UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 9 de agosto de 2022

MOSTRANDO RESULTADOS PARA:

Pagamento de juros aumenta concentração de renda no Brasil

Seja através da execução da política monetária e cambial, seja pelo recebimento de lucros e dividendos, ou diretamente pela posse de títulos públicos, o pagamento de juros canaliza a riqueza de toda a sociedade para a elite da classe capitalista.

Lei da dolarização aumenta instabilidade do câmbio e reduz autonomia econômica

Nova Lei do Câmbio acaba com as últimas barreiras que ainda restam contra a completa exposição da economia nacional aos ciclos especulativos e às pressões políticas exercidas pelo capital financeiro e trará enormes limitações para a definição soberana da política econômica do país.

Planejamento econômico contra a estagnação e inflação

William Poiato SÃO PAULO - Iniciamos o mês de dezembro com informações desalentadoras sobre a economia nacional, a primeira é a confirmação da diminuição da...

Sem teto de gastos para banqueiros: Governo aumenta Selic e destina R$ 75 bi para Dívida Pública

Na última quinta-feira (28), o Copom do Banco Central anunciou o aumento da taxa Selic em 1,5 pontos percentuais, chegando aos 7,75% ao ano, o maior valor desde 2017.

Morre mulher queimada ao cozinhar com álcool

A alta nos preços do botijão de gás se deu principalmente pelos lucros que revendedores e distribuidores viram que podiam conseguir com a disparada da cotação do dólar e dos preços internacionais do petróleo, estabelecidos muito mais pela dinâmica da especulação financeira do que pelas condições objetivas de produção.

Agronegócio é responsável pelo aumento dos preços dos alimentos

O agronegócio é a versão moderna do latifúndio colonial. Completamente integrado ao mercado internacional, o agronegócio funciona como um enclave produtivo no território nacional. Como tal, tem pouco ou nenhum interesse com o abastecimento e o desenvolvimento do país. Enquanto este for o modelo dominante do campo, o aumento dos preços dos alimentos em meio ao crescimento do setor agropecuário não será uma contradição. Ao contrário, é o resultado esperado.

A dívida pública e a chantagem do “país quebrado”

Há anos, a sociedade brasileira vem sendo chantageada pelo discurso de que “não há dinheiro” para as medidas necessárias ao combate da crise e do desemprego. Entretanto, esse argumento não se sustenta do ponto de vista técnico e é usado politicamente para implementar reformas reacionárias.

Política econômica de Bolsonaro faz inflação disparar

Na cidade de São Paulo, o percentual de comprometimento da renda chega a 62,85%. O pacote de arroz de cinco quilos, que há dois anos custava em torno de R$ 12,00, em janeiro estava sendo vendido por R$ 24,02, de acordo com o Procon-SP.

Política econômica aprofunda recessão e prepara novas crises

A bolha financeira que vai se formando na bolsa de valores não é sinal de recuperação. É, ao contrário, a preparação para a próxima crise. Uma crise que a política de Bolsonaro e Guedes não apenas alimenta como também reduz os mecanismos para enfrentá-la.

Brasil é o quinto país no mundo que mais perde em impostos não pagos por milionários

Distante de passar pela justa aposentadoria de trabalhadores assalariados que passaram a vida contribuindo ao Estado brasileiro, as respostas para o problema fiscal no país, portanto, devem pautar a efetiva tributação dos resultados de grandes corporações e o caráter progressivo da taxação para aliviar o peso da carga tributária à população mais pobre. Porém os esforços para tal nunca partirão de decisões políticas de governos associados ao poder econômico.

Riqueza concentrada por bilionários bate recorde e chega a 10,2 trilhões de dólares

Mesmo com capitalistas batendo recordes de lucros, estimativas de organismos internacionais, como o Banco Mundial, indicam que a pandemia da Covid-19 deve levar 150 milhões à extrema pobreza até 2021.

Novidades