UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 6 de julho de 2022

Quem ganha com o mercado da saúde privada?

Hospital privado em Fortaleza (CE)

Claudiane Lopes | Redação


SAÚDE – Com quase dois anos de pandemia no Brasil, o acesso à saúde virou artigo de luxo para maioria das famílias brasileiras, pois, com o descaso dos governos com o Sistema Único de Saúde (SUS), muitas pessoas buscam os planos de saúde privada para possuir atendimento, tratamento, exames e equipamentos de maneira mais rápida e acessível.

Um serviço que é um direito constitucional torna-se, cada vez mais, um mercado bilionário em nosso país. É o que demonstra a fortuna do Sr. Cândido Pinheiro Koren de Lima, dono da Hapvida, que saltou de US$ 4 bilhões para US$ 8,8 bilhões em menos de um ano, tendo um amento de 145% em seus lucros. Outra que teve sua a fortuna impulsionada foi a Rede D’Or, do cardiologista e fundador da empresa, Jorge Moll Filho, que saltou de US$ 2 bilhões em abril de 2020 para US$ 13 bilhões em fevereiro de 2022. Como resultado da abertura de capital robusta, Moll Filho pulou da 16ª posição do ranking de bilionários da Forbes para a terceira, fechando o top 3 com Jorge Paulo Lemann e Eduardo Saverin.

O salto na fortuna de Moll Filho, dono da Rede D’Or, é resultado da abertura de capital da companhia na bolsa de valores. Com ações a R$ 57,92, os papéis da companhia dispararam e fecharam em alta de 7,73%, cotados a R$ 62,40, o que movimentou R$ 11,39 bilhões (US$ 2,12 bilhões) no momento. Hoje a rede é uma das líderes no mercado hospitalar no Brasil, com 8% de participação, atendendo cerca de quatro milhões de pacientes anualmente. A empresa está atrás apenas do Banco Santander e da BB Seguridade.

O fermento para aumentar exponencialmente os lucros dessas poucas famílias foi a expansão e a atuação médica na crise sanitária causada pela pandemia de Covid-19. Pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 70% dos brasileiros não possuem plano de saúde particular – seja individual ou empresarial.

Atualmente, estima-se que 30% da população brasileira possui planos privados de saúde. O número tende a crescer, já que cerca de 86% considera o serviço essencial, sendo que o desejo de contratar perde apenas para investimento em educação e na casa própria. O Estado de São Paulo é o que acumula o maior número de clientes de planos de saúde, representando 36% de todos os beneficiários brasileiros. Em seguida, estão os Estados do Rio de Janeiro, com 11%, e Minas Gerais, com 10,7%. Enquanto a maior concentração está no Sudeste, a menor está no Norte do país.

Mas nem tudo são flores! Os planos e seguros privados ampliaram substancialmente o número de clientes, que buscam uma alternativa às debilidades do sistema público. Ao invés de satisfazerem as necessidades dos usuários, os planos e seguradoras de saúde se tornaram mais um motivo de preocupação: práticas como a limitação de internações e consultas, negativa de procedimentos e reajuste abusivo das mensalidades são reclamações comuns nos Procons e até no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Se o SUS fosse, de fato, universal e de qualidade, todo esse poderio já tinha se ruído. A criação do Sistema Único de Saúde (SUS), pela Constituição Federal de 1988, com cobertura universal e integral para toda a população, não se mostrou suficiente para garantir o direito de acesso à saúde. Com o sucateamento crescente do SUS, faz com que tudo que o capitalismo toca torna-se uma mercadoria e com as doenças e a morte dos seres humanos não é diferente. Assim, o lucro sempre estará para as operadoras de saúde acima da vida das pessoas.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes