TwitterFacebookGoogle+

Os conceitos e a inovação de “A Ideologia Alemã”, de Karl Marx e F. Engels

O livro A Ideologia Alemã, uma das muitas parcerias de Karl Marx e Friedrich Engels, foi escrito entre 1845 e 1846 como resposta aos jovens hegelianos de esquerda, de quem Marx viria, em breve, a se dissociar. Uma profunda crítica ao idealismo vigente e que ainda hoje é uma das principais referências do materialismo dialético marxista. A obra, entretanto, só viria à luz nos anos 1930, quando publicada na União Soviética.

Conceitos presentes no livro se tornaram pontos basilares da teoria criada pelos dois filósofos que revolucionaram a maneira de interpretar e transformar a realidade. Em tempos de antimarxismo e de ataques à própria filosofia marxista como ferramenta de análise fundamental, é muito importante que nos voltemos a tais concepções chaves.

Ideologia e Direito

Para Marx e Engels, o Estado, no capitalismo, é o propagador da vontade das classes dominantes, que dá forma política aos interesses desta classe por meio da lei. “Como o Estado é a forma na qual os indivíduos de uma classe dominante fazem valer seus interesses comuns e que sintetizam a sociedade civil inteira de uma época, segue-se que todas as instituições coletivas são mediadas pelo Estado, adquirem por meio dele uma forma política. Daí a ilusão, como se a lei se baseasse na vontade e, mais ainda, na vontade separada de sua base real [realen], na vontade livre” (p. 76).

A Ideologia seria, dentro deste processo, a vontade da burguesia como vontade geral, o estabelecimento dos interesses da burguesia como interesses da sociedade. Assim, o Direito numa sociedade de classes não é neutro, como muitos pretendem.

Ao contrário, Ideologia e Direito estão interligadas. A ideologia da classe dominante perpassa todos os aspectos da sociedade, dando-lhes uma coesão artificial, que permite uma administração da luta de classes, das relações familiares, trabalhistas, até os problemas jurídicos. A ideologia dominante está reproduzida em todas as “relações de poder” da sociedade, do Estado até a família.

Materialismo Dialético

Segundo Marx e Engels, “os homens são os produtores de suas representações, de suas ideias e assim por diante; mas os homens reais, ativos, tal como são condicionados por um determinado desenvolvimento de suas forças produtivas e pelo intercâmbio que a ele corresponde, até chegar às suas formas mais desenvolvidas. A consciência [bewusstsein] não pode jamais ser outra coisa do que o ser consciente [bewusstesein], e o ser dos homens é o seu processo de vida real”. Ou seja, a base para a construção das ideias é a vida social.

Sobre essa concepção materialista da realidade, os autores afirmam: “Totalmente ao contrário da filosofia alemã, que desce do céu à terra, aqui se eleva da terra ao céu. Quer dizer, não se parte daquilo que os homens dizem, imaginam ou representam, tampouco dos homens pensados e representados para, a partir daí, chegar aos homens de carne e osso; parte-se dos homens realmente ativos e, a partir de seu processo de vida real, expõe-se também o desenvolvimento dos reflexos ideológicos e dos ecos desse processo de vida. Também as formações nebulosas da cabeça dos homens são sublimações necessárias de seu processo de vida material, processo empiricamente constatável e ligado a pressupostos materiais”.

Assim, o estudo da sociedade é feito a partir de suas inteirações internas e contradições estruturais, da forma como todas as estruturas modificam-se mutuamente. A análise marxista da realidade é a percepção de que todo estudo sobre as sociedades humanas, em seu nível social ou cultural, deve sempre partir da percepção de que tais processos são produtos da interação dos seres humanos com o meio social em que vivem, em sua materialidade e historicidade, e deve partir deste ponto, do contexto em que tais representações foram criadas.

Marx e Engels criticam os filósofos idealistas alemães por inverterem esse processo ou abstrair o mundo às ideias humanas, sem levar em conta o contexto em que surgiram, isto é, de forma não-histórica. Antes de analisar o antropocentrismo renascentista ou os movimentos românticos, por exemplo, como “as luzes de suas épocas”, deve-se contextualizar tais movimentos, localizar seus agentes em relação dialética com a sociedade em que viviam e, daí, analisar seus ideais.

Uma expressão filosófica dessa forma de análise da sociedade são os conceitos de infraestrutura e superestrutura, em que a primeira abstrai os meios materiais de existência (Natureza como valor de uso, tal como Marx viria a escrever, anos depois, na Crítica do Programa de Gotha), a transformação destes por meio das forças produtivas dos seres humanos e as relações econômicas da sociedade e seus conflitos, enquanto a superestrutura seria o aparato político-ideológico.

As contradições da infraestrutura levam a tremores na superestrutura, tremores estes causados pela luta de classes, que a superestrutura administra com o monopólio da força, dos meios jurídicos (ver Estado e Forma Política, de Alysson Leandro Mascaro) e controle ideológico.

O materialismo dialético analisa a ideologia não apenas em si mesma, mas em conversação com as condições materiais e históricas (interligadas em Marx) que se perpassam mutuamente e se tornam possíveis. A desmistificação das ideologias precisa ser crítica, não pode isolá-las do resto da sociedade para serem estudadas, mas devem ser vistas em suas relações e condições de reprodução no meio social.

Na análise materialista da realidade humana, o trabalho ocupa um papel central e norteador. É por meio dele que os seres humanos criam, a partir da natureza e seus valores de uso, condições para sua existência e, sobre ele, constroem relações econômicas, sociais e culturais, representações de mundo e de si mesmos. Porém, não é um elemento harmonioso da sociedade, é um local de relação de poderes, transpassado por conflitos, interesses autoexcludentes.

No trabalho é feita uma releitura do conceito de alienação de Hegel, para quem a consciência se torna apenas contemplativa, não reconhecendo e compreendendo. A alienação ganha contornos mais materiais em Marx e Engels. A alienação do trabalho se dá quando o trabalhador não é portador dos meios de produção de seu ofício e não se reconhece no produto que dele resulta, assim como é obrigado a vender sua força de trabalho a outrem, sendo o próprio trabalhador transformado em mercadoria.

Assim, o materialismo dialético propõe a análise das ideias, instituições, discursos e conceitos em relação a suas condições materiais e históricas (coisa que Foucault viria a fazer com maior detalhe no campo do discurso, embora tenha, em vida, abominado os marxistas).

Dessa forma, Marx e Engels transformam o princípio dialético hegeliano da Ilusão, que consiste em “tomar as coisas pela sua forma de aparição e/ou ver as coisas totalmente separadas de sua forma de aparição”, na práxis da “não há prática sem teoria, nem teoria sem prática”, construindo uma inovação que praticamente fundou a sociologia e a qual os historiadores ainda hoje muito devem, embora tenham transformado Marx em um “cachorro morto que todos chutam”.

Marx e a História

Para os hegelianos a História é a história das ideias, que são o “espírito que guia o mundo” e suas manifestações. Marx e Engels invertem esse sistema. Para eles tudo é histórico, e a História está ligada às relações sociais e as representações que desta surgem.

“O primeiro ato histórico é, pois, a produção dos meios para a satisfação dessas necessidades, a produção da própria vida material, e este é, sem dúvida, um ato histórico, uma condição fundamental de toda a História, que ainda hoje, assim como há milênios, tem de ser cumprida diariamente a cada hora, simplesmente para manter os homens vivos. Mesmo que o mundo sensível, como em São Bruno Bauer, seja reduzido a um cajado, a um mínimo, ele pressupõe a atividade da produção desse cajado”.

Os conceitos filosóficos e as formas de estudar as sociedades humanas não podem perder tais elementos de vista, pois a História nasce dessas relações, que são, por sua vez, relações históricas (prática e teoria mantêm relação dialética).

O estudo de A Ideologia Alemã nos mostra toda a superioridade da doutrina marxista do materialismo dialético e é, até hoje, uma importante arma na luta contra a burguesia e sua ideologia.

Sued Carvalho, militante da União da Juventude Rebelião no Ceará

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
24

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações