UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 26 de novembro de 2022

Militares, partidos de direita e empresários dão Golpe de Estado na Bolívia e Evo Morales renuncia à Presidência

Oposição de direita, com apoio dos Estados Unidos, promove ações violentas para derrubar presidente Evo Morales, após sua reeleição. 

Paulo Henrique Rodrigues
Rio de Janeiro


Foto: Reprodução/Reuters

BOLÍVIA – Pressionado pelo crescimento de movimento golpista, o presidente boliviano Evo Morales anunciou ontem (09/11) a realização de novas eleições no país. Evo venceu o pleito realizado em 20 de outubro passado, mas os resultados passaram a ser imediatamente contestados pela oposição. As pressões golpistas partem principalmente das cidades de Santa Cruz, Cochabamba e Potosí.

A violência dos protestos já resultou em ao menos três mortes. Em Cochabamba, um grupo de opositores invadiu a prefeitura e levou à força a prefeita Patricia Arce, do Movimento ao Socialismo (MAS), partido de Evo, que foi agredida e pintada de vermelha para ser humilhada em público em frente ao prédio da prefeitura, que foi incendiado pelos golpistas.

Na última sexta (08/11), a situação se agravou quando unidades policiais se rebelaram em Santa Cruz, Cochabamba e Sucre, se negando a reprimir as manifestações contra a vitória de Evo nas eleições. A antecipação em três dias da divulgação da auditoria realizada pela Organização dos Estados Americanos (OEA) nas eleições também faz parte dos planos golpistas.

A pressão pela saída de Evo Morales do governo contrasta com o forte crescimento econômico da Bolívia – o maior da América Latina – e com a melhora das condições de vida do povo.

O núcleo da oposição é o Comitê Cívico de Santa Cruz, liderado por Fernando Camacho, que vem concentrando suas ações no sentido de ganhar a polícia e as forças armadas bolivianas para o golpe. Camacho, conhecido como “Macho Camacho”, é um conservador radical e racista e foi quem liderou a denúncia de fraude nas eleições que levou às manifestações da direita, à interferência da OEA e ao atual recuo de Evo Morales, aceitando convocar novas eleições.

Todos os ingredientes mostram que se trava na Bolívia uma tentativa de reverter tanto a soberania crescente do país e seu crescimento econômico e social,  como o avanço da esquerda na América Latina, que vem ocorrendo da Argentina ao Equador, passando pelo Chile.

A tentativa de golpe em marcha tem todas as digitais do império estadunidense e precisa ser confrontada por todas as forças progressistas do continente e do mundo.


ATUALIZAÇÃO – 10/11: 18:48

MILITARES, PARTIDOS DE DIREITA E EMPRESÁRIOS DÃO GOLPE DE ESTADO E EVO MORALES RENUNCIA À  PRESIDÊNCIA

Foto: Reprodução/AFP

Chefe das forças armadas bolivianas, além dos líderes de partidos de direita exigiram hoje (10) a renúncia do Presidente Evo Morales. A situação no país vem se agravando há 2 semanas na esteira dos questionamentos à reeleição de Evo para um novo mandato.

Mesmo com o presidente boliviano anunciando novas eleições, como a própria direita vinha pedindo, grupos armados sequestraram no dia de hoje parentes de dirigentes do governo e do parlamento ligados ao Movimento ao Socialismo (MAS), partido de Evo Morales. Esta situação já provocou a renúncia do Presidente da Assembleia Plurinacional da Bolívia e do Ministro de Energia, segundo a rede de notícias CNN.

Este golpe vem na esteira da reação da extrema direita e de setores ligados ao imperialismo norte-americano ao avanço dos movimentos populares na América Latina como vem ocorrendo nos últimos meses.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes