UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 24 de abril de 2024

Em eleições esvaziadas, candidato fascista vence eleição na Argentina

Cerca de 60% do total de eleitores não votaram no candidato fascista Javier Milei. Apoiado pela direita tradicional e empresários milionários, Milei defende a venda de órgãos e o fim da educação e saúde públicas na Argentina.

Felipe Annunziata | Redação


INTERNACIONAL – Cerca de 35 milhões de argentinos foram convocados às urnas hoje (19) para participar do 2º turno das eleições presidenciais. Disputaram o cargo o peronista Sergio Massa e o fascista Javier Milei. Marcado por uma participação baixa, em torno de 77% do eleitorado, o fascista saiu com mais votos. 

Estas são as eleições com uma das participações mais baixas desde que a democracia foi restabelecida na Argentina, há 40 anos. O povo argentino vive hoje sob uma conjuntura de grande dificuldade econômica, com inflação anual de mais de 140%, além de um grande desemprego e uma dívida com o FMI que impôs ao governo condições draconianas de pagamento.

O movimento peronista, que reúne políticos sociais-democratas e conservadores, esteve no governo com Alberto Fernandez nos últimos 4 anos e não conseguiu dar resposta a esses problemas. Ao mesmo tempo, durante a campanha o candidato peronista apostou ainda mais na conciliação de classes e não apresentou uma alternativa de ruptura com a situação imposta aos argentinos pelos credores internacionais.

O candidato fascista tampouco apresentou qualquer resposta decente à situação. Milei propõe privatizar o sistema de saúde, de educação e dolarizar a economia, isto é, acabar com a moeda nacional e o Banco Central Argentino e colocar o dólar estadunidense no lugar, entregando a economia do país completamente aos EUA,

Milei também defende as visões mais autoritárias do neoliberalismo e tem entre seus coligados saudosistas da Ditadura Militar Fascista argentina (1976-1983), que deixou mais de 30 mil mortos.

Aos argentinos se impõe agora um novo período de lutas, onde é preciso romper de vez com a conciliação de classes proposta pelo peronismo e construir uma alternativa revolucionária, que tenha condições de melhorar de forma real as condições de vida do povo trabalhador daquele país. Aos demais povos latino-americanos, especialmente nós brasileiros, será necessário uma ampla rede de solidariedade ao povo argentino dando apoio aos enfrentamentos aos futuros crimes que o futuro presidente fascista com certeza cometerá.

Outros Artigos

2 COMENTÁRIOS

  1. Há algo muito claro na eleição do Milei.
    A tentativa desesperada da direita de todo o mundo e também da burguesia, diante do avanço da miséria e problemas climáticos de se perpetuar nos seus ninhos mais conhecidos tanto na América Latina, quanto na Europa, no exemplo de Portugal, vamos ver o acirramento de relações entre o Brasil e seus aliados históricos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes