UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 25 de maio de 2024

Greve dos roteiristas de Hollywood denuncia o fracasso do capitalismo

Greve dos roteiristas expõe contradições do capitalismo que, através da indústria bilionária do cinema, desmascara a ideia de democracia perfeita dos EUA.

Clóvis Maia | Redação PE


TRABALHADOR UNIDO – Se tem uma coisa que sustenta o imaginário capitalista e vende a imagem de um falso paraíso é a Indústria Cultural. Por meio do Cinema, as produções de Hollywood consolidaram o status dos Estados Unidos como o maior país do mundo, democracia perfeita ou terra das oportunidades.  

Os EUA criaram propaganda sobre seu ideal de vida e o exporta para todo o mundo ao longo das últimas décadas. Hoje, com uma economia em frangalhos, milhares de estadunidenses passando fome, morando nas ruas e saqueando supermercados, a tão famosa propaganda ideológica não tem sido suficiente para manter a mentira.  

Uma das grandes denúncias do fracasso desse ideal de vida americano foi a recente greve nos estúdios de Hollywood, no coração da Indústria Cultural do capitalismo, que sempre fabricou verdadeiras peças publicitárias sobre o ideal de vida capitalista para o resto do mundo. Iniciada pelos roteiristas em maio deste ano e seguida pelos atores em junho, a classe artística estadunidense mostrou um lado nada glamouroso da Indústria Cultural cinematográfica.  Ganhando salários de miséria, ameaçados pelo uso da inteligência artificial nas produções e sem acesso à direitos básicos, o Sindicato dos Roteiristas de Hollywood (WGA, em inglês) convocou sua base de mais de 11 mil filiados e decidiram cruzar os braços, sendo seguidos pelos SAG-AFTRA (Sindicato dos atores, dubladores e artistas de rádio e televisão). 

A última vez que atores e roteiristas tinham entrado juntos numa greve foi nos anos 80, justamente para garantir direitos trabalhistas.  Apesar da mídia tentar esconder a mobilização, sobretudo por meio do lobby do sindicato dos grandes estúdios e canais de TV (AMPTP, em inglês), artistas como Jamie Lee Curtis e Matt Damon, entre outros deram visibilidade aos atos de protesto, chegando a arrecadar 15 milhões de dólares em doações para ajudar os roteiristas em dificuldade durante a greve. 

Escritores como Neil Gaiman e George R. R. Martin, autor dos livros que inspiraram a série Game of Thrones, também decretaram greve e fortaleceram as mobilizações. Em seu blog pessoal, Martin chegou a dizer que essa era a greve mais importante de sua vida, ele que é sindicalizado desde os anos 80. Com a pressão das redes sociais e apoio em massa das categorias, os estúdios tiveram que ceder e negociar com os roteiristas o fim da greve, que foi anunciado neste dia 27 de setembro.  A dos atores continua, mas tem a tendência de seguir o mesmo caminho. 

A Indústria Cultural e a sede por lucros

Com a repercussão da greve, a extrema direita americana, claro, tentou deslegitimar a reivindicação, alegando, sobretudo, que os atores hollywoodianos ganham muito bem. A verdade é que uma série de trabalhadores dessa indústria são assalariados e, com a disputa entre Cinema e Streamings, a exploração atingiu os diversos ramos dessa categoria. Segundo dados levantados pelo The Guardian, a receita dos estúdios subiu 40% nos últimos dez anos, enquanto a média dos salários dos roteiristas, por exemplo, caiu 4%. 

Um grande exemplo dessa exploração são os chamados pagamentos residuais para atores e roteiristas, que ganham para escrever e atuar nos filmes e séries, mas pouco recebem (quando recebem) pelo uso posterior de seus trabalhos nos Streamings, que lucram com a reprodução dessas obras em suas plataformas de assinatura. 

Um exemplo que ajuda a entender o tamanho do lucro dessas empresas é o da Netflix. Presente em mais de 190 países, esse é o maior Streaming da atualidade e divulgou que obteve um lucro líquido de US$1,3 bilhão no 1° trimestre desse ano. O cinema arrecadou 26 bilhões de dólares só em bilheteria em 2022 (relatório da Gower Street Analytics) com filmes como Avatar: o Caminho da Água, que bateu, sozinho, US$1 bilhão em 2022. A Netflix, aliás, possuía 238,39 milhões de assinantes ao redor do mundo em junho deste ano. 

Difundindo a ideologia dominante

Numa sociedade, as relações econômicas vão determinar o seu caráter e seu perfil, sendo assim, a Cultura, o Direito, as leis e a educação serão reflexos desse sistema, difundido suas principais aspirações.  A Indústria cinematográfica hollywoodiana sempre fez questão de exportar essa ideologia, chegando até a esconder fatos históricos para manter sua narrativa.  É por esse motivo que a gente sempre se depara com um herói individual, solitário, pronto para ‘salvar o dia’ e resolver tudo sozinho, ou as grandes mentiras como a vitória dos EUA na guerra do Vietnã, ou os bandidos dos filmes serem sempre russos, norte-coreanos ou chineses. 

A propaganda capitalista de que ele é um sistema superior e infalível sempre foi a tônica da maioria das produções de sucesso internacional, coisa que a greve questionou todo o tempo, ou seja, a máquina de propaganda capitalista só produz mentiras e essas mentiras vão ficando cada vez mais evidentes quando vemos donos de grandes empresas como a Netflix,  Disney, Amazon, HBO, Universal Pictures, Warner Bros, FOX, Paramount e outros lucrarem explorando quem trabalha sem a garantia de mínimas condições de trabalho e renda para manter uma fábrica de propaganda mentirosa sobre um modelo social fadado, cada vez mais, ao fim.

 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes