UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 21 de junho de 2024

Pela aprovação da ADPF 442, pela Descriminalização do Aborto no Brasil!

Exigimos do STF a aprovação da ADPF 442 pela Descriminalização do Aborto no Código Penal Brasileiro.

Helena Sá e Juliana Melo| Movimento Olga Benario


No dia 12 de setembro a ministra do STF Rosa Weber, liberou para julgamento a ADPF 442, que tramita desde 2017 e visa a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação no país. Assim, a Frente pela Legalização do Aborto junto a vários movimentos de mulheres e partidos de esquerda, tem debatido ações de luta para pressionar pela aprovação da ADPF e, ainda, para lutar pela legalização do aborto. Mas afinal, qual a situação dos direitos reprodutivos no Brasil?

Nos últimos anos, a criminalização dos direitos reprodutivos tem sido colocada na linha de frente da política fascista. Recentemente, o Brasil se chocou com a história da menina de 11 anos de Santa Catarina, que teve o direito ao aborto legal negado por profissionais de saúde e da justiça, com uma grande agitação política fascista da então ministra da Mulher e da Família, Damares Alves, que parabenizou a conduta que impediu que a menina acessasse esse direito. Ainda, o Estatuto do Nascituro (PL 478/2007), proposto por deputados bolsonaristas, que pretende transformar aborto em qualquer circunstância em um crime hediondo, inclusive quando fruto de estupro. A assistência a vítimas de violência sexual sofreu uma série de ataques, e mais da metade dos serviços públicos que realizavam interrupções de gestação nas condições em que esta é legal foram fechados durante à pandemia. Além disso, Bolsonaro integrou o Brasil ao ‘Consenso de Genebra’ (2020), união de vários países cujo objetivo é restringir os direitos reprodutivos e a definição de família, que se alia a países conhecidos por violarem os direitos humanos e serem antidemocráticos.

Em 2023, apesar das vitórias como a derrubada das portaria 2.282/2020 e 2.561/2020, que estimulavam a criminalização de mulheres ao obrigar os profissionais de saúde notificarem às autoridades policiais em caso de realização de abortamentos de vítimas de estupro e a retirada do Brasil do Consenso de Genebra, ainda estamos longe de desfazer o retrocessos dos últimos anos. Mesmo com a troca de governo, a composição do congresso segue extremamente conservadora, fundamentalista e antiaborto.

No Brasil, o aborto é legalizado em três casos: se gera risco de vida à gestante, se é resultante de violência sexual ou quando o feto apresenta anencefalia. Mesmo com a proibição, milhares de mulheres realizam abortamentos todos os anos. Os dados mais recentes coletados pela PNA (Pesquisa Nacional do Aborto) de 2021 revelam que, no Brasil, 1 em cada 7 mulheres de até 40 anos já realizaram um aborto – anualmente 800 mil mulheres brasileiras interrompem uma gestação, sendo que 200 mil recorrem ao SUS para atendimento por complicações do abortamento.

A gestação indesejada é fruto de uma série de eventos relacionados diretamente com a falta de acesso à justiça reprodutiva: falta de acesso à educação sexual e aos métodos contraceptivos, machismo, coerção dos parceiros para a manutenção de relações sem preservativos, estupro, falta de hospitais públicos que realizem o procedimento nos casos previstos por lei – de acordo com o portal Mapa Aborto Legal, apenas 42 hospitais em todo o território nacional realizam o procedimento -, entre tantos outros motivos que precarizam e abreviam a vida das mulheres, em sua maioria racializadas e periféricas. Aborto realizado em condições inseguras é a quinta maior causa de mortes em nosso país, se apresentando enquanto um problema de saúde pública. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) em relatório de 2013, abortos realizados de forma legal e segura quase não apresentam risco.

As mais prejudicadas são as mulheres pretas, pobres e indígenas, que de acordo com estudo da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPE-RJ) de 2022, são as que possuem mais chance de serem presas por abortos ilegais. A criminalização ignora a falta de suporte social para a maternidade, para famílias e para crianças, como a carência de serviços públicos de saúde, creches e de assistência social, em especial nos territórios periféricos. Ao invés de investir em políticas públicas de educação sexual, métodos contraceptivos, gestação e nascimento saudáveis, o Estado opta por perseguir e encarcerar mulheres e pessoas que gestam.

O estigma da criminalização também impõe entraves nos casos de aborto legal, pois autorizá-lo em apenas algumas circunstâncias favorece interpretações restritivas das hipóteses legais, impondo-se barreiras que deslegitimam a decisão de interrupção nessas situações. Um exemplo: sabemos que crianças vítimas de violência sexual estão mais propensas em enfrentar obstáculos decorrentes da criminalização. Segundo o DATASUS, o Brasil tem cerca de 19 mil nascimentos, ao ano, de gestações advindas de crianças entre 10 e 14 anos – todos estes casos em que a interrupção é respaldada pela lei, visto que gravidez coloca a vida da criança diretamente em risco. A descriminalização é necessária para que ninguém tenha receio de procurar o serviço de aborto legal e todas as mulheres, meninas e pessoas que gestam tenham seus direitos assegurados.

O que é a ADPF 442 e qual sua importância para a vida das mulheres?

ADPF significa Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental e é apresentada ao Supremo Tribunal Federal quando há o entendimento de desrespeito a preceitos fundamentais da Constituição Federal. No dia 12 de setembro a ministra do STF Rosa Weber, liberou para julgamento a ADPF 442, que tramita desde 2017 e visa a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação no país. Sua aprovação será um passo importante na luta pelos direitos sexuais e reprodutivos de mulheres e pessoas com capacidade de gestar. O argumento principal é que os direitos das mulheres e pessoas que podem gestar são violados pela criminalização do aborto, o que torna os artigos do Código Penal inconstitucionais. Ou seja, ao criminalizar a interrupção da gravidez, fere-se os direitos à dignidade, à cidadania, direito de não ser discriminada, direito à vida, à igualdade, à liberdade, direito de não sofrer tortura ou tratamento desumano, cruel ou degradante, direito à saúde e ao planejamento familiar.

Se o parecer do julgamento for favorável, o Brasil será reposicionado mundialmente dentro da agenda de direitos reprodutivos e acompanhará as conquistas dos países latino-americanos como Uruguai, Argentina, Colômbia e mais recentemente México. 

Cabe às mulheres pautar descriminalização do aborto!

Porém, apesar da importante iniciativa, sabemos que o judiciário por si só é insuficiente, uma vez que o movimento ultraconservador vem atacando os direitos reprodutivos. Mas não faltam exemplos na América Latina do caminho a se seguir: 

Em 2022, após grande campanha popular organizada pelo Movimento Causa Justa, a corte colombiana julgou legal a interrupção voluntária da gravidez, sob o argumento que levar uma gestação indesejada adiante representa risco à saúde física e psicológica da mulher. Essa conquista representa um exemplo de que, com a luta das mulheres, é possível pressionar e pautar também o judiciário.

Na Argentina, para que fosse conquistada a legalização do aborto, as mulheres construíram grandes campanhas massivas, com encontros de mulheres anuais com mais de mil mulheres.

Assim, organizar um grande 28 de setembro com atos de rua é um passo fundamental para a descriminalização do aborto no Brasil. É preciso inserir o debate da justiça reprodutiva no cotidiano de nossas lutas, realizar panfletagens e agitações convidando mais mulheres a se somarem à nossa luta, realizando debates em universidades, bairros, locais de trabalho sobre a necessidade da descriminalização e legalização do aborto! A luta pela legalização do aborto é uma luta pela nossas vidas e um enfrentamento direto ao fascismo em nosso país, e por este motivo nós, Movimento de Mulheres Olga Benario, devemos nos colocar na linha de frente deste combate!

O direito de decidir não nos faz delinquentes! Nenhuma mulher ou pessoa que gesta deve ser presa, humilhada ou maltratada por realizar um aborto!

 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes