UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 10 de agosto de 2022

MOSTRANDO RESULTADOS PARA:

Desafios da saúde mental na juventude

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil tem 5,8% de sua população sofrendo de depressão. Em todo o continente americano, nosso país fica atrás apenas dos EUA, onde 5,9% da população padece do transtorno. A depressão é um transtorno mental incapacitante: nos rouba toda perspectiva de vida, sugando qualquer sentimento de felicidade e prazer. Todos estes sintomas são nada mais do que reflexos do que o capitalismo tem a oferecer: tristeza e desesperança para todos aqueles que são subordinados a uma vida de miséria e exploração desumana. Não é de se estranhar que a população pobre, em especial a nossa juventude, seja a mais atingida por essa doença tão devastadora. Embora seja essa uma enfermidade que atinge o conjunto da sociedade.

“Eles pelo lucro, nós pela vida”

As universidades públicas têm um papel fundamental na construção democrática da nossa sociedade. Não desempenham somente a função de ensinar a seus alunos, mas devem manter uma boa relação com a população ao seu redor, além de exercer uma permanente troca com a comunidade com seus projetos de extensão.

Mauá: uma cidade de trabalhadores

A décima primeira maior cidade do Estado de São Paulo, localiza-se no chamado Grande ABC Paulista. É um importante centro industrial, com empresas de diversos setores, como químico, metalúrgico, petroquímico e da louça. Em 2018, ficou na 62ª colocação no ranking nacional do Produto Interno Bruto (PIB). Mesmo sendo uma cidade tão grande e importante, Mauá é a cidade com os piores indicadores sociais da região, com grandes periferias e carências de serviços públicos para a população. Segundo o site oficial da própria Prefeitura, são gastos apenas R$ 1 mil por ano com cada cidadão em serviços como saúde, educação, assistência social, segurança, desenvolvimento econômico, trabalho e renda, entre outros.

CPTM sujeita ferroviários a riscos da Covid-19

Desde o início da quarentena, os ferroviários se veem extremamente expostos ao contágio do novo coronavírus. Não há nenhum plano de ação específico para atenuar o contágio e a CPTM ainda burocratiza o acesso a máscaras de proteção. Devido à falta de funcionários, já bem sentida na rede antes mesmo da pandemia, vários trabalhadores da operação têm sido transferidos compulsoriamente para bases mais distantes, levando mais tempo para se deslocar. Mesmo que o transporte ferroviário seja considerado um serviço essencial, o governo de João Doria (PSDB) não se pronuncia sobre a necessidade de aplicar testes para detectar a Covid-19 em todos os empregados da rede.

Movimento de mulheres realiza campanha de apoio às diaristas

Desde o início da pandemia da Covid-19, o Movimento de Mulheres Olga Benário está realizando uma campanha nacional direcionada para trabalhadoras domésticas e diaristas. A “Campanha de Apoio a Diaristas” tem como objetivo construir um fundo para a compra de cestas básicas, produtos de higiene e limpeza, além de fraldas e remédios, itens que são necessários para muitas mulheres que estão desempregadas e que, em função da quarentena, estão sem renda.

Unidade Popular promove cursos de formação à distância no Rio

O curso funciona com seis turmas semanais (Centro/Zona Sul, Zona Oeste, Zona Norte, Tijuca, Baixada e Região dos Lagos), envolvendo mais de cem pessoas. Cada turma se “encontra” uma vez por semana por meio de um aplicativo de teleconferência para estudar a sequência didática estabelecida. Dias antes das aulas, todos recebem o material a ser estudado e devem lê-lo.  “Essa foi uma maneira que encontramos de manter o contato com a militância e, ao mesmo tempo, estimular nossos companheiros e companheiras a estudarem o marxismo e aprofundarem a formação durante a quarentena”, explicou Esteban Crescente, presidente da UP-RJ. 

Dr. Tiago Gurgel: “Houve muita negligência do governo no combate à Covid-19”

O jornal A Verdade entrevistou o médico patologista Tiago Magalhães Gurgel. Ele é chefe de equipe da Emergência no principal hospital privado de Fortaleza, Ceará. Foi diretor do Sindicato dos Médicos do Ceará e é membro da Unidade Popular.

Pandemia e crise internacional do petróleo

A imprensa internacional tem divulgado que o preço do barril do petróleo WTI, referência para os Estados Unidos, caiu a níveis negativos, chegando a -USD$30. O tipo Brent, referência para Europa, Ásia e também para a Petrobras, chegou a USD$20 e com tendência de queda. Na mais recente fase da crise capitalista mundial, a produção de petróleo não deixou de sofrer os efeitos decorrentes da redução da demanda por combustíveis e demais derivados. A grande mídia aponta, entretanto, que essa queda do preço do petróleo é unicamente resultado da pandemia da Covid-19. Porém, o problema tem raízes mais profundas que a pandemia.

Panelaços na Periferia: “Fora Bolsonaro”

“Bora, pessoal, bater panela que a geladeira tá vazia! Vamo, meu povo, vamo tirar o Bolsonaro!”. Foi assim que Dona Marta, moradora da Ocupação Esperança, em Belo Horizonte (MG), convocou a vizinhança para o panelaço organizado pelo Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) e pela Unidade Popular (UP), na noite do dia 21 de abril.

Governo impede milhões de pessoas de receberem auxílio emergencial

Em janeiro deste ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou todos os países sobre o novo coronavírus. Em 11 de março, a OMS decretou que o mundo estava vivendo a pandemia da Covid-19. Neste dia, o Brasil tinha somente 52 pessoas contaminadas pelo vírus.

Novidades