UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 23 de julho de 2024

O Eternauta: uma obra sobre a América Latina

O Eternauta é uma história em quadrinhos de ficção científica escrita por Héctor Oesterheld. Apesar de ter sido originalmente publicada há mais de 60 anos, continua a ser uma narração contemporânea que pauta sobre liberdade e esforço coletivo para enfrentar as adversidades.

Clóvis Maia | Redação PE


Quando se fala em história em quadrinhos vem logo uma ideia de que é algo voltado para o público infanto-juvenil ou se concentra apenas nas figuras dos super-heróis. Longe disso, os quadrinhos são uma expressão artística e como tal refletem a realidade. Um bom exemplo de como os quadrinhos podem contribuir para a sociedade vem da Argentina, com a vida e a obra de Héctor Oesterheld (1919-1977), especialmente em O Eternauta, série que foi publicada há mais de 60 anos, mas que possui uma mensagem tão atual que serve para entender nosso tempo.

A obra

O Eternauta foi uma das primeiras histórias de ficção científica lançadas fora dos EUA. Nela, pessoas comuns se juntam para sobreviver a uma suposta invasão alienígena. Lançada semanalmente de 1957 a 1959, a história foi toda desenhada por Francisco Solano López na revista Hora Cero, selo criado pelo próprio Oesterheld. Em 1969, e com a Argentina debaixo de uma ditadura, a obra é reescrita, dessa vez com um teor mais político e arte fantástica de Alberto Breccia. Nessa segunda versão, os alienígenas teriam feito uma negociação com os países ricos para ficarem com toda a América Latina em troca de liberdade. Uma alusão aos processos ditatoriais que ocorreram na região, articulados com apoio do governo dos EUA, e ao imperialismo. 

Em 1976, com a Argentina vivendo as conseqüências de outro golpe militar, Oesterheld lançava de forma clandestina a continuação da sua maior obra. A segunda parte da publicação durou de 1976 a 1978, com Solano López novamente nos desenhos, mas o autor não pôde ver seu fim. A força de O Eternauta se dá pelo fato de o grande protagonista da história ser o coletivo. Para o autor, ter pessoas comuns se juntando para enfrentar suas adversidades era maior e mais válido que qualquer herói individualista e solitário. Foi esse o grande traço deixado para os argentinos e todos os lutadores da América latina. 

O autor

Héctor Oesterheld foi geólogo, escritor, roteirista e editor. Entre suas obras destacam-se Latinoamerica y El Imperialismo: 450 anos de Guerra (com arte de Leopoldo Durañona) e Vida del Che, outra parceria dele com Breccia, lançada, confiscada e destruída pelo regime militar argentino em 1968. Como militante, ele foi editor do jornal El Descamisado, órgão dos Montoneros, organização marxista que se organizou na clandestinidade para combater o regime militar durante os anos 70. Militavam com ele suas quatro filhas, todas assassinadas pelo regime militar, duas inclusive grávidas. Segundo a Comissão Nacional dos Desaparecidos Políticos, os torturadores de Oesterheld teriam mostrado a ele fotos dos corpos de suas filhas mortas, isso antes dele se tornar o número 7.546 da lista de desaparecidos políticos até os dias de hoje, 44 anos após seu assassinato. 

A Argentina sofreu um golpe militar em 1966, passando por uma ditadura até o ano de 1973, tendo sofrido novo ataque em 1976, golpe esse que destituiu a presidenta Isabel Perón, implantando uma junta militar que deixou um saldo de 30 mil mortos com apoio da Operação Condor e uma dívida externa causada pela corrupção do regime que destruiu a economia argentina no ano de 1983. O Eternauta é considerada uma das principais obras da América do Sul, e Oesterheld o pai dos quadrinhos modernos argentinos. Aqui no Brasil, a sua obra tem sido lançada e descoberta aos poucos. A versão de 1969 foi lançada pela primeira vez aqui em 2019 pela editora Comix Zone.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes