UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 28 de maio de 2024

Hitler queria exterminar judeus e comunistas, Netanyahu quer exterminar povo palestino

Por que tanta maldade contra os palestinos? O objetivo desse genocídio não é acabar com o Hamas, movimento islâmico que governa a Faixa de Gaza, mas tomar posse das terras palestinas e das suas riquezas para tornarem-se propriedade privada de grandes empresas capitalistas israelenses e estadunidenses.

Luiz Falcão | Comitê Central do PCR


EDITORIAL – Há cerca de um mês que, a cada dois minutos, bombas incendiárias e de fósforo são lançadas sobre 2,3 milhões de palestinos, na Faixa de Gaza. Metade destas pessoas tem menos de 13 anos. A consequência é uma carnificina: mais 4.000 crianças palestinas mortas e mais de 7.000 feridas, informa o Ministério da Saúde da Palestina.

Mas o terrorismo do Estado de Israel não tem limites. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), os bombardeios israelenses destruíram 45% das residências; 76 hospitais e centenas de escolas e milhares de corpos despedaçados são encontrados e colocados em valas comuns.

A Organização Médicos da Fronteira (MSF) denunciou que, por falta de analgésicos, crianças feridas estão sendo operadas sem anestesia, pois Israel proíbe a entrada na Palestina de água, remédios, alimentos e gás. 

Todos esses crimes de guerra cometidos pelo governo terrorista de Benjamin Netanyahu são apoiados pelos EUA e seu presidente Joe Biden, que, achando pouco as bombas atômicas que Israel possui, enviou dois modernos porta-aviões, centenas de aviões de caça e assessores militares para garantir o extermínio de um povo.

Mas por que tanta maldade contra os palestinos? O objetivo desse genocídio não é acabar com o Hamas, movimento islâmico que governa a Faixa de Gaza, mas tomar posse das terras palestinas e das suas riquezas para tornarem-se propriedade privada de grandes empresas capitalistas israelenses e estadunidenses.

A Palestina vive

Mas, para desespero dos terroristas de Israel e das grandes companhias privadas de petróleo, o povo palestino resiste e luta pela sua pátria. Se antes dos ataques terroristas de Israel o Hamas tinha apoio na Faixa de Gaza, agora, os palestinos que vivem na Cisjordânia declaram seu apoio ao movimento e fortalecem a guerrilha contra a ocupação israelense.

Numa grande vitória do povo palestino, a Assembleia Geral da ONU aprovou por 120 votos contra 14 (entre eles, Israel e EUA) uma trégua humanitária para deter o genocídio. Até França, Alemanha e Inglaterra se viram obrigadas a apoiar um imediato cessar-fogo humanitário e, em todo o mundo, as manifestações se espalham em apoio à causa palestina e contra a covarde agressão de Israel.

Porém, assassinos não dão ouvidos a apelos humanitários e Netanyahu e Joe Biden ordenam que a matança continue. Insistem que o povo palestino abandone suas terras, seus parentes, suas famílias, seu país para as grandes corporações multinacionais se apoderarem do lar palestino. Há séculos, o povo palestino luta para ter direito a um Estado, enfrentou diversas guerras e bombardeios e provou, ao longo de sua história, que nenhuma força pode destruir a nação palestina.

Abaixo o terrorismo de Israel e dos EUA!

Viva a Palestina!

Editorial publicado na edição nº 282 do Jornal A Verdade.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes