UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 13 de junho de 2024

FEPAL: “O direito à autodefesa dos palestinos”

Diante da ação de resistência organizada pelo povo palestino contra o Estado Terrorista de Israel e a cobertura enganosa feita pela mídia burguesa brasileira, reproduzimos abaixo, na íntegra, a nota da Federação Árabe Palestina do Brasil.


O direito à autodefesa dos palestinos

A resistência palestina lançou, hoje, 07 de outubro de 2023, uma operação de autodefesa, conforme garantido aos povos em condição de ocupação e colonização pela Resolução 37/43, da ONU, de 1982. Diante disso, esta Federação Árabe Palestina do Brasil afirma:

1. O autoproclamado estado de “israel” tem avançado na deterioração da vida e da paz na Palestina, impondo aos palestinos, na Cisjordânia e dentro das “fronteiras” de “israel”, um regime de apartheid. Aos palestinos de Gaza, um severo bloqueio que já dura 17 anos e que faz desta faixa palestina a maior prisão a céu aberto do mundo e o maior campo de concentração da história;

2. “israel” recusou todas as alternativas de paz ancoradas no consenso e no Direito Internacional, inclusive violando os Acordos de Oslo, mesmo que este não atendesse, de plano ou posteriormente, a todas as reivindicações históricas do povo palestino;

3. Neste momento, “israel” é governado pela mais extremista e fascista coalizão da história, com notórios e conhecidos supremacistas encabeçando ministérios que impactam diretamente na vida dos palestinos em toda extensão da Palestina Histórica, em especial o Ministro de Finanças, Bezalel Smotrich, e o ministro da “Segurança Nacional”, Itamar Ben-Gvir;

4. Este mesmo governo aprofundou as políticas da ocupação militar ilegal, do apartheid, da anexação e da limpeza étnica da Palestina;

5. “israel” aproveita de todos e quaisquer “oportunidades” para escalar a violência e continuar executando o projeto histórico do sionismo: a limpeza étnica da população originária, os palestinos, e a anexação de toda a extensão da Palestina Histórica para colocar em seu lugar um regime de apartheid e de supremacismo judaico;

6. Reiteramos o direto à autodefesa do povo palestino e pedimos ao mundo que pare a
máquina de guerra de “israel” imediatamente;

7. Buscamos uma solução que garanta a paz e a segurança na Palestina, com as premissas históricas básicas: o direito de retorno dos refugiados e a implementação de todas as resoluções da ONU ignoradas por “israel” e o fim do Apartheid. Só haverá paz na Palestina com a restauração dos direitos nacionais, civis e humanitários do povo palestino e restauração do Estado Palestino soberano, com Jerusalém sua capital.

Palestina Livre do Apartheid a partir do Brasil, 07 de outubro de 2023, 76º ano da Nakba.

Federação Árabe Palestina do Brasil (FEPAL)

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes