UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2022

MOSTRANDO RESULTADOS PARA:

Campanha salarial dos servidores públicos federais entra na reta final

A campanha salarial deste ano, mais do que lutar pela reposição linear de 19,99%, tem o objetivo de combater as privatizações, defender a realização de concursos públicos e garantir que serviço público atenda às necessidades da população e não do grande capital.

O falso reajuste salarial dos servidores de Mauá -SP

Felipe Vieira de Galisteo MAUÁ - Nesta terça à noite (09/11), através de entrevista ao Repórter Diário, o presidente do SINDSERV Mauá anunciou o resultado...

Servidores de São Pedro da Aldeia (RJ) se mobilizam contra cortes de direitos

Chantal Campello, São Pedro da Aldeia/RJ TRABALHADOR UNIDO - Funcionários públicos de São Pedro da Aldeia, no interior do Rio, ocuparam as ruas no dia...

Reforma Administrativa quer desmantelar Serviço Público

Enquanto corta salários de servidores com a justificativa de conter gastos, Bolsonaro gastou R$3 bilhões com a compra de votos de deputados e senadores para suas pautas no Congresso e para a eleição de seus candidatos à Presidência da Câmara e comissões que investigam seus casos de corrupção.

Sindisep se filia à Condsef e se consolida como sindicato dos servidores federais

O Movimento Luta de Classes (MLC), que encabeçou desde o início esse processo de ruptura com o sindicalismo pelego, se orgulha de ver consagrado o Sindisep-RJ como alternativa sindical em defesa dos interesses dos servidores federais do Rio de Janeiro.

O Estado-empresa ou o direito como mercadoria: crítica à Reforma Administrativa

Essa reforma não pretende resolver os problemas da administração pública, o objetivo é outro, é garantir os interesses de uma minoria exploradora que faz do Estado seu balcão de negócios. “Modernizar” e “adequar” aos moldes do neoliberalismo, em outras palavras: enriquecer mais o rico e empobrecer mais o pobre.

Servidores públicos denunciam condições de trabalho em Mauá

Que a gestão de Átila Jacomussi (PSB) à frente de Mauá foi um desastre completo já é um fato consumado mesmo antes do final de seu mandato. Os inúmeros escândalos envolvendo roubo de dinheiro público que levou a duas prisões do atual mandatário do cargo de prefeito, além de uma série de investigações em andamento, falam por si só. A corrupção endêmica e a incompetência administrativa espalham-se por todas as secretarias e, obviamente, pela câmara municipal, onde 22 dos 23 vereadores foi cúmplice de crimes e irregularidades do atual governo, demonstrando seu descaso absoluto com a classe trabalhadora mauaense.

“Temos que decidir entre pagar aluguel ou comer”

Enquanto os governantes Romeu Zema (NOVO) e Alexandre Kalil (PSD) tentam se diferenciar um do outro com suas políticas e ideologias vemos que ao tratarem os funcionários públicos mais pobres os dois agem da mesma maneira. E por conta desses “gestores da miséria” mais de 1.700 trabalhadores e trabalhadoras passarão o mês de junho inteiro com menos de R$500,00.

Bolsonaro e governadores querem congelar salários de servidores

Proposta do Governo Federal é punir servidores públicos pela crise econômica provocada pela especulação dos bancos e pela incompetência do próprio governo. 

Novidades