UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 26 de maio de 2024

A importância da Brigada do jornal na formação do revolucionário

É através das Brigadas que o militante se educa com o povo, ouvindo suas demandas, compreendendo sua consciência, aprendendo a despertar a revolta popular e a capacidade de transmitir da melhor forma o programa do Partido.

Jorge Ferreira | São Paulo


JORNAL  – Nos últimos 23 anos o Jornal A Verdade contribuiu com a formação de revolucionários e revolucionárias por todo o país. No início de nossa militância, todos aprendemos e concordamos com a importância de construir a imprensa do Partido. De imediato, cada militante retira sua cota de jornais e pode assim começar a contribuir com a propaganda do socialismo. No entanto, mais do que vender a cota individual, é necessário refletirmos sobre a importância da participação nas Brigadas do Jornal para a formação dos comunistas.

A cada quinzena acontece a Brigada Nacional, momento em que toda a militância se reúne nas praças, terminais de ônibus, portas de empresas, e nos bairros populares para levar as denúncias do nosso Jornal e ouvir a opinião dos trabalhadores. Expressando a indignação de quem vive os mesmos problemas do povo, os comunistas trabalham para esclarecer para a massa oprimida e explorada as razões de tanta miséria e desigualdade, denunciando os fascistas, a burguesia e a desumanidade do sistema capitalista. A agitação política viva e incendiária é uma das principais formas de atuar dos revolucionários para apresentar as ideias do poder popular e do socialismo.

Mas mais do que esclarecer a massa trabalhadora, a atividade de agitação contribui para a formação dos revolucionários. É também através das Brigadas que se educa com o povo, ouvindo suas demandas, compreendendo sua consciência, aprendendo a despertar a revolta popular e a capacidade de transmitir da melhor forma o programa do Partido. É nesse processo, em contato direto com os trabalhadores, que o militante comunista desenvolve as habilidades necessárias para se forjar um quadro dirigente da revolução socialista.

É comum os novos militantes, ainda que convencidos da importância da imprensa do Partido, não priorizarem a participação nas brigadas. Por vezes pode se tratar de camaradas tímidos que temem estarem presentes nas atividades e terem que falar em público. A esses camaradas, os militantes mais experientes devem prestar todo apoio para deixá-los à vontade de falar quando se sentirem preparados. Devemos incentivá-los a participar das brigadas, ainda que não façam agitação, pois podem começar acompanhando outros militantes, ajudando a distribuir os jornais, pegando novos contatos, e fazendo conversas individuais durante a atividade. Lembremos que os trabalhadores, oprimidos pelo sistema capitalista, são ensinados a ficarem calados e a abaixar a cabeça. Em geral, com poucas brigadas, esses militantes querem falar e expor para o povo também sua revolta, na medida que adquirem confiança.

Por outro lado, existem também os militantes que não vão às brigadas, mas não pela timidez, e sim pela baixa compreensão da importância da agitação política. Para superar essa debilidade, não há outro caminho que não seja a luta ideológica e o aprendizado das experiências revolucionárias. É imprescindível colocar o ponto do Jornal nas reuniões do coletivo e aprofundar a discussão. Ler o documento “Plano para o Jornal do Partido”, das edições Manoel Lisboa, é uma forma de iniciar o debate. Aprender com a experiência do Partido Bolchevique e a importância dos pravdistas (os brigadistas do Jornal Pravda) para a Revolução de 1917, é fundamental para elevar a consciência desses camaradas.

Por último, há ainda camaradas com muitos anos de militância que, ainda que tenham compreendido a importância das brigadas, acabam por secundarizar a própria participação nessa atividade. À esses companheiros e companheiras, é necessário reafirmar o que diz a companheira Claudiane Lopes, em seu artigo disponível no site do Jornal com o título “A Necessidade de Renovar a Nossa Militância”. Na verdade, recai sobre os camaradas mais experientes maior responsabilidade de formar, pelo exemplo prático, a nova geração de comunistas revolucionários. E ao abrir mão da participação nas brigadas, além de atrasarem a educação dos novos quadros, não contribuem para a profunda unidade de pensamento e de ação, princípios fundamentais para um partido que verdadeiramente queira fazer a revolução.

Camaradas, o povo brasileiro está cada vez mais consciente da necessidade de acabar com esse sistema que condena milhões de trabalhadores à fome, ao desemprego, ao desalento. Para dar conta de cumprirmos nossas tarefas, devemos acelerar a formação dos novos quadros, capazes de organizar as massas exploradas para a insurreição popular. Para isso, não podemos abrir mão da luta ideológica sobre a importância dos militantes participarem das Brigadas do Jornal, sejam novos ou antigos membros do Partido.

 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes