cerca de 40 milhões de mulheres, homens e crianças são colocadas para trabalhar até morrer nos campos em situação análoga à escravidão. Aqueles que – literalmente – produzem praticamente todo o nosso alimento diário comem restos de lixo e bebem água contaminada.

Já os latifundiários, que são donos de quase todas as terras cultiváveis que ainda não foram destruídas, vivem em suas mansões, comem o que querem, sequer sabem como produzir o que vendem, mas obtém todo o lucro proveniente do trabalho exploratório do proletariado camponês.

Em Pernambuco, por exemplo, a área de monocultura de cana de açúcar ocupa praticamente quase todo o território cultivável e 0,73% dos proprietários controlam 45% da área de agricultura daquela região.

O que é luta de classes senão aqueles que produzem o alimento não terem terra para produzir sequer o que comer? Existe, em volta de todas essas questões uma estrutura de exploração forjada no capitalismo.

SOCIALISMO – Pôster chinês de 1983 em defesa do meio-ambiente afirma “verde é vermelho” (Foto: Reprodução).

Muitos dos que falaram no documentário deixaram claro que só conseguiram se estabelecer na agricultura familiar depois de obterem conhecimento técnico sobre o assunto. Fica a pergunta: quantos agricultores camponeses ocupam as fileiras das universidades de agronomia, agricultura ou agroecologia no brasil?

Quais dessas fileiras são ocupadas pelos filhos dos latifundiários? E quantas são ocupadas pela classe média do Sudeste brasileiro que romantiza o campo e o trabalhador camponês?

A estrutura do sistema capitalista no Brasil mantém o proletariado camponês em um ciclo de reprodução intensa, o que afeta triplamente as mulheres, para que se tenham mais indivíduos que produzam até morrer. 

A agroecologia, os assentamentos e ocupações são uma experiência de emancipação popular, de uma quebra nesse sistema que tenta se mostrar tão forte, e devem ser concentrações de poder popular e socialismo.

Os trabalhadores e trabalhadoras do campo, quando organizados, fazem o que nenhum governo nunca foi capaz de fazer pelo seu povo: a reforma agrária. Projeto incompatível com o capitalismo e com qualquer idealismo reformista.

Reivindicar reforma agrária vai muito além de romantizar assentamentos; significa entender o sistema capitalista como inimigo do povo trabalhador do campo e da cidade e do meio ambiente. Significa, além de querer a reforma agrária, querer e lutar pelo fim desse sistema que continua matando milhares de outros trabalhadores rurais que não são assentados e organizados.

Significa também se organizar para lutar verdadeiramente para que tudo isso se desfaça, para que a emancipação popular e do meio ambiente venha de forma integral e não só para satisfazer nosso romantismo imediatista.

Lembremos sempre da frase do grande Chico Mendes: ecologia sem luta de classes é jardinagem!

O filme está disponível no Youtube e pode ser assistido a seguir:

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes