UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Os ensinamentos de Stálin: uma estrela guia para os comunistas espanhóis

Os ensinamentos de Lênin e Stálin sobre o Partido de novo tipo permitiram aos comunistas espanhóis forjarem um Partido de mais de 300.000 membros (só no território republicano), um Partido que corrigiu os seus erros e não teve medo da crítica e da autocrítica.

José Diaz (Secretário Geral do Partido Comunista da Espanha durante a Guerra Civil Espanhola)

Tradução: Igor Barradas (RJ)


TEORIA MARXISTA – A guerra revolucionária nacional na Espanha manteve as forças revolucionárias e progressistas de todo o mundo em alta tensão durante dois anos e meio. O povo espanhol travou uma magnífica luta armada em defesa das suas conquistas revolucionárias e de sua independência nacional contra um inimigo superior. Uma luta prolongada, obstinada e rica em heroísmo.

Uma frente única de toda a reação internacional, uma frente única das potências imperialistas, tinha-se efetivamente cristalizado contra a Espanha revolucionária. Estas potências – algumas abertamente, outras de forma mais ou menos oculta – prosseguiram uma política de intervenção em grande escala contra o povo espanhol. Para ajudar a reação a estrangular a luta heróica da Espanha revolucionária, os líderes da Segunda Internacional uniram forças com a reação e o traidor Blum, em nome da Segunda Internacional e a mando dos imperialistas ingleses e franceses, começou a escapar ao laço de “não-intervenção” pendurada no pescoço do nosso povo.

Assim, a luta do povo espanhol foi estrangulada pelas forças unidas da reação que atacaram o país. No entanto, a resistência heróica da Espanha revolucionária, escrita em letras de fogo, viverá para sempre nas mentes dos espanhóis e do proletariado internacional, nas mentes das massas trabalhadoras, nas mentes dos povos subjugados e escravizados pelo capitalismo. As lições da luta heróica do povo espanhol irão ajudá-lo a compreender melhor a natureza do capitalismo, instigador de guerras predatórias. Estas lições servir-lhes-ão de arma na luta contra as classes exploradoras, na luta contra a atual guerra imperialista.

O povo espanhol encontrou energia para resistir às forças superiores durante tanto tempo porque lutou por uma causa justa, porque as massas mais amplas participaram ativamente desta luta com entusiasmo ardente, com abnegação implacável, com iniciativa inesgotável, e porque a revolta geral das massas da Espanha revolucionária, dos trabalhadores unidos na Frente Popular, evocou uma onda de solidariedade internacional em todos os países e encontrou ajuda e apoio moral e político irrestrito principalmente entre os povos da URSS.

Esta ampla mobilização dos trabalhadores, dos camponeses, da pequena burguesia urbana e dos intelectuais progressistas, no entanto, não teria sido possível sem o trabalho consistente do Partido Comunista, sem a sua correta linha política Marxista-Leninista.

O Partido Comunista só conseguiu desenvolver esta linha política e pô-la em prática, tornando-a como espinha dorsal da luta do povo espanhol porque sempre se esforçou por seguir os ensinamentos de Marx, Engels, Lênin e Stálin e por aplicar, em as condições concretas de Espanha, os princípios táticos do leninismo que foram desenvolvidos e complementados por Stálin.

A situação concreta em que se desenvolveu a luta e a estratégia dos comunistas

O camarada Stálin ensina-nos que o ponto de partida para o desenvolvimento de uma linha política correta é “o princípio de ter absolutamente em conta as peculiaridades nacionais e as características nacionais específicas de cada país”. (JV Stalin, Observações sobre temas oportunos, p. 19, ed. russa.)

O que isto significa? Isto significa que não basta aprender por rotação várias teses e ensinamentos do Marxismo- Leninismo para evitar erros políticos, mas que é indispensável que o Partido Comunista analise a situação interna e internacional concreta com o maior cuidado e estude com o máxima seriedade sua interação e alinhamentos. Só uma análise que não se limite a fazer uma comparação geral da situação num determinado momento com a de outras épocas e noutros países, mas que também tenha em conta as especificidades e as características da situação, só essa análise pode servir de base, de ponto de partida, para a formulação de uma linha política correta.

Qual foi a situação concreta? E quais foram as suas especificidades no momento da revolta dos reacionários espanhóis e durante o período de intervenção?

A Espanha era principalmente um país agrário de tipo pequeno-burguês, com vestígios consideráveis de feudalismo. Este caráter geral do país não se alterou durante os cinco ou seis anos da revolução democrático-burguesa (de Abril de 1931 a Julho de 1936), que precedeu a guerra revolucionária nacional. Cinquenta e nove por cento da população empregável trabalhava na agricultura e não mais de 20 por cento na indústria, nos transportes e no comércio. O resto da população trabalhava no aparelho administrativo do Estado ou no aparelho municipal, no exército e nas chamadas profissões livres. A distribuição da propriedade da terra era a melhor indicação do carácter camponês e pequeno-burguês do país, com fortes influências dos remanescentes feudais na vida económica e política.

Dois por cento dos proprietários de terras, que poderiam ser descritos como grandes proprietários (cem hectares ou mais), possuíam 67 por cento de toda a terra arável. A este grupo pertenciam os enormes latifúndios do Duque de Alba com 96.000 hectares, os do Duque de Medinaceli com 79.000 hectares, bem como os do Duque de Peneranda com 52.000 hectares, e outros. Oitenta e seis por cento dos proprietários de terras (até dez hectares) possuíam no total apenas 15 por cento de todas as terras aráveis. Este quadro torna-se ainda mais claro quando acrescentamos que 39 por cento de todos os proprietários de terras possuíam menos de um hectare e que esta enorme massa de camponeses empobrecidos em terras possuía no seu conjunto apenas 1,1 por cento de toda a área cultivada.

Além disso, havia dois milhões e meio de trabalhadores rurais que não tinham terra alguma. Uma parte considerável dos camponeses que eram contabilizados como proprietários de terras nas estatísticas, na realidade nada mais eram do que arrendatários ou subarrendatários, os chamados “rabassaires”, uma relação de arrendatário que refletia mais claramente o carácter semifeudal da agricultura espanhola.

A Igreja Católica, consorte do feudalismo, possuía quase um terço de toda a riqueza do país, bem como um terço de todas as terras aráveis. Havia 200.000 monges na Espanha. Contra as 35.000 escolas em Espanha, havia um total de 36.000 igrejas, mosteiros e capelas. Dos 24.500.000 habitantes, 7.000.000 pertenciam às minorias nacionais da Catalunha, do País Basco e da Galiza. A questão nacional foi apenas parcialmente resolvida pela República. A solução completa desta questão ainda estava por vir.

A indústria pesada e a construção de máquinas, o barómetro do nível económico de cada país, estavam apenas ligeiramente desenvolvidas. Indústria leve (processamento de produtos agrícolas, indústria têxtil, etc.). que empregava 67 por cento do total de 1.900.000 trabalhadores industriais, ocupava uma posição dominante em todo o desenvolvimento económico de Espanha. Na indústria leve, a produção artesanal desempenhou um papel excepcionalmente importante; na indústria têxtil, os pequenos e os proprietários médios também predominaram. A indústria leve estava apenas ligeiramente concentrada. O oposto acontecia, porém, na indústria pesada, especialmente na mineração (carvão, minério de ferro, chumbo, cobre, potássio, prata viva, etc.). Aqui, o capital monopolista desempenhou um papel decisivo.

A Espanha era um país capitalista que oprimia os povos coloniais; Ao mesmo tempo, porém, Espanha era um país excepcionalmente dependente do capital estrangeiro, um país que era o teatro da luta entre potências imperialistas individuais que lutavam entre si pela consolidação da sua própria influência neste país à custa dos seus rivais.

Os fortes remanescentes do feudalismo prevaleceram especialmente no exército e na marinha, bem como no aparelho estatal, cujos quadros dirigentes, especialmente os quadros superiores, foram recrutados entre a antiga nobreza estabelecida.

As consequências históricas deste atraso de Espanha, bem como do seu passado medieval que não tinha sido completamente superado – provincianismo, cantonalismo e regionalismo – podiam ser sentidas a cada passo. O provincianismo não só deixou a sua marca na vida económica e política do país, mas também influenciou o movimento operário que estava muito mais desunido do que em qualquer outro grande país da Europa. O conhecido “caciquismo” espanhol predominou tanto no aparelho de Estado como nas aldeias, nos municípios, nos partidos políticos da burguesia e da pequena burguesia, incluindo o Partido Socialista, nas centrais sindicais do UGT e CNT Muitas províncias e cidades estavam sob o controle de uma camarilha de algumas pessoas poderosas e influentes que detinham o poder absolutamente sem qualquer obstáculo.

Embora a revolução democrático-burguesa tenha durado mais de seis anos, as tarefas básicas enfrentadas pela revolução permaneceram sem solução, principalmente a questão agrária. Do total de 4.000.000 de camponeses e trabalhadores rurais empobrecidos, apenas 150.000 receberam terras e isto para numa extensão totalmente insatisfatória, sem as ferramentas e instrumentos necessários ao seu cultivo. A Igreja, formalmente separada do Estado, conseguiu preservar todos os seus bens materiais e, consequentemente, também uma parte considerável da sua influência na vida política. O exército continuou a ser o que era antes: o velho exército reacionário dominado por um espírito de casta, um ninho de contra-revolução. A condição da classe trabalhadora também não mudou essencialmente.

A classe trabalhadora e as classes camponesas reagiram à sabotagem dos capitalistas e dos proprietários de terras com lutas grevistas e outros métodos de luta. No entanto, não receberam o apoio necessário do governo, composto por representantes dos partidos republicanos, para liquidar as maquinações contra-revolucionárias da burguesia, dos latifundiários e dos militares que preparavam secretamente uma revolta.

Esta caracterização da situação interna deve ser complementada por alguns dos traços mais importantes da situação internacional em que se desenrolou a luta do povo espanhol. Esta situação internacional foi caracterizada pela intensificação das contradições entre as potências imperialistas separadas, embora esta intensificação ainda não tivesse levado ao desencadeamento da guerra. Por outras palavras, ainda havia a possibilidade de formar uma frente única reacionária contra a Espanha revolucionária.

Todas estas peculiaridades da situação interna da República Espanhola, bem como da situação internacional, foram de importância decisiva para a tarefa estratégica da classe trabalhadora. Para o Partido Comunista era claro que num país tão atrasado como a Espanha, cujos problemas democráticos não estavam resolvidos e que se deparava com a necessidade urgente de alargar a base social da luta dentro do país, bem como a base da solidariedade internacional, a revolução socialista não poderia ser colocada como a tarefa imediata. Por esta razão, o Partido, baseando-se na análise da situação dada e na avaliação concreta da interação de forças, impôs-se a tarefa de desenvolver e completar ainda mais a revolução democrático-burguesa.

Este objetivo só poderia ser alcançado através da transformação da república democrático-burguesa numa república democrática de um novo tipo, uma república sem grandes capitalistas e proprietários de terras, uma república popular em que o poder não estaria nas mãos do bloco da burguesia e dos proprietários de terras como na república criada em 14 de abril de 1931, mas nas mãos do bloco da classe trabalhadora, dos camponeses, da pequena burguesia urbana, das minorias nacionais, um bloco no qual o proletariado estava destinado a desempenhar o papel de liderança.

O Partido Comunista entendeu que o desenvolvimento da revolução democrático-burguesa era um pré-requisito decisivo para interessar as amplas massas de trabalhadores, camponeses e pequena burguesia na luta armada contra os reacionários espanhóis e os intervencionistas estrangeiros, e que, além disso, apenas uma vitória militar sobre este inimigo poderia tornar possível completar a revolução democrático- burguesa e assim criar os pré-requisitos necessários para a vitória completa da classe trabalhadora.

 

UNIDADE E LUTA. Cartaz de Stálin em reunião do Partido Comunista Espanhol em Madrid, 22 de novembro de 1936. (Foto: Reprodução)

As táticas dos comunistas na guerra revolucionária nacional

Mas o camarada Stálin também nos ensina que, ao elaborar uma linha política correta e colocá-la em prática, não basta limitar-nos apenas a uma análise concreta da situação em cada país durante cada período de luta. Uma análise correta só pode ser a base, apenas o ponto de partida indispensável para uma linha tática correta. Além disso, é necessário levar em consideração:

“…o princípio com base no qual o Partido Comunista de cada país deve utilizar até mesmo a menor possibilidade de assegurar um aliado ao proletariado entre as massas; mesmo que este aliado seja apenas temporário, vacilante, insuficientemente firme e incerto.” (JV Stalin, Observações sobre temas oportunos, pp. 19-20.)

Havia tais aliados de massa do proletariado na Espanha. O Partido Comunista travou uma luta consistente para ganhar estes aliados para o lado do proletariado. Toda a sua tática, durante todo o curso da guerra revolucionária nacional, foi permeada pelo esforço para atrair e manter estes aliados do proletariado.

Mas para permitir à classe trabalhadora atrair aliados de massa, mantê-los e liderá-los em cada curva e reviravolta na estrada e em todas as dificuldades da guerra; para permitir à classe trabalhadora superar todas as fricções e conflitos e eliminar todos os obstáculos no seu caminho, era necessário ter um partido revolucionário, um partido que tivesse acumulado experiência suficiente, que fosse sólido e disciplinado, um partido que pudesse dominar a teoria revolucionária avançada. A classe operária precisava de um verdadeiro Partido Comunista. Só um tal partido foi capaz de assegurar a unidade da classe operária e a fé no seu próprio poder durante a luta, bem como a sua hegemonia na revolução democrático-burguesa, na luta pela independência nacional. independência. Nós, comunistas espanhóis, lutamos pela criação de tal partido.

O pré-requisito decisivo para a realização deste papel de liderança da classe trabalhadora foi a unidade revolucionária do proletariado. O proletariado espanhol estava desunido. Além disso, o Partido Comunista entrou na arena de batalha num período em que outros partidos, por exemplo, os Social-democratas e os Anarquistas, já tinham grande influência entre as massas trabalhadoras. Em algumas províncias, como no País Basco e na Galiza, uma parte considerável dos trabalhadores ainda estavam sob a influência dos partidos nacionalistas burgueses.

A maioria da classe trabalhadora estava unida em duas das maiores organizações sindicais, a UGT e a CNT, organizações que tinham raízes profundas no movimento operário espanhol durante muito tempo. Mas estas duas centrais sindicais marcharam separadamente, cada uma seguindo o seu próprio caminho e não raro ocorreram lutas acirradas entre elas.

Tudo isto mostra que a questão da realização da unidade do proletariado em Espanha era
diferente daquela que era, por exemplo, na Rússia pré-revolucionária. Ali, como salienta o camarada Stálin, o partido político da classe trabalhadora surgiu antes dos sindicatos. Lá, o partido político liderou diretamente a luta do proletariado em todas as esferas, incluindo as lutas económicas.

A situação era diferente nos países capitalistas da Europa Ocidental e em Espanha, onde os sindicatos surgiram muito antes dos partidos trabalhistas. Esta peculiaridade do movimento operário ocidental foi expressa de forma ainda mais acentuada em Espanha do que nos outros países.

Tanto mais que o anarquismo, profundamente enraizado no movimento operário, realizou uma luta sistemática contra a participação dos trabalhadores na política e fez tudo o que estava ao seu alcance para impedir que as massas proletárias compreendessem o papel decisivo do partido revolucionário na o movimento operário. Os bolcheviques que, sob a brilhante liderança de Lênin e Stálin, criaram um partido revolucionário de um novo tipo, foram capazes, desde o início do movimento operário, através de uma luta irreconciliável contra os mencheviques, de impedir que estes últimos se enraízassem nos sectores decisivos do movimento operário e, portanto, também estavam em posição de assegurar a unidade revolucionária da classe trabalhadora sob a liderança do Partido Bolchevique.

A situação era diferente em Espanha. O Partido Comunista da Espanha teve que forjar esta unidade durante a guerra. Tinha de compensar tudo o que tinha sido negligenciado ao longo de décadas e, portanto, era necessário ter em conta o papel poderoso que os sindicatos tradicionalmente desempenhavam no movimento operário, e após a eclosão da revolta militar na vida de todo o país.

O Partido Comunista alcançou alguns sucessos parciais no caminho para a criação da unidade da classe trabalhadora (realização de uma ação unida entre a UGT e a CNT); mas não atingiu o seu objetivo principal e principalmente porque as camarilhas de políticos, reformistas e anarquistas firmemente enraizadas no aparelho destas duas organizações sindicais não se preocuparam com os interesses da classe trabalhadora, uma vez que não queriam levar a luta até ao fim. uma conclusão vitoriosa mas, pelo contrário, tentavam provocar a capitulação.

A falta de unidade sindical enfraqueceu a unidade da classe trabalhadora e impediu o proletariado de desempenhar o papel decisivo na revolução democrático-burguesa e na luta pela independência nacional.

A coisa mais importante que o Partido Comunista teve de atrair para o lado do proletariado foi a enorme massa do campesinato. Desde o primeiro dia da revolução democrático-burguesa, o Partido lutou pela solução da questão agrária e, ao mesmo tempo, pela liquidação dos remanescentes feudais que estavam generalizados e profundamente enraizados no país. Desta forma, poderia estabelecer um vínculo firme entre a classe trabalhadora e os milhões de camponeses.

O nosso Partido foi o único partido político em Espanha que compreendeu a necessidade vital de tal aliança. Foi o único partido que emitiu a palavra de ordem do confisco dos latifúndios e das terras da igreja sem indemnização, bem como a palavra de ordem da distribuição gratuita destas terras entre os camponeses pobres e os trabalhadores agrícolas. O Partido só foi capaz de levar a cabo a solução deste problema decisivo da revolução democrático-burguesa de uma forma revolucionária durante a
guerra. Baseou-se na determinação revolucionária das massas camponesas em garantir a terra.

MARXISMO-LENINISMO. Stálin contribuiu enormemente com os comunistas espanhóis. (Foto: Reprodução)

O decreto emitido pelo Ministro Comunista da Agricultura em 7 de outubro de 1936 resolveu fundamentalmente a questão agrária na zona republicana livre do domínio franquista: 4.860.386 hectares juntamente com o inventário indispensável ao cultivo das terras passaram para as mãos dos pobres camponeses e os trabalhadores agrícolas. Além disso, através da concessão de créditos e sementes, bem como através de ajuda técnica, o Ministério da Agricultura concedeu a ajuda material mais intensiva.

O Partido Comunista, esforçando-se por uma aliança estreita com os camponeses, teve em conta que a esmagadora maioria dos camponeses ainda não estava preparada para cultivar a terra coletivamente. Foi, portanto, necessário travar uma luta obstinada e amarga contra os Anarquistas, bem como contra os Socialistas anarquistas que propagavam a política aventureira da coletivização e sindicalização forçada da terra. Graças a esta política consistente e ao trabalho prático do Partido Comunista, estes inimigos do campesinato que tantos danos causaram à causa no início da guerra não conseguiram atingir o seu objetivo. A aliança da classe trabalhadora e do campesinato foi fortalecida e assegurada.

Ao assegurar esta aliança com as massas camponesas, porém, o problema dos aliados ainda não estava totalmente resolvido. Era também necessário atrair os sectores da classe média baixa nas cidades, bem como os setores da burguesia que, por uma razão ou outra, estavam interessados na luta pela independência nacional de Espanha. A política da Frente Popular, bem como o esforço do Partido Comunista para alargar a base social da Frente Popular com o objetivo de transformar a Frente Popular numa frente nacional, foi determinada pela necessidade de estabelecer uma ampla frente de luta de todo o povo sob a liderança da classe trabalhadora.

Dado que o nosso Partido se dirigiu diretamente às massas populares e aos soldados e lhes explicou a sua própria posição, que diferia da dos outros partidos e organizações da Frente Popular, o nosso Partido teve bastante sucesso na consecução do seu objetivo. Desta forma, ganhou influência entre outros partidos e organizações e conseguiu induzir os seus dirigentes a seguir o caminho apontado pelos comunistas e desejado pelas massas.

A unificação da juventude socialista e comunista foi de uma importância excepcionalmente grande para a consolidação da unidade das forças populares e para a ampliação das nossas possibilidades de luta. A Juventude Socialista Unida deu ao movimento dezenas de milhares de combatentes abnegados que eram leais e dedicados à causa do nosso povo.

Desde os primeiros dias da rebelião, o Partido Comunista compreendeu que era necessário ter uma força bem armada, um exército para a luta contra um inimigo tão poderoso como o nosso. Este reconhecimento foi fortalecido pelas experiências da guerra civil da Rússia Soviética e pela intervenção estrangeira contra ela. Fomos guiados pelas palavras do camarada Stálin que ele proferiu no VIII Congresso do Partido Bolchevique, quando a guerra contra os intervencionistas ainda estava em pleno andamento:

“Ou criamos um verdadeiro trabalhador e camponês – principalmente um exército camponês, um exército estritamente disciplinado, e defendemos a república, ou perecemos.” (História do Partido Comunista da União Soviética [B.], p. 235. Editores Internacionais, Nova York.)

O Quinto Regimento estabelecido pelo Partido Comunista foi a base para a concretização da nossa linha dirigida a dar ao povo uma força militar politicamente confiável e treinada. A composição social do Quinto Regimento, a sua organização, disciplina, capacidade de combate e o seu heroísmo provaram ser o argumento mais forte para convencer as grandes massas, cuja hostilidade aos militares estava profundamente enraizada no ódio ao antigo exército, de que a criação de um exército forte o treinamento era essencial. Sem ela, a possibilidade de uma luta bem sucedida contra a reação interna e externa era inteiramente inconcebível.

Pelas suas experiências diárias, o Quinto Regimento foi capaz de demolir completamente as “teorias” dos Social-democratas e Anarquistas que, devido à sua incapacidade de compreender o facto da transformação da nossa guerra civil numa guerra revolucionária nacional, resistiram obstinadamente à criação de um exército com base no “terreno” de que a Espanha era um país de guerrilheiros e não de soldados e que o seu exército sempre agiu contra os interesses do povo.

Um duro golpe foi igualmente desferido nos planos dos líderes dos partidos republicanos e dos militares que visavam apenas unir os remanescentes do antigo exército. O Partido Comunista soube superar a resistência de todos estes e garantir a criação de um exército popular regular. A criação de um exército popular regular seguiu-se à dissolução do Quinto Regimento. Os 70.000 combatentes deste regimento foram o núcleo e a alma deste novo exército. Milhares dos melhores comandantes e comissários do exército popular saíram do Quinto Regimento.

Porém, com a criação do exército, surgiram novas tarefas para o Partido Comunista. A luta pelas reservas necessárias tinha que continuar e era também necessário proteger a unidade política do exército contra os ataques diários e as intrigas dos líderes dos partidos Socialista, Anarquista e Republicano.

A linha seguida pelo Partido sobre a organização da economia do país foi determinada pelas necessidades da guerra, bem como pela necessidade de utilizar todas as possibilidades para manter os nossos aliados. A guerra exigiu a concentração dos recursos económicos mais importantes do país nas mãos do Governo. Contudo, estes objetivos tinham de ser alcançados sem enfraquecer a aliança da classe trabalhadora com o campesinato e a pequena burguesia, tal como acontece com o campesinato e a pequena burguesia. além da burguesia. Por estas razões, o Partido Comunista formulou a questão da nacionalização de tal forma que não afetasse todas as indústrias , mas apenas aquelas empresas que tinham sido deixadas para trás pelos seus proprietários que estavam ligados à rebelião contra-revolucionária, bem como indústrias-chave, principalmente a indústria bélica, mas também o sistema de transporte (ferrovias, transporte marítimo e automóvel).

Os comunistas defenderam a coordenação dos ramos básicos da economia e, portanto, propuseram a criação de um Conselho Económico Supremo. Os Comunistas combateram a expropriação e a “coletivização” de pequenas fábricas, uma prática que estava muito em voga entre os Anarquistas e os Caballero-istas. O Partido Comunista levou a cabo uma política que permitiu utilizar plenamente todos os recursos do país sem repelir os aliados, ao mesmo tempo que fortaleceu o papel de liderança da classe trabalhadora no desenvolvimento da vida económica.

O Partido Comunista lutou pelo estabelecimento de um governo popular forte, por um governo que fosse capaz de superar todas as dificuldades e obstáculos, capaz de reunir e utilizar todas as forças e recursos progressistas do país no interesse da vitória do povo espanhol . Lutou por um governo popular que expressasse a aliança da classe trabalhadora com outras camadas sociais da população interessadas na luta pela independência nacional. Lutou por um governo em que o papel de liderança fosse reservado à classe trabalhadora.

O Partido Comunista fez tudo o que estava ao seu alcance para destruir o antigo aparelho de Estado e estabelecer um novo aparelho ao serviço do povo. Um governo popular tão forte e um aparelho de Estado tão forte, instrumentos indispensáveis de uma política determinada que garanta a vitória, não puderam ser alcançados, no entanto, devido à insuficiente unidade revolucionária da classe operária, devido às intrigas e à sabotagem do Partido Social-democrata, líderes anarquistas e republicanos.

O Partido Comunista tomou em consideração a grande importância do princípio tático formulado pelo camarada Stálin relativamente à necessidade de assegurar aliados de massa para a classe trabalhadora. Os nossos aliados, por exemplo, os nacionalistas bascos e catalães, e também os republicanos espanhóis, vacilavam constantemente; eles provaram ser instáveis e vacilantes.

O Partido Comunista conseguiu manter os aliados ao lado da classe trabalhadora durante muito tempo. No entanto, o Partido não conseguiu manter estes aliados da classe trabalhadora até ao fim da guerra. As hesitações dos aliados aumentaram especialmente na fase final da guerra; uma parte até deixou a Frente Popular nos momentos mais difíceis. Essa foi uma das causas da derrota da Espanha revolucionária.

A Guerra na Espanha foi uma lição para as massas e também para nós, comunistas
Ao determinar a nossa linha política e táctica, nós, comunistas espanhóis, tivemos em conta o princípio tático do leninismo formulado pelo camarada Stálin:

“O princípio de ter absolutamente em conta a verdade de que a propaganda e a educação por si só ainda não são suficientes para a educação política de milhões de pessoas, mas que a experiência política das próprias massas é necessária.” (JV Stalin, Observações sobre temas oportunos, p. 20, Russ. ed.)

A revolução democrático-burguesa, particularmente durante o período da guerra revolucionária nacional, proporcionou às massas uma tremenda experiência. No decurso desta grande luta, o proletariado reconheceu o seu poder e o seu papel como classe dirigente. As massas camponesas viam na classe trabalhadora o seu novo aliado e melhor líder.

Milhares de novas pessoas emergiram das profundezas da classe trabalhadora e do povo espanhol, homens que, graças ao seu heroísmo e às suas capacidades, ocuparam 80 por cento dos cargos de comando superiores e 90 por cento dos intermediários. Na indústria e na agricultura, dezenas de milhares de homens, mulheres e jovens revelaram o seu entusiasmo criativo, demonstrando uma força produtiva até então desconhecida no país e garantindo assim o trabalho ininterrupto, apesar de os centros de produção serem objeto do chefe e constantes ataques aéreos e bombardeios do inimigo.

A iniciativa das massas, o seu entusiasmo e a sua abnegação foram os pré-requisitos para as nossas maiores operações militares: a defesa de Madrid é a prova mais conclusiva da vontade e da energia das pessoas que compensaram os erros dos incompetentes e posteriormente comandantes traidores.

Outra prova é a defesa do Levante, onde milhares de combatentes lutaram sem a menor trégua durante semanas a fio, onde as massas, com a energia febril da inspiração, transformaram os campos e colinas do Levante em zonas fortificadas dentro de poucos dias, bloqueando todas as estradas para o inimigo invasor. Por último, devemos citar como prova disso a batalha do Ebro, uma das maiores batalhas da nossa guerra, na qual milhares de combatentes, soldados, comandantes e comissários políticos permaneceram firmes durante mais de quatro meses sob o comando do fogo do inferno e deu um exemplo que pode mais uma vez servir como prova do poder invencível da classe trabalhadora e das suas capacidades criativas.

Na nossa guerra, as massas adquiriram o seu conhecimento a partir de exemplos vivos, um conhecimento que é de importância decisiva para a continuação da luta sob novas condições. As massas compreenderam a importância da unidade revolucionária, compreenderam que é tarefa da classe trabalhadora assumir a liderança na luta de todo o povo. Eles compreenderam a importância de uma aliança firme com o campesinato. Depois das suas amargas experiências com a “política de não-intervenção”, compreenderam a importância e a natureza essencial da democracia burguesa como forma de domínio capitalista.

Convenceram-se de que esta democracia nada mais é do que um meio para enganar as massas, nada mais do que uma cortina de fumo atrás da qual se escondem os sectores dominantes da reação capitalista. Eles se convenceram com seus próprios olhos
de que a “teoria” e a prática do anarquismo ruíram no primeiro contato com a realidade da revolução popular. Convenceram-se de que a social-democracia leva a classe trabalhadora à derrota e que os líderes da Segunda Internacional traíram os interesses do proletariado internacional, tal como traíram os interesses do povo espanhol.

Na sua luta obstinada e heróica, as massas reconheceram que não há outro caminho para a libertação da exploração e do jugo do capitalismo senão a luta revolucionária. A classe trabalhadora espanhola reconheceu que o internacionalismo proletário é a força que une a classe trabalhadora numa frente única contra o inimigo comum. A partir das experiências da sua luta, reconheceu também o profundo abismo que separa os estados capitalistas da terra do socialismo.

A ideia do socialismo, portanto, enraizou-se profundamente na consciência das massas porque, durante os dias da difícil luta, os seus amigos mais devotados estiveram ao seu lado. É por isso que os trabalhadores espanhóis pronunciam as palavras “União Soviética” e o nome do camarada Stálin com amor profundo e inesgotável.

 

Pôster de um guerreiro comunista durante a Guerra Civil Espanhola. (Foto: Reprodução)

Milhões de trabalhadores, camponeses e intelectuais compreenderam pela primeira vez o papel de um partido revolucionário. Viram este partido no seu trabalho diário, nos postos mais perigosos e reconheceram nele uma força poderosa e confiável, capaz de defender os interesses da classe trabalhadora. Eles o reconheceram como seu próprio partido. Por isso se juntaram a ele na resolução das tarefas diárias; é por isso que o apoiaram ativamente e lhe deram toda a confiança.

Se as massas trabalhadoras foram capazes de compreender tudo isto, foi apenas por causa das suas próprias experiências e da liderança do Partido Comunista que se esforçou para aumentar a sua consciência de classe com base nas suas próprias experiências.

Se o Partido Comunista se tornou um verdadeiro partido de massas da classe trabalhadora, foi porque não só educou as massas, mas também aprendeu com as massas. Ao fazer isto, seguimos as eminentes palavras do camarada Stálin:

“Nós, líderes, vemos as coisas, os acontecimentos e as pessoas apenas de um lado; eu diria, de cima. Nosso campo de visão, consequentemente, é mais ou menos limitado.
“As massas, ao contrário, veem as coisas, os acontecimentos e as pessoas de outro lado; eu diria, de baixo. as experiências devem ser unidas. Somente nesse caso a liderança estará correta.” (JV Stalin, Dominando o Bolchevismo, p. 56. Workers Library Publishers, Nova York.)

No início da revolução democrático-burguesa (Abril de 1931), o nosso Partido não era muito mais do que uma associação de grupos espalhados por todo o país, carente de clareza ideológica, bem como de estabilidade organizacional. O Partido cresceu nas lutas diárias, libertando-se gradualmente do sectarismo e em 1935 contava com 20.000 membros.

A participação ativa do Partido na luta armada nas Astúrias, o seu trabalho de união das forças da classe operária, o seu papel de vanguarda de atrair todas as forças progressistas do país para as fileiras da frente popular contra a reação – que preparava o estabelecimento de uma ditadura terrorista – tudo isto encorajou milhares de apoiantes a juntarem-se às fileiras do Partido para que este tivesse 100.000 membros na véspera do golpe arquitetado pelos generais.

Quando a luta armada começou, o Partido teve que resolver tarefas políticas e organizacionais da maior importância durante a marcha, por assim dizer; tarefas que, tendo em conta o seu carácter e o seu alcance, não tinham precedentes. A guerra exigiu quadros do Partido para o exército, para a indústria, para os campos, para o aparelho de Estado, para os sindicatos e para o trabalho atual do Partido; exigia quadros confiáveis
e capazes que compreendessem a nova situação e fossem os verdadeiros guias e líderes das massas.

O Partido Comunista cresceu e foi fortalecido na luta armada na frente e na luta contra os inimigos do povo na retaguarda, contra a chamada Quinta Coluna e o trotskismo contra-revolucionário criminoso. O Partido cresceu e fortaleceu-se na luta contra o aventureirismo anarquista e contra o oportunismo social-democrata.

O camarada Stálin ensina-nos a zelar pela unidade e pela pureza ideológica do Partido. Travamos uma luta impiedosa contra todos os desvios nas nossas fileiras; reforçámos a disciplina do Partido e fomos capazes de estabelecer uma unidade férrea nas nossas fileiras, na medida em que fomos capazes de enfrentar todos os testes que a guerra trouxe consigo.

Os ensinamentos de Lênin e Stálin sobre o Partido de um novo tipo permitiram aos comunistas espanhóis forjar um partido de mais de 300.000 membros (só no território republicano), um Partido que corrigiu os seus erros e não teve medo da crítica e da autocrítica. Do grande Stálin, nós, comunistas espanhóis, também aprendemos a ousadia revolucionária, a vigilância contra as intrigas do inimigo, a firmeza na execução da política e a flexibilidade face a mudanças súbitas e inesperadas.

O nosso Partido gozava da autoridade e do apoio das mais amplas massas. E isso era bastante natural, pois o povo viu a coragem e o heroísmo dos comunistas durante os dias inesquecíveis da defesa de Madrid, de Teruel e das batalhas do Ebro. O povo viu que o Partido não se limitava apenas a corrigir diretivas e ensinamentos, mas liderou pelo exemplo. O Partido compreendeu como comunicar o seu espírito de auto-sacrifício e heroísmo às massas. Durante as lutas ininterruptas, o Partido manteve sempre os laços mais estreitos com as massas. É por isso que o Partido Comunista foi amado pelo povo espanhol e continuará a ser sempre amado.

O Partido Comunista de Espanha seguiu uma linha política correta durante a guerra revolucionária nacional. Mas não foi isento de erros. O principal erro da liderança do nosso Partido foi o fato de, face à ameaça de rebelião contra-revolucionária em Madrid (5-6 de Março de 1939), não ter informado as massas disto; e que não agiu com tanta ousadia e determinação, quando a rebelião já estava em andamento, como a difícil situação exigia.

Mas o Partido sempre reconheceu honestamente os seus erros, o que contribuiu para que o seu prestígio e os laços com as massas só fossem fortalecidos. Mas apesar da correta linha política do nosso Partido, o povo espanhol sofreu uma grave derrota.

O Governo Franco quis aproveitar este facto para destruir o nosso Partido, esse lutador altruísta e ardente contra a ditadura da burguesia e dos latifundiários. Apesar dos inúmeros golpes contra o Partido, ele sempre viverá, pois vive no fundo do coração das massas. Na nova situação, os comunistas espanhóis não foram tomados nem pelo pânico nem pelo desespero.

Recordemos as palavras do camarada Stálin:

“Um verdadeiro revolucionário não é aquele que demonstra coragem no período da revolta vitoriosa, mas aquele que sabe lutar bem não só no momento do avanço vitorioso da revolução, mas também no período em que a revolução está a recuar, que demonstra coragem no período da derrota do proletariado, que não perde a cabeça, que não se desvia quando a revolução sofre derrota e o inimigo registra sucessos, que não
entra em pânico e se desespera no período em que o a revolução está recuando.” (JV Stalin, Sobre a Oposição, p. 105, Russ. ed.)

O nosso Partido, educado no espírito de Lênin e Stálin, preservou a sua unidade política, a sua lealdade aos princípios do Marxismo-Leninismo, a sua firme determinação em superar este período transitório e difícil. Preservou a sua fé inabalável na vitória inevitável da classe trabalhadora. Tudo isto fortalece os comunistas e torna-os campeões firmes e inabaláveis da classe trabalhadora.

Nem a mudança repentina da situação, nem a propaganda com que a reação pretende esconder o carácter imperialista da guerra, nem a fome, nem o terror são capazes de desconcertar, de amedrontar ou de aterrorizar os comunistas. A maioria dos nossos membros também está a cumprir o seu dever partidário na nova situação. Nos campos de concentração de Espanha, simples membros do Partido dão um exemplo de firmeza, auto- sacrifício e uma vontade inabalavelmente firme de enfrentar estes novos testes da luta.

Os tribunais de Franco condenaram milhares de comunistas, mas não conseguiram realizar um único julgamento público dos comunistas, como fizeram nos julgamentos dos líderes socialistas e anarquistas “penitentes”, porque os comunistas são firmes e corajosos nas audiências preliminares e nos tribunais. como convém aos revolucionários proletários.

Os milhares de comunistas, encurralados nos buracos infernais dos campos de concentração franceses, preservam a sua lealdade ao Partido e à classe trabalhadora.
“Compreenderão a dificuldade da nossa situação”, escreve um camarada, “pois a política de reação é terrível para nós. Cada dia, a luta assume formas mais nítidas dentro e fora das nossas prisões. um golpe. Mas nós resistimos e eles são levados ao desespero. Até hoje não perdemos um único cargo, um único homem. Guardamos o Partido como a menina dos nossos olhos e podemos registar bons resultados.”

“…Nós mesmos encontramos a direção, aumentamos nossa desenvoltura, não nos submetemos, mas avançamos. Jamais abandonaremos nosso lugar de honra como vanguarda que conquistamos para nós mesmos. Aperfeiçoamos-nos na luta diária contra o inimigo e estudando o trabalho de nossos professores.

“…Nossos telhados estão caindo aos pedaços, as janelas não têm vidraças, as portas não fecham e nossos estômagos estão vazios, mas podem ter certeza que nossos braços não estão cruzados – estamos lutando por nossa causa comum.”

O triunfo da reação em Espanha não eliminou as causas que levaram o nosso povo à batalha, mas apenas as tornou mais agudas. A classe trabalhadora, os camponeses e as massas populares viveram dias melhores. Eles tinham as fábricas e as terras nas mãos; eles tinham visto o que é a liberdade e eram donos do seu próprio destino. Nosso povo viveu sem latifundiários, sem grandes capitalistas e sabe quanto isso foi valioso.

Por essa razão, a luta continua sob uma nova forma. Nesta nova situação, uma luta para reconquistar aquilo que foi roubado às massas, uma luta para aumentar todas as conquistas até à emancipação completa. Para esta luta, as massas contam com as ricas experiências de uma guerra e de uma revolução que constituem um arsenal inestimável para as próximas batalhas.

A classe trabalhadora espanhola tem o seu Partido Comunista que – educado pelos ensinamentos do Marxismo-Leninismo e fortalecido na luta mais severa – está a trabalhar pela reunificação das suas próprias forças e das forças da classe trabalhadora para a luta contra a ditadura da burguesia e os proprietários de terras. No Partido Comunista, a classe operária espanhola tem um Partido que, na atual situação difícil, será mais do que nunca guiado pelos brilhantes ensinamentos dos grandes mestres Lênin e Stálin, um Partido que conduzirá a classe operária à vitória sob o bandeira triunfante de Marx, Engels, Lênin e Stálin.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes