UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 26 de maio de 2024

MC Demo lança seu primeiro Álbum ‘Ritmo, Poesia e Revolução’.

‘Ritmo, Poesia e Revolução’, álbum de estreia de MC Demo, é lançado em 2023. A valorização da cultura popular deve fazer parte do processo revolucionário, especialmente quando esta é guiada pelos ideais comunistas. 

Chico Mello | Recife


CULTURA – Construir uma cultura transformadora, a serviço da educação popular e que faça evoluir a consciência proletária é uma das tarefas fundamentais dos que lutam por uma sociedade livre e justa. As artes formadas nos movimentos sociais como as batalhas de Rap, por exemplo, representam o desenvolvimento dessa consciência, decorrente da luta contra a exploração e a violência capitalista. Foi neste cenário que Jailson Davi, o MC Demo, concebeu sua militância na cultura e lançou o seu primeiro álbum ‘Ritmo, Poesia e Revolução’ em que ele dedica “aos que lutam pelo socialismo, em especial os marxistas-leninistas do Brasil”.

O ‘Demo’, que vem de Democracia, é conhecido há mais de 15 anos de atuação no Rap, trajetória que começou nas batalhas de Olinda e Recife, aprofundando nas passeatas em defesa da educação pública, contra o aumento das passagens, onde o artista iniciou sua militância como diretor de cultura da União dos Estudantes Secundaristas de Pernambuco (Uespe). A música também esteve presente nas coletas de assinaturas em apoio à legalização da Unidade Popular pelo Socialismo (UP) onde Jaílson se destacou em Pernambuco entre os maiores coletores de assinaturas. 

Ritmo reativo, poesia subversiva, revolução coletiva 

O trabalho se concretizou durante a pandemia de Covid-19, produzido por Matheus Carvalho, músico e produtor cultural do sertão pernambucano, que participa dos vocais na música Jogo do Bicho, além dos rappers GB Montsho, do Rio de Janeiro, na faixa Em resposta à impunidade, e Davi Perez, de Santa Catarina, em Coração Vermelho, um manifesto musical para a resistência, um chamado para a luta. 

Com espírito de revolta na entonação e rebeldia nas letras, Demo combate o racismo, denuncia a fome e a devastação capitalista da natureza, fortalece a luta pela moradia, pelo poder popular e celebra a vida de heróis do povo brasileiro nas 15 faixas do álbum. Demo diz que “a proposta é de instigar as massas à luta partidária com a agitação e propaganda do socialismo, inflamar a militância, manter a alma revolucionária viva, sem guerra entre povos, nem paz entre as classes”, a fim de ser consciente das magnitudes, variedades e dificuldades do papel principal do Partido na construção da “arte que deve temperar as massas com consciência de classe para a construção do socialismo”, como já disse Enver Hoxha, revolucionário albanês.

Mãos do Proletariado, música de abertura, Falha na Matrix e Manoel Lisboa defendem o socialismo científico, além do resgate pelo Direito à Memória, Verdade e Justiça e combate ao fascismo com punição aos torturadores de ontem e de hoje. Decapita, Genocida, Genocídio Yanomami e Em resposta à impunidade são crônicas dos últimos quatro anos de governo fascista de Jair Bolsonaro, exigindo punição exemplar do ex-capitão e de seus cúmplices. Os beats (batidas e melodias eletrônicas) do Rap e do Trap trazem o som do lamento, rebeldia e resiliência da periferia, herdando timbres e ritmos do Hip-hop, que influenciou gerações de crianças, jovens e adultos das margens metropolitanas precarizadas.

Valorizar nossa cultura popular

Artistas como Demo têm o objetivo de traduzir na cultura popular a força coletiva e os diversos papéis que o ser humano assume na busca pela liberdade, afirmando a própria vida como uma atividade de criação, assimilando a evolução da consciência proletária e das expressões artísticas às lutas e esforços feitos pelo nosso povo e pela vanguarda revolucionária, além de reforçar que o artista é fruto da luta popular, nascido no meio do povo. 

Com a produção cultural nas mãos da classe dos ricos, vemos estes recorrendo a explicações fantasiosas dos fenômenos da natureza e da sociedade, a fim de conservar a classe oprimida em superstições e preconceitos, aliená-la de sua força social com ideologias individualistas, meio a tantas outras formas de afastar o povo trabalhador de sua natureza humana e coletiva. Já a cultura artística popular amplia suas características inovadoras e alcança um nível expressivo das relações e espírito humanos quando incorpora um conteúdo revolucionário e é guiada pelos ideais comunistas.

O povo trabalhador, com sua ideologia revolucionária, com sua ciência de vanguarda na luta de classes, com o socialismo, constrói o caminho do poder popular com sua consciência de classe, algo que é expresso na cultura popular. Demo reafirma essa necessidade por uma nova sociedade, socialista, onde a cultura se desenvolve de forma pura e profundamente humana, seguindo a transformação revolucionária da nação passo a passo, acumulando as qualidades históricas do povo. 

A arte vive no conjunto do povo, exprime os problemas das pessoas, suas alegrias e tristezas, suas vitórias e derrotas, sentimentos e experiências. MC Demo assimila isso a seu trabalho, representando os esforços da militância artística em semear a cultura revolucionária no campo, na cidade, nas periferias, favelas e fronteiras, e que será colhida na autodeterminação dos povos, livres de exploração, na sociedade socialista.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes