TwitterFacebook

Trabalhadores presos por retirar alimentos que seriam jogados no lixo

TerceirizaçãoTrês trabalhadores terceirizados da Ultraserv*, Cláudio Charles Gonçalves, de 33 anos, Diogo Cardoso, 27, e Marcos Paulo, 24, foram retirados de camburão do seu local de trabalho.

O suposto crime desses trabalhadores foi retirar do descarte (comida que todo dia é jogada no lixo pela empresa) dois ou três frangos, algumas barrinhas de chocolate quebradas e um pouco de iogurte fora da validade, que já estavam nas sacolas de lixo. Achando um desperdício, Diogo recolheu o frango do lixo e chamou seus amigos para dividir.

Ao final do expediente, por orientação da dona da Ultraserv, os trabalhadores foram postos em fila indiana e revistados um a um. O que ocorreu a seguir foi a prisão de Cláudio, Diogo e Marcos, acusados pela empresa de roubo. Levados à delegacia foram indiciados. No dia 28 de agosto foi decretada a prisão preventiva dos três trabalhadores, dos quais apenas Cláudio Charles foi localizado, levado preso para a 54ª DP e transferido no dia seguinte para Bangu 1, presídio que abriga os mais perigosos foras-da-lei do Rio de Janeiro. Mais uma vez a justiça dos ricos e poderosos mostra realmente a quem serve.

Desde o inicio desse absurdo cometido pela Ultraserv, com a conivência da Petrobras, o Sindipetro\RJ vem denunciando e tornando a luta pela liberdade e pela retirada das acusações aos três trabalhadores uma luta nacional.

A solidariedade dos trabalhadores da Ultraserv aos 3 companheiros foi concretizada no dia 29. Organizados pelo Sindipetro, fizeram uma paralisação de 24 horas. No dia 06 de setembro, para aumentar a pressão, o Sindipetro realizou outra manifestação, dessa vez em frente ao prédio sede da Petrobras, e contou com a presença do Movimento Luta de Classes – MLC, da Associação dos Estudantes Secundaristas – AERJ e do candidato do PCR a vereador, Esteban Crescente.

A luta pela liberdade dos três companheiros é a luta contra a criminalização da fome. São vários os relatos e prisões ocorridas em nosso país de trabalhadores que, para saciar sua fome e de seus filhos, apenas pegam o que é seu por direito, comida.

Da mesma forma, é fundamental acabar com as terceirizações, barrar o PL do deputado Sandro Mabel, que leva as terceirizações às áreas fins da produção, e garantir salários e dignidade aos trabalhadores.

Desde o inicio das terceirizações, diversas empresas tem atuado na Petrobras. Em 2001, a plataforma P-36 afundou e constatou-se que um dos motivos foi o elevado número de trabalhadores terceirizados na área fim da empresa, ou seja, direto na extração do petróleo.

As empresas terceirizadas recebem o triplo do que é pago aos trabalhadores pela execução do trabalho, descontam e não depositam INSS e FGTS, negam 1/3 das férias e o décimo terceiro salário. Organizar os trabalhadores terceirizados é uma prioridade. Lançar campanhas para que as empresas contratantes das terceirizadas absorvam estes trabalhadores em seu quadro funcional, acabando com essa sangria de dinheiro público para a iniciativa privada.

Os verdadeiros ladrões são os donos das empresas terceirizadas e os corruptos ligados a eles. Esses é que merecem a prisão.

Vanieverton Anselmo, membro da Coordenação Nacional do MLC

* Empresa que serve as refeições no Cenpes (Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobrás)

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
1027
dsq_thread_id:
864704881

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações