UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 26 de maio de 2024

Atos repudiam assassinato do imigrante Moïse Kabagambe

Milhares de pessoas se reuniram em frente ao quiosque Tropicália, onde Moïse foi assassinado, no Rio. Foto: JAV

Atos contra o racismo e a xenofobia mobilizaram milhares de pessoas hoje no país. Manifestações ocorrem como reação ao assassinato brutal do imigrante congolês Moïse Kabagambe. Movimentos negros e população cobraram justiça e punição aos criminosos.

Lucas Nascimento, Rio de Janeiro


ANTIRRACISMO – Neste sábado, movimentos sociais, partidos de esquerda e a população de várias cidades se mobilizaram contra a morte do imigrante congolês Moïse Kabagambe. Moïse foi espancado até a morte no quiosque tropicália, da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

Houve atos em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Natal e Brasília. Várias outras cidades do Brasil e do mundo também  registraram manifestações. No Rio, o ato contou com participação de pelo menos 5 mil pessoas, incluindo parentes e a mãe do jovem assassinado.

Moïse Kabagambe, congolês assassinado num ato de linchamento racista e xenófobo no Rio de Janeiro. Foto: reprodução.

Em São Paulo, os manifestantes se reuniram no MASP, na Av. Paulista. De lá, movimentos sociais de moradia, imigrantes africanos e organizações populares se solidarizaram com a família de Moïse e com todos os imigrantes africados que sofrem racismo e xenofobia no Brasil.

Em Belo Horizonte, o ato contou com a participação do até agora único pré-candidato à presidência negro, Leonardo Péricles (UP). Segundo o candidato da Unidade Popular o jovem Moïse “foi mais uma vítima do racismo estrutural existente no Brasil, e também da destruição dos direitos trabalhistas.”

Ato em Belo Horizonte reuniu milhares no Centro da cidade. Foto: JAV

Mobilização mostra necessidade de se enfrentar o racismo e o capitalismo

A mobilização dos movimentos negros e de imigrantes organizados, entre eles, o Movimento Negro Perifa Zumbi, o ato ocorreu da maneira que tinha sido planejado, com denúncias do racismo e também do sistema opressor que assassinou Moïse.

A denúncia do racismo estrutural que assassina um jovem negro a cada 23 minutos no Brasil também estavam entre as intervenções daqueles que protestavam. De forma geral, muitos manifestantes denunciaram o sistema opressor capitalista e também apontaram para necessidade de construir uma alternativa, a partir das lutas, ao capitalismo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes