UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 28 de maio de 2024

Nada mudou depois de 8 meses de aumento da passagem nos trens do RJ

No dia 2 de fevereiro deste ano, foi aprovado o aumento da passagem de trem para R$7,40, com a principal justificativa do aumento da inflação. Como esperado, o serviço não melhorou e cada vez mais a população sofre as consequências da ganância dos grandes empresários.

Maria Eduarda Araújo | Rio de Janeiro


BRASIL – No início do ano, acompanhamos filas enormes para habilitação do Bilhete Único Intermunicipal, centenas de trabalhadores na tentativa de continuar pagando 5 reais afinal a passagem altera com a inflação mas o salário permanece o mesmo. Agora, oito meses depois, o governo anuncia que o direito à passagem a R$5 só poderá ser concedido a quem recebe menos de R$3.200 e todos precisarão se recadastrar se quiserem continuar pagando mais barato. Mais uma expressão da tentativa de burocratizar o processo e lucrar em cima da desgraça do povo que tem como única opção o trem.

Com o aumento, quem antes gastava R$220 por mês para ir e voltar do trabalho, passa a gastar R$325,60, um valor absurdo que faz diferença no final do mês. Para aqueles que recebem um salário mínimo, o valor relativo da passagem é igual a 29% do salário, obrigando muitas pessoas a escolherem entre se alimentar, pagar uma conta ou conseguir trabalhar para garantir seu sustento. Dados da própria empresa apontam lucros anuais superiores a 40 milhões de reais. Enquanto a eles enchem os bolsos, para o povo só o descaso.

Intervalos de 40 minutos, trens superlotados impossíveis de entrar, escadas rolantes só de enfeite, fim do expresso Santa Cruz que acarreta horas a mais de viagem, suspensão de linhas da Baixada Fluminense durante finais de semana e feriados e ainda, das 104 estações, apenas 21 possuem banheiro. A atual situação é um caos, é a verdadeira realidade que reforça que quem lucra com nosso sofrimento não se preocupa com a vida dos seus passageiros.

Os donos da supervia não sobreviveriam um dia com esse transporte, mas submetem todos os dias milhares de pessoas a isso.‘ Não por acaso, segundo o ranking de atendimento ao cliente da IBRC, a supervia está na posição 169º, antepenúltimo lugar.

Chega de privatização

No início do ano, a empresa japonesa que controla o serviço de trens do Rio afirmou que não tem interesse em manter o contrato. Neste momento não podemos nos iludir com mais uma concessão, a solução é lutar pela reestatização.

Enquanto a gestão for privada, empresas milionárias farão de tudo para lucrar e deixarão o serviço cada vez mais caro e precário. Em São Paulo, a situação não é diferente, após o consórcio Via Mobilidade 8 e 9 assumir o controle de duas linhas, o tempo de espera aumentou e a qualidade caiu. Em Belo Horizonte, os prejuízos envolvem aumento da tarifa e demissões em massa.

O transporte público é a principal forma do brasileiro se locomover pela cidade, ele garante o direito à mobilidade urbana. No Rio de Janeiro, os trens são fundamentais para moradores da baixada fluminense e zona oeste terem acesso a serviços básicos e direito à cidade, por isso precisam atender às demandas do povo que está exausto do descaso diário.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes