UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 26 de novembro de 2022

Moradores de Rocha Miranda lutam por permanência de cinema popular

RESISTÊNCIA. Moradores promovem ato em frente ao antigo Cine Guaraci (Foto: Movimento Cine Guaraci Vive)

Em Rocha Miranda, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro, o Cine Guaraci foi parcialmente destombado, por uma iniciativa do vereador Jair de Mendes Gomes (PROS),  e está prestes a se tornar uma loja de departamentos da rede Nalin. 

Luiz Otavio Burity
Rio de Janeiro


CULTURA O cinema, desativado há pouco mais de 40 anos, possui uma importante e valorosa história no subúrbio carioca. Os cinemas de rua eram locais onde as pessoas se encontravam e difundiam a cultura e sua influência em diversas vertentes.

Em resposta ao descaso, moradores criaram o Movimento Cine Guaraci Vive, uma articulação entre artistas locais e organizações do setor cultural da região.

A burguesia destrói tudo aquilo que eleve o senso crítico da classe trabalhadora e, principalmente, o da juventude, que possui tudo que eles mais temem: a rebeldia e a esperança.

Arrancam o lazer, sucateiam a educação, extirpam a cultura e escondem a história dos nossos povos. Aqueles que verdadeiramente foram os heróis da nação são invisibilizados e tudo o que diz respeito ao bem estar social é ceifado do convívio comunitário. 

Essa contradição fica evidente pelo fato da classe dominante focar somente no lucro e nunca no bem estar do povo. A verdade é que a cultura possui incentivo financeiro somente nas zonas mais ricas e influentes da cidade, como no Centro e na Zona Sul. 

Dessa forma, os moradores da periferia precisam se deslocar durante horas em um transporte público precário para assistir a um espetáculo de teatro ou assistir a um filme. Excluem os espaços de lazer e entretenimento para a classe trabalhadora, pois desde que trabalhem e consumam, está “tudo bem”.

Comunidade reivindica construção de centro cultural no espaço do antigo cinema (Foto: Reprodução)

Valorizar a cultura popular

É necessário se colocar nos espaços de mobilização e articulação para a permanência desses espaços A cultura é um elemento central na constituição do indivíduo. Além da formação crítica, gera emprego e renda, saberes, conhecimento, entretenimento e lazer ao povo.

A luta do Movimento Cine Guaraci Vive ocorre para que a obra seja suspensa de maneira definitiva e o espaço volte a ser tombado e transformado em um centro cultural para a região, onde, além de atrair mais pessoas de outros lugares, incentiva o comércio local, gera emprego e, consequentemente, a área se torna mais valorizada.  

Os integrantes do movimento já pensaram e integraram diversas ações, entre elas, a coleta de assinaturas em praças e parques do subúrbio, como o Parque Madureira, intervenções culturais com organizações parceiras, atos em defesa da cultura e do Cine Guaraci. 

Quando vamos debater cultura na cidade maravilhosa temos que nos perguntar: “maravilhosa para quem?”. A resposta é clara: somente quem tem dinheiro e não precisa se preocupar se vai ter o que comer no dia seguinte tem acesso à uma cultura de qualidade, educação e conhecimento.

Movimento luta em defesa da cultura no subúrbio

A proposta do movimento é incentivar o movimento cultural no subúrbio, seio da classe trabalhadora fluminense. É necessário promover atividades lúdicas e artísticas, mas também que atendam as necessidades da juventude daquela área, que aumente a perspectiva de vida desses jovens.

“Queremos um bairro vivo, a cultura é o passo principal para que as pessoas de um lugar possam viver para além de trabalhar. Não nascemos apenas para ser mão de obra, temos direito à arte e lazer. E junto disso, vem tudo de melhor!”, disse Tainá Andrade, coordenadora do movimento, quando questionada acerca do impacto gerado pela construção de um centro cultural e não de uma loja de departamentos. 

Fica clara a importância da mobilização popular em períodos em que o fascismo avança e a cultura é atacada. Não irão calar os moradores da periferia. No dia 28 de agosto, foi realizado um ato em defesa do Cine Guaraci, em um palco aberto que contou com artistas locais e moradores das redondezas.

Raulf Jatobá, poeta e integrante dos coletivos artísticos Atako RJ e Mente Ativa e membro do Movimento Cine Guaraci Vive, deu um depoimento ao jornal A Verdade comentando sobre a importância dessa movimentação: “Foi incrível e super simbólico, já que é um território periférico que pouquíssimas vezes teve manifestações artísticas em grande proporção. Eu moro aqui desde que nasci e só agora tenho conhecido as potências desse território. Por isso, a necessidade de construir um espaço que trará visibilidade a esses diversos talentos”.

Os moradores da periferia também merecem acesso à cultura, nossos jovens não aguentam mais o descaso. É urgente assegurar os direitos básicos da população e garantir uma vida digna aos trabalhadores.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes