UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 13 de agosto de 2022

MOSTRANDO RESULTADOS PARA:

Comunidade Menino Chorão recebe oficinas culturais

A comunidade feminista, localizada em Campinas (SP), recebe o Laboratório de Artes Visuais com diversas técnicas artísticas até setembro.

Victor Vladmir: artistas contra a corrente

“A arte é um espelho para representar a realidade” disse Bertolt Brecht, é também uma forma de representar as opressões, lutas e vitórias do povo contra os capitalistas.

As “vozes-mulheres” e a arte

O que é arte? Quem são os artistas? Você consegue definir de forma satisfatória o que é arte? Essa é uma tarefa muito difícil. No século 17, com o surgimento das academias na Europa, ficou acertado que as expressões da Arte (com letra maiúscula) são aquelas que representam a beleza e se encerram em si mesmas. Essa definição certamente sofreu alterações ao longo do tempo, mas deu início a uma divisão que ocupa os espaços artísticos, inclusive os que nada têm a ver com esse contexto europeu, até hoje, entre as Belas Artes e a arte utilitária (as “artes menores”).

O bumba-meu-boi e a resistência cultural no Maranhão

A brincadeira do boi é muito popular no Brasil, podendo ser encontrada nas mais diversas regiões do país e sendo diferente de região para região. No Maranhão, a brincadeira é caracterizada por pertencer às festas juninas, com especial devoção a São Pedro, São João e São Marçal, em nome dos quais, em boa parte dos grupos, o boi é sacrificado como forma de se pagar uma promessa. Em seu mito de origem, é popularmente conhecida a narrativa sobre uma negra chamada Catirina que, durante a gravidez, sentiu o desejo de comer a língua de um boi da fazenda em que seu marido, Pai Francisco, trabalhava. Como o boi não resistiu a ter sua língua arrancada e morreu, o dono da fazenda ordenou que Pai Francisco o curasse, o que foi feito com a ajuda de pajés indígenas.

O nascimento do Jazz: expressão cultural viva de um povo

O Jazz, enquanto gênero musical e fenômeno social, se forjou no seio da classe trabalhadora norte-americana nos confins do século XIX, a partir, principalmente, de alguns pilares culturais fundamentais.

Os zumbis politizados de George Romero

Hoje em dia, os zumbis estão presentes de muitas formas na cultura pop que a juventude consome diariamente através da TV, dos videogames e dos livros. No entanto, toda essa onda começou lá em 1968, quando o diretor independente George A. Romero iniciou sua trilogia clássica sobre as criaturas com o filme “A Noite dos Mortos-Vivos”, usando os zumbis como metáfora pra criticar a sociedade americana, o racismo, o consumismo e inúmeras outras questões sociais que poucos tinham coragem de tratar naquela época. Assistir aos filmes de George A. Romero, além do entretenimento com boas histórias contadas com um baixíssimo orçamento, é também um estudo sobre diversas mazelas que o capitalismo submete o povo, às vezes nos convertendo em verdadeiros mortos-vivos.

Teatro das mulheres do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) recebe prêmio em Belo Horizonte

O espetáculo AntígonaS, encenado pelo Grupo de Teatro Mulheres de Luta, formado por mulheres da Ocupação Carolina Maria de Jesus, ganhou o Prêmio Leda Maria Martins de Artes Cênicas Negras de Belo Horizonte na categoria “Palco em Negro” (espetáculo em longa duração). A premiação valoriza a produção de teatro, dança e performance de artistas negros. O tema da premiação neste ano foi “Quilombismo”, inspirado na obra do teórico e militante negro Abdias do Nascimento.

Distopias: a face literária de um capitalismo em decomposição

Distopias correspondem a um gênero literário no qual, é retratado um futuro, onde as maiores mazelas existentes no seio da nossa sociedade são multiplicadas em dezenas de vezes, se tornando evidentes. Além disso o gênero da distopia, comumente tem suas histórias e enredos desenvolvidos numa sociedade extremamente avançada tecnologicamente.

“Em resposta à impunidade”, Mc Demo e Gb Montsho lançam novo single com chamado à organização popular

Fazendo a conexão Pernambuco x Rio de Janeiro, Mc Demo e Gb Montsho lançam o som “Em resposta à impunidade”. Denunciando os crimes encobertos pela ditadura militar fascista, mostram qual o verdadeiro lado da impunidade no Brasil.

Serigy, exemplo vivo de guerreiro revolucionário

A força de Serigy é tão grande que deu nome ao estado de Sergipe. Também a Frente Antifascista em Sergipe tem como referência histórica este que foi um dos maiores guerreiros do Brasil, que, por isso, chama-se Frente Antifascista Índio Serigy, que luta por resgatar a memória deste herói nacional, revelando a identidade de luta contra a opressão e escravidão por que sofreram e sofrem os pobres sergipanos nas mãos de quem detém o poder da terra.

A MPB como forma de representação popular

Quantos de nós não possuímos uma relação profunda com a música brasileira? Isso porque nos enxergamos nessas composições, uma vez que refletimos a variedade cultural presente ao nosso redor. Além disso, a opressão e a desigualdade nos atingem cotidianamente. Dessa maneira, ao escutar, cantar e dançar a música brasileira, nos sentimos unidos, nos sentimos profundamente brasileiros e isso por si só é uma confusa junção de identidade, amor, tristeza e revolta.

Novidades