UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 28 de junho de 2022

Três mulheres são vítimas de feminicídio em Mauá nas últimas duas semanas

Apesar do aumento de registros de violência contra a mulher e dos casos de feminicídio estampando as principais páginas de notícias da cidade, a Casa Helenira Preta, que presta atendimento à mulheres vitimas de violência, sofre ataques do poder público e tem seu trabalho ameaçado.

Gabriela Torres


MAUÁ – Juliana Fernandes, de 19 anos, teve o sonho de seguir carreira na área da saúde interrompido no último domingo por um ex-companheiro que não aceitou o término da relação. O ex-namorado deu três tiros nas costas da jovem, que foi socorrida por familiares mas não resistiu.

O caso de Juliana não é uma excepcionalidade no município de Mauá: nas últimas duas semanas, outros dois casos de feminicídio ocorreram. Fran, como era conhecida pelos amigos, foi encontrada morta junto ao filho de 5 anos e Rose, moradora do Parque das Américas, mãe de dois filhos.

A cidade de Mauá conta com o trabalho do Movimento de Mulheres Olga Benario, que atua há quase cinco anos com a casa Helenira Preta – ocupação do movimento que atende mulheres em situação de violência de toda a região do ABC paulista, com amparo jurídico, psicológico e social. A atuação conta com um trabalho voluntário de solidariedade e informação a respeito dos aparelhos públicos da cidade, das formas de violência que as mulheres estão submetidas e formas de denúncia nos casos necessários – com panfletagens, rodas de conversas com as profissionais nas periferias e distribuição de cestas básicas entre as mulheres mães em situação de vulnerabilidade. Após pressão de anos do movimento feminista local, a prefeitura inaugurou o primeiro centro de referência de Mauá. Porém, as políticas públicas para o enfrentamento à violência contra as mulheres ainda são escassas. “Todas os avanços da cidade foram garantidos com muita luta pelas mulheres mauaenses organizadas, mas ainda é insuficiente. Os casos de abuso sexual e estupro de vulneráveis, os assédios nas vielas na volta para casa e os feminicídios pelas mãos dos ex-companheiros ainda são uma realidade cruel e presente para as moradoras dos bairros mais pobres”, diz Amanda Bispo, coordenadora da ocupação. 

Apesar do aumento de registros de violência contra a mulher e dos casos de feminicídio estampando as principais páginas de notícias da cidade, a Casa Helenira Preta sofre ataques do poder público e tem seu trabalho ameaçado: em 5 de março, na semana do dia internacional de luta das mulheres, teve uma de suas ocupações, a Casa Helenira Preta II,  invadida e demolida a mando do prefeito Marcelo Oliveira (PT), e tem o seu espaço localizado na região central ameaçado de despejo após um leilão criminoso do terreno que abriga mulheres em situação de violência.

O Movimento Olga está organizando uma assembleia de mulheres do ABC para debater a situação jurídica e a resistência da Casa Helenira Preta e da Casa de passagem Carolina Maria de Jesus, ocupação do movimento que está localizada em Santo André que também está sofrendo ameaça de despejo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes