UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 26 de maio de 2024

Governo anuncia novo aumento no preço do gás natural

SEM DINHEIRO. Custo de vida tem ficado insuportável para maioria do povo (Foto: Jorge Ferreira/JAV)

Aumento de 19% atinge principalmente as famílias trabalhadoras, que dia após dia estão sendo obrigadas a ter que escolher entre pagar a conta de gás ou colocar comida na mesa.

Heron Barroso | Redação Rio


BRASIL – A semana começou com mais um aumento no preço do gás natural. Desta vez, o reajuste foi de 19% e foi o presente de 1º de Maio dado pelo governo Bolsonaro aos trabalhadores brasileiros.

Esse novo aumento é consequência da impossível política de preços praticada pela Petrobrás, que expõe o país às flutuações do preço do petróleo no mercado internacional, à taxa de câmbio (valorização do dólar) e à inflação.

Dessa forma, se por algum motivo político (guerras, boicote econômico, etc.) ou natural (frio acima da média na Europa ou nos Estados Unidos, por exemplo) o preço do petróleo sobe, quem paga a conta somos nós.

O resultado inevitável dessa política é o aumento de famílias pobres que trocaram o gás de cozinha pela lenha ou o álcool. “Muitas famílias aposentaram o fogão de vez, pois não têm condições de comprar um botijão que já custa mais de R$ 100. Isso é quase metade da renda delas”, explica Juliete Pantoja, coordenadora do MLB no Rio de Janeiro. Segundo ela, desde que a Petrobras atrelou seus preços ao mercado a vida da população mais carente piorou muito. “As pessoas estão ficando sem opção: ou compram gás ou comida”, afirma.

Nos últimos 12 meses, o etanol subiu 62,23%, a gasolina 47,49% e o diesel 46,04%, sem falar do botijão de gás, que ficou 36,99% mais caro no último ano. Esses aumentos afetam toda a cadeia produtiva, com impacto direto na inflação.

Em 2021, a inflação no Brasil foi de 10,06%, segundo o IBGE, bem acima do objetivo fixado pelo Banco Central de 3,75%. Essa é a maior taxa desde 2015, e não para de subir mês a mês. Em fevereiro, a cesta básica registrou aumento em todas as 17 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Dessa forma, enquanto a economia brasileira estiver submissa aos interesses do mercado e dos lucros das grandes empresas, maior será a desigualdade que separa ricos e pobres e pior serão as condições de vida de milhões de trabalhadores.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes