UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 18 de junho de 2024

PCR comemora 58 anos com ato em Salvador

PCR, o Partido Comunista Revolucionário, foi objeto de comemoração na capital baiana. Com apresentações artísticas e intervenções políticas, encontro de militantes e aliados marcou os 58 anos da organização marxista-leninista e também enfatizou seus avanços no estado

Jéssica Fontes | Salvador (BA)


No dia 09 de maio, o Partido Comunista Revolucionário (PCR) comemorou 58 anos de história com um ato em Salvador, reunindo a militância das principais cidades nas quais a organização tem se desenvolvido no Estado da Bahia. Edival Nunes Cajá representou o Comitê Central na ocasião.

Ele fez uma explanação sobre porque se torou comunista, resgatou a história do nascimento do PCR — como resposta concreta da vanguarda do povo brasileiro na luta para derrubar a ditadura militar fascista, em 1966 — e ressaltou a resistência do Partido  ao revisionismo e ao oportunismo.

Cajá, que foi preso político na ditadura, salientou que o comunismo é o futuro do mundo e a forma superior de organização da sociedade. “Para mim, a luta revolucionária se tornou viável quando me dei conta de que é possível acabar com a mendicância a qual o povo é submetido na sociedade capitalista, que, de um lado, tem o luxo, enquanto a maior parte do povo está na miséria e é obrigada a se humilhar para sobreviver”. E afirmou: “É possível mudar o mundo e a tarefa dos revolucionários é não aceitar mais que haja exploradores e explorados”.

Força da juventude

A atividade contou com a participação entusiasmada de dezenas de jovens e com representações da Unidade Popular (UP), Movimento de Mulheres Olga Benário, Movimento Luta de Classes (MLC), Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), União da Juventude Rebelião (UJR), Movimento Correnteza e entidades estudantis.

Poesias revolucionárias de Bertolt Brecht, Carlos Marighella, Pablo Neruda e Emmanuel Bezerra marcaram as intervenções, intercalando-se com apresentações culturais de revolucionárias aliadas à luta do partido, como Ísis Valentini e Negra Winnie.

Também foi apresentado um histórico das principais lutas do Partido no estado, como o nascimento da Ocupação Carlos Marighella e da Casa Preta Zeferina em 2021. Com registros de atos organizados pela militância dos movimentos e organizações presentes, rememoraram-se manifestações em defesa da moradia digna e denúncias contra os fascistas que pioraram as condições de vida do povo.

Iniciando as intervenções políticas, Vitória Louise, da Coordenação Nacional da UJR, destacou que aquela era também a data em que o Exército Vermelho e o povo soviético derrotaram as tropas da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial em 1945. Ela salientou ainda a centralidade que a UJR dá à construção de uma nova moral comunista entre a juventude: “Che Guevara foi um jovem exemplar que abdicou de tudo que tinha e, por isso, ele é nosso patrono”. Louise também leu uma carta da revolucionária comunista Zoya Kosmodemyanskaya. Para encerrar, ela conduziu a premiação da Campanha de Recrutamento Sarah Domingues, que reconheceu os esforços dos três militantes da UJR da Bahia que mais trouxeram novas pessoas às fileiras da luta pela revolução socialista em nosso país.

Em seguida, Eslane Paixão, presidenta da UP Bahia, destacou a honra de construir a luta comunista e frisou a importância da luta antifascista no Brasil em todos os espaços. “Só a eleição não resolve! A verdade é que esse sistema é antidemocrático, não dá tempo de rádio e TV e não permitiu que nosso presidente — um homem preto, morador de ocupação —  falasse nos debates”, referindo-se à campanha de Leo Péricles para presidente da República em 2022.

A comemoração de 58 anos do PCR demarcou o caráter proletário da vanguarda revolucionária brasileira, da luta feminista, de libertação do povo negro e fortalecida no fogo da luta de classes; mergulhada na arte popular, na camaradagem e na alegria. Assim, se fortalece o espírito revolucionário dos comunistas para seguirmos batalhando pela verdadeira festa dos povos explorados e oprimidos, que é a Revolução!

Matéria publicada na edição impressa nº 292 do jornal A Verdade.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes