UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 28 de junho de 2022

Atos repudiam assassinato do imigrante Moïse Kabagambe

Milhares de pessoas se reuniram em frente ao quiosque Tropicália, onde Moïse foi assassinado, no Rio. Foto: JAV

Atos contra o racismo e a xenofobia mobilizaram milhares de pessoas hoje no país. Manifestações ocorrem como reação ao assassinato brutal do imigrante congolês Moïse Kabagambe. Movimentos negros e população cobraram justiça e punição aos criminosos.

Lucas Nascimento, Rio de Janeiro


ANTIRRACISMO – Neste sábado, movimentos sociais, partidos de esquerda e a população de várias cidades se mobilizaram contra a morte do imigrante congolês Moïse Kabagambe. Moïse foi espancado até a morte no quiosque tropicália, da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

Houve atos em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Natal e Brasília. Várias outras cidades do Brasil e do mundo também  registraram manifestações. No Rio, o ato contou com participação de pelo menos 5 mil pessoas, incluindo parentes e a mãe do jovem assassinado.

Moïse Kabagambe, congolês assassinado num ato de linchamento racista e xenófobo no Rio de Janeiro. Foto: reprodução.

Em São Paulo, os manifestantes se reuniram no MASP, na Av. Paulista. De lá, movimentos sociais de moradia, imigrantes africanos e organizações populares se solidarizaram com a família de Moïse e com todos os imigrantes africados que sofrem racismo e xenofobia no Brasil.

Em Belo Horizonte, o ato contou com a participação do até agora único pré-candidato à presidência negro, Leonardo Péricles (UP). Segundo o candidato da Unidade Popular o jovem Moïse “foi mais uma vítima do racismo estrutural existente no Brasil, e também da destruição dos direitos trabalhistas.”

Ato em Belo Horizonte reuniu milhares no Centro da cidade. Foto: JAV

Mobilização mostra necessidade de se enfrentar o racismo e o capitalismo

A mobilização dos movimentos negros e de imigrantes organizados, entre eles, o Movimento Negro Perifa Zumbi, o ato ocorreu da maneira que tinha sido planejado, com denúncias do racismo e também do sistema opressor que assassinou Moïse.

A denúncia do racismo estrutural que assassina um jovem negro a cada 23 minutos no Brasil também estavam entre as intervenções daqueles que protestavam. De forma geral, muitos manifestantes denunciaram o sistema opressor capitalista e também apontaram para necessidade de construir uma alternativa, a partir das lutas, ao capitalismo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes