UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 20 de abril de 2024

Correnteza vence eleições para DCEs de universidades públicas

Movimento Correnteza conquistou vitórias históricas em universidades de vários pontos do país.

Redação


O Movimento Correnteza, que faz oposição à burocrática diretoria majoritária na União Nacional dos Estudantes (UNE), obteve importantes vitórias nas eleições para os Diretórios Centrais dos Estudantes das Universidades Federais do Piauí, Mato Grosso do Sul e ABC, além da UnB e Unicamp.

Na Universidade Federal do Piauí (UFPI), a eleição ocorreu nos dias 14 e 15 de junho e teve a participação de 3.600 estudantes. Mesmo com toda a campanha de mentiras e despolitização promovida pela UJS, a Chapa 2 (Correnteza e Rua) venceu com 1.960 votos contra 1.722 da Chapa 1. “Essa foi a primeira eleição presencial do DCE após a pandemia e foi bastante desafiadora. Toda nossa militância se mobilizou para dialogar com os estudantes sobre as demandas da universidade, denunciar o novo teto de gastos e a falta de democracia interna na UFPI, já que, até hoje, estamos sob intervenção na Reitoria. Também defendemos aumento da segurança, a construção de um novo restaurante universitário, a reforma da residência estudantil e o aumento das bolsas”, explicou a estudante de História Thays Dias, eleita coordenadora do DCE.

Na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), a eleição do DCE terminou, no último dia 21 de junho, com a vitória da chapa “É Tudo Pra Ontem” (Correnteza, UJC e independentes). Ao todo, 1.162 estudantes votaram na Chapa 2, contra 524 votos da chapa encabeçada por UJS e PT. “Foi a primeira vez que o Correnteza disputou a eleição do DCE da UFMS, que estava sem eleições há quatro anos. Nosso desafio agora é fazer a luta pela permanência estudantil na capital e nos campi do interior, reorganizar as entidades de base e construir uma gestão participativa, democrática e de luta”, disse a estudante de História Izabella Britto, eleita vice-presidente.

Em São Paulo, na Universidade Federal do ABC (UFABC), a chapa “Estudantes na luta: por uma UFABC pintada de povo”, composta pelo Correnteza, Juntos, UJC e Travessia, venceu por 1.358 votos contra 584 votos da outra chapa. A presidente eleita do DCE, a estudante de Licenciatura em Ciências Humanas Kananda Alves, ressaltou que essa vitória foi resultado do trabalho de base que não deixou de ser realizado. “No último ano, continuamos fazendo o trabalho do movimento dentro da universidade, lutando por melhores condições de ensino e permanência e tocando a luta dos estudantes. Isso foi fundamental para que conseguíssemos voltar ao DCE”.

Já na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), uma das universidades mais importantes do país, o Correnteza chegou pela primeira vez à direção do DCE, em composição com o Juntos e a UJC. Na eleição, realizada no último dia 23 de junho, concorreram quatro chapas, e a chapa “É hora de lutar!” obteve 1.309 votos contra 261 votos da aliança entre UJS e PT. Nas palavras de Valentina Spedine, estudante de Ciências Sociais e militante da UJR, “a maioria dos estudantes aceitou nosso programa de luta e quer uma mudança verdadeira no movimento estudantil da universidade”.

Por fim, entre os dias 20 e 22 de junho, mais de 6.500 estudantes participaram da eleição para o histórico DCE Honestino Guimarães, da Universidade de Brasília (UnB). Com 4.047 votos (55,4%), a Chapa 3 “Ponta de Lança”, composta pela Associação de Acadêmicos Indígenas, Juntos, UJC, Manifesta e Correnteza, derrotou o chapão da majoritária da UNE (UJS, Levante, PT, PDT, PSB e Afronte), que obteve 2.846 votos.

Edson Victor, estudante de Filosofia e militante da UJR, afirmou que “esses votos são daqueles que acreditaram na mobilização. Essa gestão vai defender as pautas dos estudantes da universidade, em conjunto com os DAs e CAs. Vamos transformar o DCE Honestino Guimarães numa importante ferramenta de luta dos estudantes na capital do país”.

Para Isis Mustafa, secretária-geral da UNE e militante da União da Juventude Rebelião (UJR), “a eleição de diretorias de luta para esses DCEs expressa a vontade dos estudantes em mudar a educação e o Brasil. É muito importante a defesa de um programa que lute por mais verbas para a Educação, contra o novo teto de gastos proposto pelo governo e que não esconda que a luta principal da juventude hoje é por condições dignas de estudo, permanência e trabalho. Essas são as bandeiras que levaremos ao próximo Congresso Nacional da UNE”.

Matéria publicada na edição nº 274 do Jornal A Verdade.

Chapa vitoriosa na Universidade Federal do Piauí. Foto: JAV/PI
Chapa vitoriosa na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Foto: JAV/MS
Chapa vitoriosa na Universidade de Brasília (UnB). Foto: JAV/DF
Chapa vitoriosa na UFABC (UnB). Foto: JAV/SP

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes