UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2023

Polícia Federal identifica mandante dos assassinatos de Bruno e Dom

Indigenista brasileiro e repórter inglês foram mortos em 2022 por lutarem em defesa dos povos indígenas e do meio ambiente.

Raul Bittencourt | Rio de Janeiro


BRASIL – Nesta segunda (23), a Polícia Federal divulgou a identidade do mandate dos assassinatos do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira, servidor da FUNAI, e do jornalista inglês Dom Phillips. Os dois foram mortos em junho de 2022, no Vale do Javari, no oeste do Amazonas.

A região abriga 26 grupos indígenas, sendo 19 deles isolados, a maior concentração do mundo. Ao menos 6.300 indígenas vivem sob constante invasão de traficantes, contrabandistas e outros grupos criminosos.

Segundo a PF, o mandante do crime foi Rubén Dario da Silva Villar, conhecido como “Colômbia”, que está preso desde dezembro do ano passado e também é investigado por pesca ilegal, contrabando e tráfico de drogas.

(Foto: Reprodução)
Mandante dos assassinatos é preso pela PF (Foto: Reprodução)

“O cerco vai se fechando” 

Bruno era servidor público federal de carreira, tendo ocupado o cargo de coordenador-geral de Índios Isolados da FUNAI. Em 2019, ele organizou uma grande operação contra quadrilhas de garimpeiros que invadiam a Terra Indígena do Vale do Javari, destruindo 10 balsas de mineração clandestinas e apreendendo ouro, armas e equipamentos. “O cerco vai se fechando”, afirmou Bruno Pereira ao saber que seria exonerado do cargo pelo governo Bolsonaro, 15 dias após a operação.

Eles não foram as únicas vítimas desses grupos criminosos. Maxciel Pereira dos Santos, colaborador da FUNAI, foi assassinado a tiros enquanto guiava sua moto na rua mais movimentada de Tabatinga (AM), em setembro de 2019, pouco tempo depois da exoneração de Bruno.

Atentados a trabalhadores, ativistas, lideranças comunitárias e bases da FUNAI se tornaram coisa comum a partir de 2019, com a posse de Bolsonaro. O então presidente da FUNAI, Marcelo Xavier, não agia para garantir a segurança das terras indígenas, dos grupos isolados, de servidores e colaboradores, e, através dessa inação, facilitava a ação de grupos criminosos.

O combate a grupos criminosos que saqueavam áreas protegidas, sejam elas de preservação ambiental, sejam terras indígenas, não era de interesse da cúpula do governo do genocida Bolsonaro, que repetiu em todo canto o mesmo enredo, desmonte das equipes técnicas, perseguição a profissionais, fechamento de bases militares que controlavam o acesso ao território e virtual cumplicidade com grupos criminosos.

Os crimes no Vale do Javari e o agora revelado genocídio Yanomami não são casos isolados, mas sim um projeto do governo Bolsonaro, que contou com a anuência do grande capital e dos militares.

A derrota do genocida nas urnas e a posse de Lula abriram espaço para a retomada do combate a essas quadrilhas que saqueiam o patrimônio brasileiro. 

As Forças Armadas, ao invés de defender golpistas, devem ser utilizadas para a proteção desses brasileiros tão vulnerabilizados, de nossas fronteiras e das riquezas nacionais. Que esses crimes não fiquem impunes, que nunca se repitam. Sem anistia para os culpados!

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes